Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 94 :: Abril/2006 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

APLICANDO REVOLUÇÕES SOLARES

Rio de Janeiro, o céu em convulsão

Fernando Fernandes

A escalada da violência no Rio de Janeiro, em 2005 e 2006, pode ser vista em detalhes na Revolução Solar da cidade. Sucessivas configurações planetárias marcam as datas de tiroteios, atentados, temporais e até do show dos Rollings Stones.

A Revolução Solar não permite apenas traçar um quadro geral para o ano que se inicia a partir do aniversário de uma pessoa ou instituição: desdobrada no tempo, a Revolução permite previsões bastante detalhadas, inclusive com especificação de uma estreita faixa de datas em que determinadas ocorrências são possíveis.

O estudo que agora apresentamos toma como ponto de partida a Revolução Solar do Rio de Janeiro no período 2005/2006 e mostra como os grandes acontecimentos da vida da cidade - a maioria de amplo conhecimento e repercussão nacional, ou mesmo internacional - podem ser associados às sucessivas ativações da carta utilizada como ponto de partida. Em alguns casos as analogias são tão evidentes que saltam aos olhos, tornando prescindíveis quaisquer comentários.

Não existe um documento histórico que aponte conclusivamente a hora de fundação da cidade do Rio de Janeiro. O mapa hoje utilizado pela maioria dos astrólogos cariocas, calculado para um horário por volta do meia-dia, é de natureza especulativa, tendo sido obtido a partir de trabalhos de retificação desenvolvidos por diversos pesquisadores. Tal mapa, com Ascendente em Gêmeos, Netuno em conjunção com o Ascendente e Sol-Plutão no Meio do Céu, responde positivamente a progressões e trânsitos, o que demonstra que a hipótese do meio-dia é realmente correta. Faltam, contudo, trabalhos mais detalhados com vistas a determinar um horário preciso: a que horas Estácio de Sá teria dado como fundada a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro? Às 11h20? Às 11h50? Às 12h05?

Rio de Janeiro, Fundação - 01.03.1565, 12h, LMT (horário aproximado) - 22s54,43w12.

Este estudo contém também uma proposta de testagem e retificação do horário do mapa da cidade - e que pode ser aplicada, aliás, na elaboração de previsões especulativas para qualquer cidade cujo horário de fundação seja conhecido de forma aproximada. A técnica, em todos os casos, é a mesma: trata-se da direção do Ascendente da Revolução Solar pelo passo do Sol, cujas bases são as seguintes:

  • A Revolução Solar de um indivíduo ou coletividade é o mapa do retorno anual do Sol ao ponto exato em que se encontrava no momento do nascimento ou da fundação, conforme o caso. Este mapa permite identificar o clima geral e fazer prognósticos válidos para o período de um ano (até a Revolução Solar seguinte).
  • Ao longo do período de vigência de uma Revolução Solar, o Sol avança 360° graus, ou seja aproximadamente (mas não exatamente) um grau por dia. Se quisermos utilizar um valor preciso, o avanço médio do Sol por dia é de 0°59'08" (o chamado arco de Naibod).
  • Considerando que o Sol é o fator central de uma Revolução Solar, podemos transferir o passo diário do Sol, real ou médio, para outros pontos do mapa, especialmente os quatro ângulos (Ascendente, Meio do Céu etc.), e verificar que ativações daí resultam sobre o mapa da própria Revolução Solar ou mesmo sobre o mapa radical que lhe deu origem. Exemplificando: se em três meses o Sol se desloca 90 graus, podemos somar 90 graus ao Ascendente, ou ao Meio do Céu, e verificar se a nova posição corresponde a algum aspecto tenso (conjunção, quadratura ou oposição) à posição de planetas do mapa daquela Revolução Solar.
  • O Ângulo mais importante a dirigir é o Ascendente, por ter um sentido de corporificação, ou seja, de objetivação daquilo que é significado pelos planetas envolvidos. Assim, as direções do Ascendente tendem a disparar os acontecimentos presentes em estado potencial no mapa daquela Revolução Solar.
  • Considerando que todo aspecto tem uma órbita, ou seja, uma faixa de atuação que se estende de alguns graus antes até alguns graus depois do aspecto exato, cada aspecto pode ser associado a todos os fatos acontecidos dentro de uma órbita razoável (três a quatro graus - no caso correspondendo a três a quatro dias, no máximo).

No presente estudo, optamos por utilizar a técnica de arco solar, ou seja, somar ao Ascendente, a cada dia, o arco efetivamente percorrido pelo Sol desde o momento da Revolução Solar até aquele momento. Contudo, teria sido possível também trabalhar com o arco de Naibod (que, em vez do movimento real do Sol, utiliza a média diária de 0°59'08") ou com a direção simbólica de um grau = um dia. Nesta última, passados 50 dias da Revolução Solar, somam-se simplesmente 50 graus ao ponto que se deseja dirigir. Trata-se de uma técnica simples, que pode ser utilizada "de cabeça", sem maiores cálculos, mas que apresenta, ao longo do ano, uma gradativa distorção que pode chegar, no final da vigência daquela Revolução Solar, a quase cinco graus.

Para testar a técnica, tomamos o mapa do Rio de Janeiro calculado para 1° de março de 1565, às 12h (LMT, ou hora local), levantamos a Revolução Solar para o ano de 2005 e calculamos todos os aspectos tensos significativos do Ascendente dirigido, assim como alguns do Sol dirigido. Os resultados são bem expressivos, pois a absoluta maioria das ativações correspondente a acontecimentos de natureza análoga, amplamente noticiados pelos meios de comunicação.

O Retorno Solar válido para 2005

Rio de Janeiro - RS 2005 - 11.3.2005, 4h16m32s.

A Revolução Solar do Rio de Janeiro válida para 2005 corresponde à data de 11 de março de 2005, às 4h16m32s. Por que 11 de março se a cidade foi fundada no primeiro dia do mês? Ocorre que na época da fundação ainda estava em vigor o calendário juliano, substituído em 1582 pelo gregoriano, utilizado até hoje. Entre os dois calendários há uma diferença de 10 dias, de forma que a fundação do Rio de Janeiro teria ocorrido, com base no calendário atual, em 11 de março de 1565.

A Revolução Solar de 2005 mostra o Ascendente no final de Aquário, em conjunção com o Ascendente do Brasil (mapa do Grito do Ipiranga). Somando-se a isso o fato de que Urano, Vênus e Sol encontram-se na casa 1, eis um ano em que o Rio teria muitas oportunidades de impactar a vida nacional, o que realmente ocorreu pelas vias da violência.

A quadratura Sol-Plutão nas casas 1 e 10 mostra dificuldades envolvendo povo e governo, autoridades legítimas e lideranças do submundo. Como Sol e Plutão já se encontram em forte aspecto no mapa da fundação, esta quadratura torna-se ainda mais significativa. Outro aspecto que se repete é a oposição Marte-Saturno, presente tanto no mapa da fundação quanto na Revlução Solar de 2005, e em ambas as cartas com a mesma particularidade: Saturno em exílio (em Leão na fundação e em Câncer em 2005) e Marte num signo saturnino (em Aquário na fundação e em Capricórnio em 2005). Trata-se da reiteração de um aspecto de desafio à autoridade, de confronto entre uma ordem autoritária mas enfraquecida (Saturno exilado) e uma força rebelde e bem armada (Marte tensionado). A Lua em Áries em conjunção com Mercúrio reforça o impulso para a ação e para os desdobramentos rápidos, por vezes violentos.

Este é o clima geral. O que aconteceu na vigência desta Revolução Solar já é hoje de conhecimento público, restando-nos apenas associar os fatos com as ativações da carta, usando o método da direção por arco solar. Ao longo do texto são utilizadas várias citações de jornais da época, especialmente O Globo e Extra.

  • 3.4.2005 - Ascendente dirigido em 20° de Peixes: conjunção com o Sol.
  • 7.4.2005 - Ascendente dirigido em 24° de Peixes: quadratura com Plutão.

Na noite de 31.3.2005 ocorreu em Posse, município de Nova Iguaçu, e em Queimados, cidade da Baixada Fluminense, o maior massacre da história do estado, quando um grupo de extermínio constituído inclusive por policiais assassinou a tiros 29 pessoas. Eis o que disseram os jornais:

CHACINA DA BAIXADA: MOBILIZADOS 250 POLICIAIS MILITARES DE GRUPOS DE ELITE PARA A CAÇADA AOS ASSASSINOS
"A Polícia Federal vai agir, sim. Essa é uma determinação do presidente Lula." O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, (...) classificou a chacina de tragédia e disse que os criminosos serão identificados, presos e punidos de forma exemplar.

TODAS AS VOZES SE UNEM CONTRA O MASSACRE - 02/04/2005
O pesquisador Marcelo Freixo, da ONG Justiça Global, informou que vai enviar relatório sobre a chacina ao relator de execuções sumárias da ONU, Philip Alston, e à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, da OEA.

CHACINA DA BAIXADA - 02/04/2005
A chacina de anteontem, porém, causou consternação por envolver adolescentes e trabalhadores, assassinados sem qualquer motivação além do desejo de espalhar o terror pela região.

Comentário - O primeiro grande acontecimento do ano ocorre fora dos limites do município do Rio de Janeiro, mas em área vizinha (a Baixada Fluminense) e totalmente vinculada à vida na capital. Mais de uma vez já tivemos a oportunidade de observar que o mapa da cidade do Rio de Janeiro tende a ser válido para o estado todo, de forma geral, e para a área metropolitana (Grande Rio) em particular. O mesmo raciocínio pode ser aplicado ao mapa de outras capitais.

  • 7.7.2005 - Ascendente dirigido em 24° de Gêmeos: oposição a Plutão.

Em 6 de julho entra em vigor a lei que restringe a circulação de cães ferozes no Rio de Janeiro. Motivo de polêmica há anos, a chamada Lei do Pitbull trouxe alívio momentâneo a quem se sentia ameaçado pela presença nas ruas desses cães ferozes e de ataque freqüentemente assassino.

ENFIM, LIVRES DAS FERAS - 06/07/2005
Regulamentação de lei restringe no estado circulação de cães perigosos e extingue pitbulls a longo prazo. A partir de hoje, a circulação de cães puros ou mestiços das raças pitbull, dobermann, rottweiller e fila, filhotes ou adultos, só será permitida no Estado do Rio das 22h às 5h, e mesmo assim com restrições.

Comentário - No mapa da fundação do Rio de Janeiro Escorpião está na cúspide da casa 6 - animais domésticos. Portanto, seus dois regentes, Marte e Plutão, são os significadores dos cães da cidade. A ativação de um dos significadores trouxe a tão esperada Lei do Pitbull; a ativação do outro, como veremos mais adiante, revogou-a. Impossível uma analogia mais clara do que esta!

A anciã que entrou numa fria e os terríveis trovões de Zeus



Atalhos de Constelar 94 - Abril/2006 | Voltar à capa desta edição |

Valeria Bustamante - Vênus brasileira, uma dama à beira do abismo | A dama servidora e a dama generosa |Netuno em Aquário revela Vênus |
Fernando Fernandes - Rio de Janeiro, o céu em convulsão | O retorno solar de 2005 | A anciã que entrou numa fria e os terríveis trovões de Zeus | Tiroteios e Rolling Stones | Revolução Solar de 2006 | Tabela de Direções 2005/2006 | Tabela de Direções 2006/2007 |
Hanna Opitz - Política brasileira e previsões | Quíron para curar o Brasil |

Edição anterior:

Kátia Lins - Astrologia e contemporaneidade | A singularidade do mapa e a cultura do narcisismo |
Luiz Roberto Delvaux de Matos - Astrologia e Psicanálise | O mito de Prometeu e o elemento Fogo |
Vanessa Tuleski - Prática profissional | Quanto vale uma consulta? |
Dimitri Camiloto - Ciclos planetários e questões incômodas | Plutão em Leão: onde mora o perigo |
Raul V. Martinez - Astrologia Tradicional | Graus tenebrosos e infernais em Claude Dariot | Como William Lilly aplicava a técnica |
Equipe de Constelar - Congresso em Salta | Uma ponte entre a Vila Isabel e a Argentina |
Edil Carvalho - Comportamento | Elis Regina e planetas na casa 1 |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva