Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 164 :: Fevereiro/2012 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ASTROLOGIA E CULTURA BRASILEIRA

Do Cristianismo medieval à Iemanjá carioca

Fernando Fernandes

O sincretismo que liga Iemanjá a Nossa Senhora, ao mesmo tempo em que dá vida ao mapa do Rio de Janeiro, conecta a cultura afro-brasileira com as perdidas raízes do paganismo europeu.

Este artigo é uma continuação de Iemanjá, a mãe de todos os peixinhos.

Sol e LuaO mito do casal divino

Em quase todas as cosmogonias religiosas, há o mito de um casal divino que simboliza a união cósmica dos princípios masculino e feminino, o jogo de polaridades a partir do qual a vida é gerada e dá lugar à multiplicidade dos seres. Do ponto de vista astrológico, este par fundamental corresponde à polaridade Sol-Lua, sendo o Sol o portador dos atributos masculinos da força, da criatividade e da vontade, enquanto a Lua responde pela receptividade, pelo sentimento e pela fecundidade. No sincretismo religioso popular, Oxalá é identificado a Jesus Cristo, assim como Iemanjá à Virgem Maria, em suas múltiplas manifestações. Uma delas é Nossa Senhora da Glória, comemorada em 15 de agosto, razão pela qual consagrou-se em muitos terreiros de Umbanda do Rio de Janeiro o costume de cultuar o orixá feminino das águas nesse dia.

Um paralelismo digno de atenção envolve as datas de 15 de agosto e de 2 de fevereiro, quando se cultua Iemanjá na Bahia e em outros estados, como o Rio Grande do Sul. Temos aí duas festas da orixá no mesmo eixo Leão-Aquário. Contudo, não nos precipitemos: mais do que Leão-Aquário, é preciso enxergar aí a velha dicotomia verão-inverno, remetendo às referências sazonais tão presentes na religiosidade da Idade Média.

O Cristianismo, em seus primeiros momentos, foi uma religião que afirmava fortemente os valores masculinos, assumindo, por assimilação de elementos da cultura pagã dos bárbaros germânicos, um caráter de culto solar. Aos poucos, o dia santificado da semana deixou de ser o sábado dos judeus (o dia de Saturno, como prova, por exemplo, o termo inglês Saturday) para ser o domingo, consagrado ao Sol (Sunday). Alías, a sequência dos dias da semana guarda correspondência com os sete planetas da tradição clássica, sendo o idioma português um dos únicos que não faz menção explícita a esta conexão de origem imemorial. Em espanhol, por exemplo, temos Lunes (segunda-feira, dia da Lua), Martes (terça-feira, dia de Marte), Miércoles (quarta-feira, dia de Mercúrio), Jueves (quinta-feira, dia de Jove, ou Júpiter) e Viernes (sexta-feira, o dia venéreo, ou de Vênus).

As datas santificadas do Cristianismo revelam a progressiva assimilação de conteúdos astrológicos, sempre conectados ao fator solar. Isso explica por que a comemoração do nascimento de Cristo foi "puxada" para o final de dezembro, em correspondência com o solstício de inverno do hemisfério norte, no início de Capricórnio. E mais:

  • Ao solstício de verão do hemisfério norte atribuiu-se o culto a São João Batista (Câncer). Na origem, a noite de São João era a mais curta do ano, o que lhe dava um caráter mágico, motivo dos cultos pagãos como os retratados na peça Sonho de Uma Noite de Verão, de Shakespeare.
  • O equinócio de primavera do hemisfério norte corresponde aproximadamente à comemoração da Páscoa, que tem o sentido de recomeço, renascimento – Áries. Esse caráter ariano de início de um ciclo está presente no simbolismo do ovo, a origem de uma nova vida.
  • O equinócio de outono do hemisfério norte é definido pelas datas de São Miguel Arcanjo (o que "pesa as almas na balança" – Libra) ou ainda dos irmãos Cosme e Damião (que simbolizam a ideia de atuar em equipe, outra conotação libriana).
  • O período da quaresma e da Semana Santa, com todo o seu sentido de recolhimento e expiação de culpas coletivas, lembra claramente o sentido da casa 12 e do signo de Peixes (a martirização de Cristo). Cabe observar que Peixes é o signo que fecha um ciclo e antecede Áries (Páscoa).

Já o carnaval, outro resquício de festa pagã assimilada ao calendário religioso, era na origem um rito agrário em comemoração ao retorno do sol e da vida após o rigor do inverno. Já entre os romanos, o carnaval se confunde com a Saturnália, sendo Saturno exatamente o deus protetor da agricultura. Foram as reformas de calendário realizadas por Júlio César e Augusto que acabaram deslocando as festividades para fevereiro, em pleno rigor do inverno. Desde então, o carnaval carrega uma conotação de Aquário como signo tradicional de Saturno (a matéria) e exílio do Sol (o espírito). Outra leitura possível é a do carnaval como um período de liberdade e igualdade social (Aquário) em que o respeito aos nobres e aos poderosos (Leão) estava temporariamente anulado. Este é o sentido, por exemplo, da "festa dos tolos" ou "festa dos loucos" da Idade Média, quando todos os valores da hierarquia social eram súbita e provisoriamente subvertidos.

Carnaval medieval

No início da Idade Média, o Cristianismo europeu já era uma religião solar e masculina. Subrepticiamente incorporadas às suas bases, estavam todos os elementos dos cultos bárbaros. Mas o princípio do feminino volta a afirmar-se aos poucos, mediante o culto cada vez mais insistente à Virgem Maria. Ei-la a desempenhar um papel mais e mais importante, até ser transformada na divina medianeira, aquela que intercede pelos pecadores junto a seu filho Jesus. Está restabelecido o casal divino, não mais na condição mítica de amantes cósmicos que se unem para engendrar toda a criação, mas da mãe que assume junto ao filho o papel de companheira de tarefas e de polo complementar. Este mesmo casal primordial é consubstanciado, num nível mais humano, em Adão e Eva como os geradores de toda a humanidade.

Voltando ao tema de Maria como medianeira, ou intermediária: este é exatamente o papel que a Astrologia Clássica reserva à Lua. Na condição de astro mais rápido e mais próximo da Terra, a Lua é vista como o grande espelho refletor, que distribui sobre nosso planeta (o chamado "mundo sublunar") as energias dos outros corpos celestes. A Lua conecta o cósmico ao terrestre, e sua inconstância é ao mesmo tempo um símbolo adequado para a alma (o fluir e refluir de sentimentos contraditórios) e para o entrechoque de acontecimentos mundanos (a Lua é o agente que "faz as coisas acontecerem"). Da mesma forma, Maria é vista como o caminho para Jesus, próxima o suficiente do homem para entendê-lo e perdoá-lo e ao mesmo tempo próxima de Jesus, o que lhe dá condição de interceder pelos pecadores.

Sendo a Lua regente das águas e do líquido signo de Câncer, era natural que surgissem, aqui ou ali, as Virgens Marias das águas. Um dos exemplos mais elucidativos é o da própria Nossa Senhora Aparecida, cuja origem remonta ao resgate, nas águas do rio Paraíba do Sul, da imagem em madeira de uma Virgem negra. A padroeira do Brasil é, assim, uma santa que une o simbolismo das águas e da escuridão da noite, domínio da Lua. Não cabe pensar em Nossa Senhora Aparecida como uma representante da mulher brasileira negra, já que a cor, aqui, nãop tem conotação étnica, mas o sentido da representação do princípio feminino. É o negro como oposto do branco, a cor da luz, masculina por definição. A ausência de luz remete à idéia do receptivo, como a escuridão do útero onde são geradas todas as formas. Veja-se, aliás, que a padroeira da Polônia, Nossa Senhora de Chestochowa, é também uma virgem negra. E observe-se que a vinculação entre a Virgem Maria e as águas também está presente em grandes ritos populares, como o Círio de Nazaré, em Belém do Pará, e a festa de Nossa Senhora dos Navegantes, na Bahia.

Iemanjá é a contraparte "pagã" dos mesmos ritos lunares que estiveram na origem de Nossa Senhora Aparecida. Porém, Iemanjá é mais do que a tradução africana da Virgem Maria: é a expressão iorubá de um símbolo universal – a mãe divina.

Etimologicamente, Iemanjá significa mãe de todos os peixinhos. Isto faz pensar no fenômeno da piracema, o retorno sazonal dos peixes rio acima na época da desova. Tal como os peixes que, atendendo ao chamado do instinto, nadam contra a correnteza e vencem a cachoeira para retornar ao seu local de origem, a visão da Umbanda – neste ponto semelhante à do Cristianismo – é de que temos também de superar a corrente das imperfeições para retornar ao seio da divindade. Como integrantes do imenso cardume da humanidade, nosso objetivo seria a ascensão até o olho d'água, a simbólica nascente que é simultaneamente origem e destino espiritual. Os cultos afro-brasileiros têm outro orixá feminino, cujos atributos sob alguns aspectos são bastante semelhantes aos de Iemanjá, e a quem estão associados especificamente as cachoeiras e nascentes: é Oxum, outra manifestação do arquétipo da Grande Mãe.

Piracema

A piracema, migração dos peixes de volta à cabeceira do rio.

Na Bahia e no sul do país Iemanjá é sincretizada com Nossa Senhora dos Navegantes, ou das Candeias, cultuada no dia 2 de fevereiro. Já no Rio de Janeiro os rituais dedicados a Iemanjá costumavam tomar as praias na virada do ano, com o Sol transitando em Capricórnio. Como utilizamos um calendário solar (um ano corresponde a uma volta completa da Terra em torno do Sol), a comemoração acontece numa data fixa, a de 1° de janeiro, desconectada dos ciclos lunares. A lógica, porém, diz-nos que a data correta para o ritual das águas seria a Lua Cheia de Capricórnio (uma data móvel), quando a Lua transita exatamente pelo signo oposto, Câncer. Esta Lua em domicílio regeria tanto Iemanjá quanto o próprio meio que ela habitaria, o oceano. Hábitos já bastante arraigados na população, como o de molhar os pés sete vezes nas águas do mar, ou jogar as oferendas na sétima onda, parecem atrelar-se ao sentido dos sete planetas clássicos, ou dos sete dias da semana (o que dá no mesmo). Tais costumes guardam analogia com a idéia de purgar as experiências negativas relacionadas a cada um dos planetas - os quais, na visão católica, podem ser também a expressão dos sete pecados capitais.

Iemanjá e a carta do Rio de Janeiro

Iemanjá seria então a Lua em Câncer? Em parte sim, ao menos no sentido de entendermos a polaridade que forma com o Sol, em domicílio no vizinho signo de Leão. Contudo, é preciso ir um pouco mais além para percebermos a real a dimensão deste culto na cidade do Rio de Janeiro.

Fundação do Rio de Janeiro

Rio de Janeiro, Fundação – 1.3.1565, 12h LMT – 22s54, 43w15

Fundado em 1° de março de 1565, por volta das 12h, o Rio de Janeiro tem Netuno em Gêmeos em fechada conjunção o Ascendente, no mesmo signo. Peixes está no Meio do Céu, hospedando o Sol, a Lua, Plutão e Mercúrio. Desta forma, os quatro principais fatores da carta – Sol, Lua, Ascendente e Meio do Céu – conectam-se diretamente ao simbolismo de Peixes e de seu regente moderno, Netuno. Este planeta é significador das águas oceânicas, do meio líquido como expressão da indiferenciação e do infinito. Neste sentido, também representa o "oceano" do inconsciente, a sensibilidade psíquica, o ir e vir dos movimentos rítmicos – tanto das ondas do mar quanto da música e da dança – e a abertura para o impalpável, o invisível, o espiritual.

Iemanjá surge assim como a versão mestiça do princípio pisciano, também presente na cultura europeia sob a forma do ritual do batismo e do papel do sacerdote como um pescador de almas. Iemanjá é Netuno no Ascendente do Rio e, principalmente, a Lua em Peixes na carta da cidade.

Nos últimos anos, o ritual de Iemanjá vem sendo esvaziado de seu conteúdo religioso, reflexo da transformação da festa do Ano Novo num caça-níqueis para atrair turistas e patrocinadores. Os shows de pirotecnia e os exageros etílicos à beira-mar acabaram por transformar a praia de Copacabana numa espécie de gigantesca danceteria ao ar livre, tornando inviável a permanência dos cultos tradicionais. Hoje, o local dos cânticos e oferendas vem-se deslocando para as praias da Barra da Tijuca e do Recreio dos Bandeirantes, na periferia da cidade, e também antecipando-se no calendário: em vez da massa compacta reunida na virada do ano, os adeptos visitam as praias em pequenos grupos, ao longo da última quinzena de dezembro. Contudo, permanece o sentido básico de limpeza do ano que passou e recarregamento para o ano que chega. E permanece o sentido de ritual lunar, unindo pelo simbolismo comum as Nossas Senhoras do catolicismo e as divindades maternais da África.   

Artigos relacionados:

Iemanjá, a mãe de todos os peixinhos
Marte, Jorge da Capadócia e Ogum do Brasil

Outros artigos de Fernando Fernandes.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Fernando Fernandes - Cultura afro-brasileira | Iemanjá, a mãe de todos os peixinhos | Do Cristianismo medieval ao Rio de Janeiro |
Fernando Fernandes - Egito | O terremoto social |
Redação - Entrevista com Carlos Hollanda | Ipanema, Urgente: a Astrologia passou no vestibular |

Edições anteriores:

Patricia Kesselman - Cristina Kirchner | A posse sob o eclipse |
Fernando Fernandes - Cristina Kirchner e El Clarín | Clarins de guerra soam na Argentina |
Fernando Fernandes - Perfil | Oil Man, o herói esquisito de Curitiba |
Redação - Astrologia na TV | Dois astrólogos em rede nacional |
Vanessa Tuleski - Comportamento | Carta de amor às mulheres que não se amam | Nascidos com a marca de Urano e Plutão |



Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva