Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 99 :: Setembro/2006 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

DOSSIÊ PLUTÃO

O mapa do planeta anão

Fernando Fernandes

Plutão é o regente do mapa de seu próprio "rebaixamento" a planeta anão. Este mapa é revelador do clima que vai pelo mundo em 2006 e do desejo de varrer problemas para debaixo do tapete.

A segunda sessão da XXVI Assembléia Geral da IAU (União Astronômica Internacional), na qual foram votadas as resoluções que conceituam o que é planeta e planeta anão, teve início em Praga no dia 24 de agosto de 2006, às 14h15 (hora tcheca), correspondendo às 9h15, hora de Brasília. O anúncio formal do resultado da votação que "destituiu" Plutão da condição de planeta foi feito no máximo às 15h30 (às 10h34, hora de Brasília, alguns sites internacionais, como Reuters e BBC, já davam a notícia em detalhes).

Início da sessão da XXVI Assembléia Geral da IAU que aprovou a reclassificação
de Plutão como planeta anão - 24.8.2006, 14h15 (+02:00) - Praga,
República Tcheca - 50n05, 014e26.

O mapa da abertura da reunião mostra o Ascendente em Escorpião, com Marte no Meio do Céu, em Virgem, formando quadratura a Plutão no final da casa 1. É uma imagem adequada para representar os donos da ciência "chutando" Plutão para fora da elite do sistema solar, como ironiza, aliás, uma charge da CNN.

O mapa da chegada da notícia aos jornais brasileiros e americanos tem, ainda considerando Praga como referência, Sagitário no Ascendente e Plutão na 1, em recepção mútua com Júpiter, considerando-se regências modernas.

O mais irônico dessa história é que Plutão é o regente do mapa de seu próprio rebaixamento.

Fazendo um paralelismo entre o que emergia como processo histórico no momento da descoberta de Plutão, podemos identificar o que agora se tenta minimizar, esconder, ignorar ou desconsiderar. Para isso não é preciso qualquer conhecimento astrológico: basta abrir os jornais ou olhar em volta. E o que vemos?

Os conflitos no Líbano e no Iraque são exemplos bem instrutivos. Israel e Estados Unidos vêm agindo do Oriente Médio como se todo o conflito com grupos radicais, como o Hezbollah e como a insurgência iraquiana, não passasse de uma questão meramente militar. Acontece que cada ação militar bem sucedida desperta mais ódio contra o Ocidente e mobiliza mais gente para o apoio ao radicalismo. Ódios raciais profundos e irracionais são um assunto de Plutão, assim como o desprezo pela própria vida, que leva adolescentes a se transformarem em homens-bomba.

Outra questão é o pânico que vem-se apossando da opinião pública de alguns países ocidentais, especialmente Estados Unidos e Reino Unido, por causa da ameaça de atos terroristas. A histeria tem servido de pretexto para uma progressiva redução de liberdades civis (especialmente a liberdade de ir e vir) em países que, no passado, foram baluartes democráticos. É o sacrifício dos direitos individuais em nome da segurança, caminho aberto para o totalitarismo - outro tema muito caro a Plutão.

O saque de Roma pelos bárbaros em 410 na visão de Joseph Noël Sylvestre

A comunidade científica representa o status quo e, conseqüentemente, tem uma conotação Júpiter-Saturno, os dois planetas da ordem social e do poder institucionalizado. Ao "destituir" Plutão da condição de planeta, esta comunidade científica faz um movimento análogo ao dos dirigentes das grandes potências, que parecem empenhados num grande jogo de faz-de-conta: faz de conta que é possível lidar com o desatamento dos ódios religiosos e étnicos; faz de conta que os Estados Unidos não estão deixando pouco a pouco de ser uma democracia; faz de conta que as calotas polares não estão derretendo e que será possível manter o crescimento econômico para sempre; faz de conta que não há riscos de um conflito nuclear.

Ao diminuir a importância de tudo que está além de Netuno - o que inclui não apenas Plutão, mas também os significados de Xena, Sedna e Quaoar - o mundo desenvolvido, analogicamente, tenta varrer para debaixo do tapete toda uma série de problemas que ainda aguardam uma resposta: lidar com a alteridade e com paradigmas civilizatórios diversos dos nossos (Xena), enfrentar a perda da sustentabilidade ambiental (Sedna), a irracionalidade do terrorismo (Quaoar) e o risco da destruição em massa (Plutão).

Tal como os antigos gregos, romanos e bizantinos, que dividiam o mundo entre "nós" e os "bárbaros", a nova classificação dos corpos celestes também cria um território percebido como de segunda classe. Em contraposição aos planetas "clássicos" (que agora incluem Urano e Netuno, além dos sete visíveis), existem agora os planetas "bárbaros", os invisíveis, os anões, que vivem num território escuro e hostil, além das fronteiras da civilização. Mais uma vez, sob a capa da cientificidade, o homem reelabora sua noção de céu, projetando no espaço as grandes divisões que o atormentam.

Leia também em Dossiê Plutão:

Plutão não é mais planeta... e daí? - por Carlos Hollanda
Limpeza de órbita e limpeza étnica - por Maurice Jacoel
Os astrônomos viram a mesa e encolhem o Sistema Solar - por Fernando Fernandes
A menina que batizou um planeta - por Fernando Fernandes
Pluto, o cão de Mickey Mouse - por Fernando Fernandes

Outros artigos de Fernando Fernandes.



Atalhos de Constelar 99 - Setembro/2006 | Voltar à capa desta edição |

Fernando Fernandes - Dossiê Plutão | A menina que batizou um planeta | Pluto, o cão de Mickey Mouse | O mapa do planeta anão |
Carlos Hollanda - Dossiê Plutão | Plutão não é mais planeta... e daí? | O medo do monstro sob a cama |
Maurice Jacoel - Dossiê Plutão Limpeza de órbita e limpeza étnica |
Thiago Veloso/Equipe de Constelar - Astrológica 2006 | No ritmo da Astrológica 2006 | Entrevista com Robson Papaleo |
Renata Lins - Os tempos de Saturno e Urano | Chronos e Kairós |

Edição anterior:

Raul V. Martinez - Astrologia Médica no século XV | Um mapa de doença, delírio e morte |
Raul V. Martinez - Jack, o Estripador | Um assassino de sangue real | A carta natal de Albert Victor |
Dimitri Camiloto - Saturno em Leão e o Brasil em 2006 | Fuzarca, decepção e realidade |
Dimitri Camiloto / Fernando Fernandes - Astrologia Mundial | Coréia do Norte e agressividade infantil | Duas Coréias, muitos mapas |
Americo Ayala Jr. - Astrocartografia e catástrofes naturais | Terremoto na Indonésia, Maio de 2006 |
Thiago Veloso/Equipe de Constelar - Astrológica 2006 | No ritmo da Astrológica 2006 | Entrevista com Robson Papaleo |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva