Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 129 :: 2009 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

COMPORTAMENTO

Maysa, a dor de todas as quadraturas

Fernando Fernandes

Ela foi uma das grandes vozes brasileiras desde os anos 50 até os anos 70. Mas foi também uma figura fácil no noticiário sensacionalista, protagonizando romances, bebedeiras e bate-bocas.

Maysa na capa do livro "Meu mundo caiu"Apesar de ter crescido em São Paulo, Maysa Figueira Monjardim nasceu no Rio de Janeiro, no dia 6 de junho de 1936, quando faltavam apenas dez minutos para o meio-dia. A carta apresenta Sol em Gêmeos com Ascendente em Virgem, o que dá a Mercúrio um destaque excepcional. Muitos elementos importantes da biografia de Maysa tem a marca mercuriana, a começar pela presença constante nas páginas do jornal: para o bem ou para mal, Maysa era sempre notícia. Foi boa compositora e, mais ainda, boa letrista. Usou a palavra para atrair a atenção dos holofotes - mesmo que à custa de arranhões na própria reputação. E, tal como como o mensageiro Mercúrio, fez a conexão entre grupos e tendências distintas dentro da MPB, unindo em seu repertório desde o samba-canção tradicional até a nascente bossa-nova. [Direita: detalhe da capa do livro "Meu mundo caiu - a bossa e a fossa de Maysa", de Eduardo Logullo.]

O Mercúrio de Maysa está em 6º de Gêmeos, bem em cima de Lua e Júpiter do mapa da Independência do Brasil. Por isso, suas entrevistas e declarações (Mercúrio em Gêmeos na 9) impactavam tão fortemente o senso comum (Lua) e as concepções morais (Júpiter) da sociedade brasileira dos anos 50.

Aliás, tal como o Brasil, Maysa tem Júpiter e Lua na casa 4. A Lua no depressivo signo de Capricórnio na casa das profundezas emocionais traduz literalmente a idéia de fossa - a música de fossa (Capricórnio na 4), ou de dor de cotovelo (Vênus em Gêmeos!) que tanto caracterizou o estilo da cantora.

Maysa, carta natal

Maysa - 6.6.1936, 11h50 (-03:00) - Rio de Janeiro, RJ.

O grande destaque do mapa de Maysa é uma configuração difícil - a chamada Grande Quadratura - constituída por cinco planetas que formam entre si quadraturas e oposições. A Grande Quadratura é uma espécie de moto perpétuo que reitera sempre os mesmos desafios, representados pelos impasses das oposições e pelas necessidades de ajuste das quadraturas.

No caso de Maysa, a Grande Quadratura reúne planetas bem próximos dos ângulos da carta, o que torna inevitável a manifestação dos conflitos que representam. Os quatro pólos em questão indicam quatro facetas definidas da personalidade da cantora, que, sendo também compositora, registrou em algumas músicas a dinâmica dessas configurações.

Netuno em Virgem na casa 1 - É a auto-expressão através da música. É também a hipersensibilidade emocional diante do mundo e a bebida como fuga. Netuno no Ascendente nem sempre aguenta o tranco. Muitas vezes foge da raia através de algum comportamento escapista, na recusa do fluxo natural da vida, como deixa transparecer a letra de Adeus, um dos grandes sucessos de Maysa como compositora:

Adeus, logo mais eu telefono.
Eu agora estou com sono,
Vou dormir pois amanhece.

Maysa, capa de disco"Vou dormir pois amanhece"... Mais do que uma imagem prosaica, este verso explicita quase uma filosofia de vida. Como muitos netunianos, Maysa vivia no "contrafluxo". A ausência de limites, indicada por esse planeta oceânico, levava-a a uma constante dificuldade de enquadrar-se, seja no colégio de freiras que jamais chegou a completar, seja nos relacionamentos conturbados e na carreira cheia de ziguezagues.

Saturno em Peixes na casa 7 exprime a necessidade de um relacionamento estável e maduro. Daí o primeiro casamento, com um marido bem mais velho. Daí também a sensação de não receber do parceiro um amor profundo e confiável ou, ainda mais grave, a dúvida sobre a possibilidade de um dia encontrar um afeto recíproco. Ouça, o maior sucesso de Maysa como compositora, parece ter sido composto por esse Saturno negativista e defensivo:

Ouça, vá viver
A sua vida com outro bem
Hoje eu já cansei
De pra você não ser ninguém

O passado não foi o bastante
Pra lhe convencer
Que o futuro seria bem grande
Só eu e você

Quando a lembrança
Com você for morar
E bem baixinho
De saudade você chorar

Vai lembrar que um dia existiu
Um alguém que só carinho pediu
E você fez questão de não dar
Fez questão de negar.

Júpiter em Sagitário na casa 4 - Aqui temos o transbordamento das emoções e a percepção exagerada da própria intimidade ("Meu mundo caiu").

Sol-Marte em Gêmeos na casa 10 - Expressa a luta por um lugar ao sol através do confronto com os valores do mundo masculino. É a face insubmissa e beligerante que Maysa quer mostrar ao mundo. O orgulho solar e a agressividade marciana - operantes especialmente através da palavra ferina e da farta munição de temas apimentados que a cantora fornecia à imprensa (Gêmeos) - funcionam aqui como compensação para a natureza essencialmente depressiva da oposição Netuno-Saturno.

Sol e Marte na 10 são a tentativa de equilibrar a melancolia de Netuno-Saturno e da própria Lua em Capricórnio, na casa 4. São uma resposta às demais configurações difíceis do mapa, e, coincidentemente, é na canção Resposta que Maysa melhor expressa sua beligerância geminiana:

Ninguém pode calar dentro em mim
Essa chama que não vai passar
É mais forte que eu
E não quero dela me afastar
Eu não posso explicar quando foi
E como ela veio
E só digo o que penso
Só faço o que gosto
E aquilo que creio
Se alguém não quiser entender
E falar, pois que fale
Eu não vou me importar
com a maldade de quem nada sabe
E se alguém interessa saber
Sou bem feliz assim
Muito mais do que quem já falou
ou vai falar de mim.

Os rompantes egocêntricos de Maysa poderiam fazer pensar num Ascendente em Leão, possível desde que houvesse um erro de menos de uma hora no registro de nascimento. Contudo, seu perfeccionismo no palco, sua postura crítica com relação aos parceiros afetivos e o alto grau de exigência com a platéia (exigia atenção, silêncio e chegava a arremessar objetos em espectadores indisciplinados) confirmam o Ascendente Virgem.

Maysa andava esquecida até que a minissérie Maysa, dirigida por seu filho Jayme Monjardim, estreou na Rede Globo, em 5 de janeiro de 2008. Numa relação de ressonância que frequentemente ocorre entre o mapa de personalidades reais, fatos históricos e obras de arte, a minissérie estreou às 22h25 (horário de verão) no Rio de Janeiro, com o mesmíssimo Ascendente Virgem do mapa da cantora. Saturno na 1 está em oposição exata a sua posição de 1936. E a personalidade da cantora volta à evidência exatamente no trânsito de Plutão sobre a Lua natal de Maysa, como a indicar que, mais de trinta anos após a trágica morte da cantora, sua vida pessoal e emoções mais guardadas seriam trazidas à luz e expostas diante do grande público.

Maysa - mapa da estréia da minissérie

Maysa - mapa de estréia da minissérie da Rede Globo
5.1.2009, 22h25 (HV) - Rio de Janeiro, RJ.

Um aspecto a destacar no mapa da minissérie é o papel de Saturno, isolado no hemisfério oriental (o lado do Ascendente), sugerindo um confronto entre a singularidade da cantora (Saturno na 1) e o contexto de sua época (nove planetas no hemisfério ocidental, o "lado dos outros"). Outra interpretação possível é que, na carta da cantora, Saturno rege a casa 5 (os romances e o único filho, Jayme) e está presente na 7 (o casamento, os relacionamentos). Ao ser enfatizado no mapa da minissérie, põe em destaque uma dimensão específica da vida de Maysa: o foco não está na intérprete de voz privilegiada e que fez a ponte entre o samba-canção e a bossa-nova, mas sim no aspecto humano. É a vida afetiva complicada, insatisfatória, o relacionamento difícil com o filho, a solidão e a melancolia.

Maysa faleceu em 22 de janeiro de 1977, ao volante de sua Brasília azul, num acidente na ponte Rio-Niterói. Netuno transitava, naquele momento, em oposição ao Sol e Marte da carta natal.

Outros artigos de Fernando Fernandes.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Niso Vianna - A crise econômica mundial | Muito mais do que uma marolinha |
Raul V. Martinez - Testando a chave secreta da Astrologia | Torres gêmeas, terremoto e um amor de carnaval |
Valeria Bustamante - João do Rio | O mais carioca dos cariocas | Da Belle-Époque ao Rio contemporâneo |
Fernando Fernandes - Comportamento | Maysa, a dor de todas as quadraturas |
Beatriz Romanzini - Saturno em oposição a Urano | Liberdade ainda que tardia |

Edições anteriores:

Fernando Fernandes - Obama e o imaginários dos desenhos animados | Barack Obama. Mas pode me chamar de Bob Esponja. |
Raul V. Martinez - Testando a Chave Secreta da Astrologia | A tragédia da TAM em Congonhas nas profecções |
| Aplicando a técnica ao Carandiru e ao Mensalão |
Henrique G. Wiederspahn - A fundação de São Paulo de Piratininga | Antecedentes históricos |
| Relação de eventos na história de São Paulo |
| A hora aproximada da Primeira Missa | Tabelas de testes de horário 1 | Tabela 2 | Tabela 3 |
| Direções Secundárias e Arcos Solares 1556-1895 |
| Direções e Arcos - séculos XX e XXI | Avaliação por meio de trânsitos e eclipses |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva