Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 99 :: Setembro/2006 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

DOSSIÊ PLUTÃO

Pluto, o cão

Fernando Fernandes

A sincronicidade também funciona no mundo dos desenhos animados: enquanto Pluto, o planeta, era anunciado ao mundo, Pluto, o cão de Mickey Mouse, preparava sua estréia em Hollywood. O comportamento de Pluto reflete o comportamento coletivo de uma geração afinada com Plutão.

Antes do lançamento de Pateta, os estúdios Disney experimentam outros parceiros para Mickey. Um deles é Horácio (Horace Horsecollar), um alegre cavalo que até hoje aparece como coadjuvante nas histórias em quadrinhos, normalmente como par da vaca Clarabela (que também é desta época, mais velha que Pateta). Mas o único que chegou a fazer sucesso e ganhar o papel de protagonista nos quadrinhos foi um cachorro feio, desengonçado e sem nome cuja primeira aparição deu-se no desenho The Chain Gang, completado em 18 de agosto de 1930 (o Sol está em Leão e Saturno aparece como planeta isolado e em domicílio, enquanto Urano está envolvido numa quadrutura T). O cão de Mickey só seria batizado no desenho The Mouse Hunt, completado em 30 de abril de 1931. Não apenas receberia o nome de Pluto, como também falaria pela primeira e única vez em sua carreira.

Pluto, lançamento (carta solar) - 18.8.1930, 12h - Los Angeles, Califórnia.

Pluto é engraçado por ser um cachorro covarde, medroso, encrenqueiro, desconfiado, um tanto maníaco, nada brilhante, enfim. Tem uma atitude defensiva diante do mundo. Para ele, tudo precisa ser cuidadosamente farejado, rodeado e visto com suspeição antes de ser finalmente admitido. Esta postura "armada" lembra Plutão, planeta cuja descoberta praticamente coincide com a criação do personagem. Tanto Pluto, o cão, quanto Pluto, o planeta, entram em cena num momento delicado para os Estados Unidos, quando a Grande Depressão espalha o desemprego e o desânimo entre a classe média e o submundo das famílias mafiosas controla enormes fortunas. Na Europa, é o momento em que hordas de desempregados começam a dar ouvidos a propostas de governos fortes e autoritários, num processo de sedução da opinião pública cujo resultado todos conhecem. Pouco tempo depois, um austríaco de voz estridente e bigode ridículo alcançaria o poder na Alemanha e desencadearia a mais terrível guerra do século XX.

Pluto parece estar em ressonância com o ressabiado comportamento da classe média americana daquele período. Protege seu limitado território de cão doméstico, olha com desconfiança para tudo que pareça estranho e bajula o dono da mesma forma como trabalhadores com emprego em risco eram obrigados a bajular o patrão. Animais domésticos são assunto de casa 6, assim como trabalhadores assalariados. É uma casa que indica condição subalterna, onde é preciso "mostrar serviço" para garantir o pão de cada dia. Pluto tenta demonstrar competência em seus afazeres caninos, mas nem sempre é bem sucedido. Sua incompetência é sempre relevada pelo condescendente Mickey - não sem algumas reprimendas que deixam Pluto com o rabo entre as pernas - e, neste sentido, o cão acaba tendo mais sorte do que seus congêneres humanos, sempre enfrentando o fantasma da demissão.

O ansioso e obsessivo Pluto, que faz traquinagens às escondidas de Mickey e posa de cachorrinho obediente quando o dono está por perto, é bem o retrato de conteúdos do camuflado Plutão e da rotineira casa 6. Acrescente-se que é um personagem sui generis, pois trata-se de um cachorro que se comporta como animal num universo de cães, ratos e patos humanizados. Pateta, por exemplo, também é cão, e da mesma raça que Pluto (observem as orelhas). Esta condição infra-humana remete a outras características de Plutão: a irracionalidade e o teor arcaico daquilo que Jung chamou de "cauda de dinossauro que a humanidade arrasta atrás de si", a simbolizar os conteúdos primitivos que ainda carregamos.

Que Pluto deu nome a Pluto?

Circula às vezes a versão de que o nome Pluto para o planeta recém-descoberto teria vindo de Pluto, o personagem de Walt Disney. Tal versão não se sustenta, bastando que se verifiquem as datas: quando o Observatório de Lowell comunica a escolha do nome oficial, o cãozinho dos Estúdios Disney não havia sido sequer criado. Mesmo depois da estréia, o esforçado canídeo ainda teve de esperar oito meses para ganhar um nome, o que só ocorreu na véspera do aniversário do batismo de Plutão. Assim, Pluto, o cão, é conseqüência de Pluto, o planeta, e não o contrário. Contudo, foram os desenhos animados que ajudaram a propagar o nome do novo corpo celeste, colocando-o definitivamente como parte da linguagem comum.

Leia também em Dossiê Plutão:

O mapa do planeta anão - por Fernando Fernandes
Plutão não é mais planeta... e daí? - por Carlos Hollanda
Limpeza de órbita e limpeza étnica - por Maurice Jacoel
Os astrônomos viram a mesa e encolhem o Sistema Solar - por Fernando Fernandes
A menina que batizou um planeta - por Fernando Fernandes



Atalhos de Constelar 99 - Setembro/2006 | Voltar à capa desta edição |

Fernando Fernandes - Dossiê Plutão | A menina que batizou um planeta | Pluto, o cão de Mickey Mouse | O mapa do planeta anão |
Carlos Hollanda - Dossiê Plutão | Plutão não é mais planeta... e daí? | O medo do monstro sob a cama |
Maurice Jacoel - Dossiê Plutão Limpeza de órbita e limpeza étnica |
Thiago Veloso/Equipe de Constelar - Astrológica 2006 | No ritmo da Astrológica 2006 | Entrevista com Robson Papaleo |
Renata Lins - Os tempos de Saturno e Urano | Chronos e Kairós |

Edição anterior:

Raul V. Martinez - Astrologia Médica no século XV | Um mapa de doença, delírio e morte |
Raul V. Martinez - Jack, o Estripador | Um assassino de sangue real | A carta natal de Albert Victor |
Dimitri Camiloto - Saturno em Leão e o Brasil em 2006 | Fuzarca, decepção e realidade |
Dimitri Camiloto / Fernando Fernandes - Astrologia Mundial | Coréia do Norte e agressividade infantil | Duas Coréias, muitos mapas |
Americo Ayala Jr. - Astrocartografia e catástrofes naturais | Terremoto na Indonésia, Maio de 2006 |
Thiago Veloso/Equipe de Constelar - Astrológica 2006 | No ritmo da Astrológica 2006 | Entrevista com Robson Papaleo |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva