Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 165 :: Março/2012 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ASTROLOGIA MUNDIAL

Síria, a guerra civil em quatro mapas

Fernando Fernandes

Sol, Júpiter e Marte estão na raiz dos vários mapas da Síria e corporificam o dilema entre autoridade e legalidade, sempre com o tempero da violência.

Combatentes sírios em 1948

Militares sírios em 1948, às vésperas da primeira guerra contra Israel.

Uma rápida investigação sobre o mapa da Síria confunde mais do que ajuda o pesquisador. Trata-se de um daqueles países com diversas opções de carta nacional, exigindo uma análise mais detalhada de cada uma das possibilidades.

Nicholas Campion, astrólogo e historiador inglês, autor da coletânea de cartas mundanas The Book of World Horoscopes, propõe como mapa do país a data da transferência de todos os poderes da administração colonial francesa para uma administração local, em 1º de janeiro de 1944. Poderia ser um bom começo. Contudo, não é a data que os sírios reconhecem como sendo o de sua própria independência.

O grande senão do trabalho de Nicholas Campion - no mais um pesquisador de primeiro nível - é utilizar um critério etnocêntrico para o levantamento de mapas nacionais. Para Campion, o fator determinante da formação de novos países (ou da fase histórica atual de países milenares) é sempre um ato jurídico formal, normalmente consubstanciado na assinatura de um documento ou na vigência de um tratado. Trata-se de um critério bastante eficaz no mundo anglo-saxão, onde a ordem jurídica desempenha um papel preponderante como eixo articulador da vida social e econômica. Assim, privilegiar a assinatura da Declaração de Independência como marco do surgimento dos Estados Unidos é uma escolha basicamente correta, já que os próprios americanos reconhecem naquele ato uma força simbólica e uma legitimidade que o tornam o verdadeiro ponto de partida da autonomia nacional.

Contudo, fora do mundo anglo-saxônico a coisa muda de figura. Para nós, latino-americanos, pronunciamentos teatrais em praça pública, de espada em riste, como o Grito do Ipiranga de Pedro I ou a Proclamação da República de Deodoro da Fonseca, valem mais do que os documentos formais que dão legitimidade ao novo regime. Para os povos africanos e o mundo árabe, não é muito diferente. O importante não é adotar para o resto do mundo os mesmos critérios de autonomia jurídica que seriam reconhecidos na Inglaterra, mas sim tentar entender o que cada povo, em vista de sua cultura e de seus valores locais, considera marcante como indicador do surgimento de uma identidade nacional.

O caso da Síria é um bom exemplo do labirinto de opções a que um astrólogo está sujeito. A região é povoada desde tempos imemoriais, e o termo Síria remonta à época clássica dos gregos, que o aplicavam provavelmente para identificar a região antes ocupada pelo império assírio. Mais precisamente, as origens da Síria atual podem remontar à época da conquista islâmica, em 640 d.C. Daí até o ano 750 Damasco foi a capital do califado Omíada, primeiro grande momento de esplendor cultural do Islã.

Contudo, para que um mapa nacional seja válido, deve corresponder a um organismo político autônomo e com existência contínua. Neste sentido, a Síria da época dos califas Omíadas não é certamente a mesma dos dias atuais: durante séculos, a autonomia desapareceu por completo, em vista da anexação do território por outras potências, as últimas das quais foram o Império Otomano (dos turcos) e a França, que controlou a região após a Primeira Guerra Mundial. Assim, tratemos de procurar a carta do país após a recuperação da autodeterminação, algum momento depois da saída dos franceses.

Os próprios sírios consideram como data nacional o dia 17 de abril de 1946, quando as últimas tropas francesas deixam definitivamente o país. Esta é a carta que apresentamos abaixo, sem estrutura de casas e calculada para o horário-padrão do meio-dia.

República da Síria

Independência oficial da República da Síria - 17.4.1946 - Damasco, Síria - sem horário.

Contudo, esta não é a única possibilidade. Em 22 de fevereiro de 1958 Síria e Egito se unem para formar a RAU (República Árabe Unida) sob a presidência do líder egípcio Gamal Abdel Nasser. Em 28 de setembro de 1961 um golpe restabeleceu a autonomia da Síria, que abandona a união com o Egito. Contudo, o novo governo durou pouco. Em 8 de março de 1963 o partido Baath, de orientação nacionalista e socialista, promove novo golpe de estado e assume o poder, numa convulsão que provocou a morte de mais de 800 pessoas.

Em 1966 outro golpe de estado levou ao exílio os Baathistas de 1963 e elevou ao comando do país uma dissidência do partido Baath. Em 1970 um novo golpe de estado foi perpretado pela ala militar do partido Baath, que defenestrou os governantes civis e colocou no poder o Ministro da Defesa, Hafez al-Assad. Hafez governou ditatorialmente por trinta anos. Após sua morte, em 2000, assumiu um governo de transição que, finalmente, em 10 de julho de 2000 entregou o poder nas mãos do filho de Hafez, Bashar al-Assad, que permanece na presidência até hoje.

Desta rápida exposição, destacamos quatro mapas que podem ser válidos para a compreensão da revolta síria de 2011-2012:

  • Mapa da Independência, em 17.4.1946;
  • Revolução do partido Baath, em 8.3.1963;
  • Revolução que pôs no poder a "dinastia" Assad, em 13.11.1970; e
  • Eleição (indireta) de Bashar el-Assad, em 10.7.2000.

Cabe destacar que o governo de Bashar al-Assad é ao mesmo tempo uma continuação do regime de seu pai e da própria revolução Baathista, já que o Partido Baath continua no poder ininterruptamente desde 1963.

Síria - mapa geográficoMapa da Síria atual. A região marcada com um círculo amarelo é onde se localiza a cidade de Homs (ou Hims), principal foco de insurgência contra o regime da família Assad.

Na carta da Independência, em 1946, o destaque fica por conta de uma quadratura T entre o Sol em Áries, Marte em Câncer e Júpiter em Libra. Trata-se de uma configuração dinâmica, turbulenta, expansiva, com um toque adolescente e um forte impulso para a ação imediata. A quantidade de golpes de estado e de conflitos externos vividos pela Síria desde 1946 confirmam claramente essas características, ainda mais reforçadas pela quadratura da Lua em Escorpião com Plutão em Leão.

A carta da Revolução Baath em 1963 confirma em parte a da Independência ao apresentar uma conjunção Sol-Júpiter, desta vez em Peixes. Por outro lado, acrescenta um dado novo: uma quadratura Saturno-Netuno, quer tende a trazer à tona a temática do fanatismo, da defesa do Estado e da restrição dos direitos individuais. Efetivamente, a partir daí a Síria sempre será um regime ditatorial.

A carta do início do golpe de estado que colocou Hafez al-Assad no poder, em 1970, traz - surpresa! - uma nova conjunção Sol-Júpiter, desta vez em Escorpião e oposta a Saturno em Touro.

Finalmente, a carta da posse do presidente atual Bashar al-Assad, em 2000, traz uma conjunção Sol-Marte em Câncer, enquanto Saturno e Júpiter formam outra conjunção no fim de Touro e início de Gêmeos.

O "tema de fundo" da questão síria

As quatro cartas importantes para a compreensão da Síria de hoje reforçam-se mutuamente. Na carta da Independência, o tema dominante é a quadratura T entre Sol, Marte e Júpiter, indicando que a república viveria uma permanente tensão entre a legalidade (Júpiter em Libra) e o poder autoritário (Sol em Áries), tudo isso envolvido com a questão da violência étnica (Marte em Câncer, signo de raízes familiares). Os contatos Sol-Júpiter e Sol-Marte se repetem nas outras três cartas, reiterando a questão central da história síria em quase setenta anos: o dilema entre autoridade e legalidade, sempre com o tempero da violência.

Outros artigos de Fernando Fernandes.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Fernando Fernandes - Rio de Janeiro | Todos em uma só maré | A viagem de Estácio de Sá |
| Malandros e rebeldes | A alma carioca, casa por casa |
Fernando Fernandes - A crise da Síria | A guerra civil em quatro mapas |
| Bashar al-Assad, o lado escuro de Harry Potter |

Edições anteriores:

Fernando Fernandes - Cultura afro-brasileira | Iemanjá, a mãe de todos os peixinhos |
| Do Cristianismo medieval ao Rio de Janeiro |
Fernando Fernandes - Egito | O terremoto social |
Redação - Entrevista com Carlos Hollanda | Ipanema, Urgente: a Astrologia passou no vestibular |



Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva