Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 100 :: Outubro/2006 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ASTROLOGIA BÁSICA

Após os 30 anos o Ascendente fica mais forte?

Carlos Hollanda explica a conexão entre o retorno de Saturno e a noção, muito difundida mas errônea, de que "após os 30 anos o Ascendente fica mais forte". É o retorno de Saturno que destaca o discreto encanto das "balzaquianas".

Quatro pessoas, num mesmo dia, me dizem que vão fazer 30 anos. E me anunciam isto com uma certa gravidade. Nenhuma está dizendo: vou tomar um sorvete na esquina, ou: vou ali comprar um jornal. Na verdade estão proclamando: vou fazer 30 anos e, por favor, prestem atenção, quero cumplicidade, porque estou no limiar de alguma coisa grave.

(Da crônica Fazer 30 anos, de Afonso Romano de Sant'Anna. In "A Mulher Madura", Editora Rocco - Rio de Janeiro, 1986.)

Disseminou-se durante muito tempo a hipótese de que "depois dos 30 anos o Ascendente fica mais forte", o que não é verdade. A pergunta faz parecer que alguém é capaz de deixar de lado todo um intrincado sistema de símbolos, que é o mapa astrológico, em favor de um único fator de sua composição. A coisa não acontece desta forma.

Ao longo do tempo vamos nos tornando conscientes de formas otimizadas para lidar com o mundo objetivo. Cada vez ficamos mais aptos a estabelecer um diálogo entre nosso interior e as circunstâncias exteriores. Se considerarmos que o Ascendente é, entre outros significados, a forma através da qual nos manifestamos objetivamente, isto é, a forma como nos apresentamos e como nos vemos, fatalmente essa forma será alterada também. Ao contrário de o "Ascendente ficar mais forte", o que ocorre é uma aproximação de nossa consciência objetiva com aquilo que o mapa astrológico simboliza como um todo. Sendo assim, nem o Ascendente, nem outro fator visto isoladamente no mapa astrológico identificam por completo alguém após certo tempo de vida.

A mística sobre os 30 anos foi reforçada no século XIX pelo escritor francês Honoré de Balzac (foto), que traça, numa de suas obras - A mulher de 30 anos - o retrato psicológico da mulher sofrida, insatisfeita com o casamento e consciente de sua insatisfação. Daí a expressão balzaquianas para identificar as mulheres que ultrapassaram esta barreira etária.

É possível que muitas pessoas façam certa confusão entre o senso comum do "Ascendente mais forte aos 30 anos" e as características psicológicas de um ciclo astrológico muito importante. Entre os 28 e 30 anos, mais precisamente aos 29 anos e meio, passamos pelo chamado Retorno de Saturno, isto é, o planeta Saturno completa uma volta inteira ao redor do Sol, que simbolicamente é iniciada na época de nosso nascimento. No Retorno, ele passa pela mesma posição em que se encontrava quando nascemos. Se resumirmos o significado podemos dizer que o período reflete uma crise envolvendo o sentimento de responsabilidade, de realizações e de maturidade, bem como um descartar de resquícios de atitudes mais infantis. Este seria, astrologicamente falando, uma espécie de "ponto de maioridade".

Você mulher
Que já viveu
Que já sofreu
Não minta

Um triste adeus
Nos olhos seus
A gente vê
Mulher de trinta

(Mulher de trinta, de Luís Antônio, grande sucesso do cantor Miltinho no ano de 1960)

Não quero broto
Não quero, não quero não
Não sou garoto para viver
mais de ilusão
Sete dias da semana
Eu prefiro ver minha balzaquiana.

(Balzaquiana, de Nássara e Wilson Batista, sucesso no carnaval de 1950)

É comum, durante esta fase da vida, as pessoas relatarem sentimentos de incapacidade ou inadequação. Também é comum que se pense algo do tipo: "Não fiz nada nessa vida que prestasse! Tenho que construir minha vida em bases mais sólidas." Na verdade é um momento de assumimos algumas de nossas limitações, outro atributo do símbolo de Saturno. Se por um lado a sensação é um pouco desconfortável, por outro a consciência muito clara dos limites é justamente a base que nos permite concretizar os anseios dos anos anteriores. Não é à toa que popularmente chamamos os 30 anos de "idade da razão". Renato Russo, do Legião Urbana, ainda cantava: "E aos 29, com o Retorno de Saturno, decidi começar a viver."

Alguns fatores vistos nas técnicas de Progressão ou de Trânsitos podem ajudar a definir que tipo de fase a pessoa está vivenciando, inclusive dando indicações de como é possível lidar melhor com ela. Se por acaso uma pessoa passa a sentir-se mais identificada com as descrições mais comuns sobre seu Ascendente, é bem provável que em seu mapa um dos ciclos individuais mais importantes esteja ativando justamente os significados relacionados a ele.

Mas fazer 30 anos é como sair do espaço e penetrar no tempo. E penetrar no tempo é mister de grande responsabilidade. É descobrir outra dimensão além dos dedos da mão. É como se algo mais denso se tivesse criado sob a couraça da casca.

(Afonso Romano de Sant'Anna, op. cit.)

Outros textos de Carlos Hollanda.



Atalhos de Constelar 100 - Outubro/2006 | Voltar à capa desta edição |

Fernando Fernandes - O acidente do vôo Gol 1907 | Um Boeing na Floresta | O mapa da Gol, a empresa da barrinha de cereal |
Vicente Gigli - Aplicando técnicas de Astrolocalização | O acidente na Astrocartografia |
Fernando Fernandes - Astrologia e Preconceito | As sete inverdades mais comuns | Os astrólogos de vida dupla de Recife |
Raul V. Martinez - Astrologia e pesquisa histórica | O Grito do Ipiranga com precisão de GPS |
Carlos Hollanda - Astrologia básica | Após os 30 anos o Ascendente fica mais forte? |

Edição anterior:

Fernando Fernandes - Dossiê Plutão | A menina que batizou um planeta | Pluto, o cão de Mickey Mouse | O mapa do planeta anão |
Carlos Hollanda - Dossiê Plutão | Plutão não é mais planeta... e daí? | O medo do monstro sob a cama |
Antonio Carlos Harres - Dossiê Plutão | Brigar com anões dá azar |
Maurice Jacoel - Dossiê Plutão Limpeza de órbita e limpeza étnica |
Renata Lins - Os tempos de Saturno e Urano | Chronos e Kairós |
Antonio Carlos Harres - Coluna do Bola | Xena virou Éris, a deusa da discórdia |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva