Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 95 :: Maio/2006 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

COLUNISTAS

Levando burros nas costas: a estranha
Astrologia do Bom Comportamento

Alguns astrólogos, em vez de criar um espaço para que a verdade do consulente apareça, tentam enquadrá-lo num modelo que não passa da projeção dos valores em que o próprio astrólogo acredita.

É possível uma pessoa não viver o próprio mapa? Para muitos astrólogos e estudantes, existem pessoas que não "vibram" de acordo com os símbolos astrais pessoais. Os defensores deste bizarro pensamento costumam inclusive vir com um manual de sugestões bastante específico sobre o que é "ser um libriano", ou "ter Vênus no Meio do Céu", ou pior: "a cura para seu jeito excessivamente saturnino de ser", "formas de melhorar este seu horrível temperamento plutoniano". A partir deste viés, quem não corresponde a este modelo pré-fabricado de criatura humana ideal só pode ter algo errado! Está traumatizado, vibra em dimensões inferiores ou saiu de sintonia com o cosmo - cosmo fofo, onde tudo tem que ser venusiano, jupiteriano, solar. Ao que parece, este tipo de raciocínio se valida a partir da idéia de que existe um modo de ser que é o modelo ideal. Tal modelo é construído de acordo com o temperamento do astrólogo, que muitas vezes não se dá conta de que termina falando mais de si mesmo e da forma como vê a vida, vendendo sua particular filosofia e escapando da tarefa fundamental da astrologia: criar um espaço para que a verdade do sujeito apareça. No caso dos astrólogos do modelo ideal, o que importa é a verdade, externa ao sujeito, num mundo de condicionais: deveria ser assim, deveria agir assim. Mas se não é, está "fora de compasso com o mapa".

Absurdo. Ninguém pode existir sem viver o próprio mapa. Cada pessoa, todavia, o vive da maneira que pode, e esta "maneira" faz parte do contexto das coisas que permite ao mundo ser singular, ainda que alguns jeitos de ser incomodem aos defensores do modelo ideal. O difícil é que hoje em dia a diferença é tratada como doença, como transtorno. A partir do viés moderno, se não somos extrovertidos, comunicativos, dinâmicos, otimamente bem humorados, se não pensamos sempre positivo, é porque temos algum transtorno para tratar. Escolha o seu: transtorno de hiperatividade, de hipoatividade, transtorno de déficit de atenção, temperamento depressivo a ser tratado com prozac ou fórmulas luminosas que nos deixarão cheios da mais estonteante alegria. Terão os astrólogos sucumbido a isso? Cada vez mais, identifico pessoas que tratam a diferença como doença, o que foge à filosofia astrológica, que demonstra como o círculo é perfeito a partir da coexistência de doze signos diferentes: alguns extrovertidos, outros introvertidos, uns comunicativos, outros mais fechados, e por aí vai na roda incessante da maravilhosa singularidade. Mas o que se pretende? Amputar o Zodíaco das partes que parecem "feias"?

Os símbolos astrológicos são significantes, e não têm um significado apenas, como muitos preferem crer, como se a astrologia fosse um manual do tipo "receituário de bolo" que se pauta em padrões exatos. Conforme nos lembra a astróloga e psicanalista Kátia Lins, as posições planetárias têm uma cadeia deslizante de significados, o que nos leva à idéia de que um mapa pode ter incontáveis manifestações, na prática. Algo tão óbvio, mas que muitos esquecem: o mapa não é a carta astrológica de apenas um sujeito. Milhares de pessoas possuem o mesmo tipo de padrão astrológico. O que demanda observação é o fato de algumas pessoas permanecerem sempre paradas, paralisadas num mesmo tipo de significado. Não conseguem viver o próprio mapa de uma forma que não seja aquela. Deu nó, travou. De nada adianta, para tais pessoas, ouvir conselhos bem intencionados de "como se deve ser". Por alguma razão, ela precisa permanecer ali, naquele nível de significação, até entendê-lo e poder dar um salto. Onde travamos, precisamos estar para mergulhar fundo. Mas num mundo cada vez mais fast food, que vende receitas milagrosas e saltos automáticos de consciência, o ato de internalizar, de refletir, de se dar um tempo, é considerado uma afronta. Se não tomarmos cuidado, deixamos de ser astrólogos e entramos na infinita prepotência que busca classificar a diferença do outro como "doença" e, nesta infinita pretensão, nos metemos a "curar" o que nos parece inadequado, desajustado, "fora do modelo ideal do mapa".

Uma historinha muito antiga nos serviria neste particular momento. Falo da história "O Velho, O Garoto e O Burro". Conta-nos a fábula que um velho e um garoto saíram para passear. Num primeiro momento, o garoto foi montado no burro, enquanto o velho puxava o animal. Uma primeira vizinha (imaginemo-la como uma astróloga palpiteira) disse:

-Que garoto safado, vai montado no burro e o pobre velhinho andando!

Desce o garoto, monta o velho. O garoto passa, por sua vez, a puxar o animal. A segunda vizinha (outra astróloga com seus próprios "modelos ideais" de ser e de agir) reclama:

-Que velho descarado, vai montado no burro e o pobre garoto andando!

Sobem os dois no burro. A alegria dura pouco, pois a terceira vizinha brada:

-Dois marmanjos montados no pobre animal!!!

Descem ambos e passam a levar o burro nas costas.

Um conto tão simples, mas que transmite uma mensagem tão intensa: não importa o que façamos, a maneira como agimos, o nosso jeito de ser. Sempre haverá uma criatura palpiteira a nos dizer, veementemente, que estamos agindo errado. Se dermos ouvidos a tais conselhos, terminaremos dando também o resto do corpo inteiro e levaremos os burros nas costas. Na astrologia do politicamente correto, é deveras chique carregar burros nas costas.

Muitos "defeitos" nada mais são do que qualidades vistas a partir de um olhar. Cabe aqui a pergunta: se todo mundo tivesse que ser amoroso, diplomático, meigo, terno, fofo, teríamos um Zodíaco de cinco ou seis signos. Não há nenhum sentido em dizer ao consulente: "seja menos isso", ou "seja mais aquilo". Por mais que conheçamos a arte de ler os céus, não temos visão completa e não entendemos que tudo existe dentro de um contexto, e que algumas pessoas agem, de fato, de uma maneira mais agressiva, rebelde. Nem todo mundo quer fazer o curso de como conquistar amigos e influenciar pessoas. Deixemos as pessoas em paz! Estou farto de atender "gente aconselhada", com o cérebro quase lavado por gurus da auto-ajuda, ditadores modernos de como as pessoas devem se comportar. Astrologia não é pedagogia do bom comportamento! Convencer uma pessoa muito marciana a entender que a própria agressividade é "inferior", se comparada à diplomacia libriana, é o caminho mais fácil para retirar a astrologia de seu contexto e fazer dela um manual de lavagem cerebral para que todos os seres sejam de um mesmo jeitinho uniforme. E assim, hipoteticamente, viveríamos num mundo colorido que a ternura fez - um mundo de cérebros esotericamente lavados.

Às vizinhas da fábula, minha mais sincera, tresloucada e antipedagógica gargalhada. Não, obrigado, não carrego burros nas costas. Alguém aí está a fim?

Leia outros artigos de Alexey Dodsworth.



Atalhos de Constelar 95 - Maio/2006 | Voltar à capa desta edição |

Alexey Dodsworth - A estranha Astrologia do Bom Comportamento | Levando burros nas costas |
Fernando Fernandes - Astrologia e Política | Bolívia, da humilhação à esperança | Evo Morales, um índio cheio de gás |
Angela Scnhoor - Enfoques didáticos | A Astrologia e a Psicologia de Jung |
Fernando Fernandes - Astrologia e cultura de massa | Belíssima e a rebelião do PCC |
Fernando Fernandes - Astrologia e Literatura | Código Da Vinci, um best-seller de Plutão |

Edição anterior:

Valeria Bustamante - Vênus brasileira, uma dama à beira do abismo | A dama servidora e a dama generosa |Netuno em Aquário revela Vênus |
Fernando Fernandes - Rio de Janeiro, o céu em convulsão | O retorno solar de 2005 |
Antonio Carlos Harres - Astrologia Mundial - Coluna do Bola | É possível driblar Saturno? |
Hanna Opitz - Política brasileira e previsões | Quíron para curar o Brasil |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva