Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 106 :: Abril/2007 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ASTROLOGIA E FILOSOFIA

As cartas de Saturno

Alexey Dodsworth

Sêneca e as Cartas de Saturno

Sêneca [retratado no bronze à esquerda] é conhecido como um dos mais expoentes filósofos estóicos. Nasceu em Córdoba, na Espanha, em 4 a.C. e morreu em Roma, em 65 D.C. Dedicou-se com grande sucesso à carreira política até tornar-se conselheiro do imperador Nero. É o autor do instrumento basal deste trabalho que ora apresentamos: o livro Cartas a Lucílio. Trata-se da primeira obra de auto-ajuda do mundo ocidental, de excepcional qualidade. É o resultado da compilação das cartas de Sêneca ao seu amigo Lucílio. Obra leve, espontânea, fácil de ser lida e compreendida, tão antiga e ao mesmo tempo tão atual. Os problemas e questões levantados por Sêneca em suas cartas são os mesmos dilemas e angústias que ora enfrentamos na sociedade moderna. Em toda sua obra, o filósofo salienta a importância de aspectos fundamentais para o bem viver, e todos eles refletem com maestria a simbologia do planeta Saturno, conforme demonstraremos nas páginas a seguir.

Vale destacar que "Lucílio", nome do amigo a quem escreve Sêneca, é o diminutivo de Luce, ou luz, termo que pode ser associado ao Sol. Lucílio era um homem público [papel solar], e Sêneca atuou como um seu conselheiro amigo. Aqueles que estudam astrologia regozijar-se-ão ao perceberem que o livro parece demonstrar os conselhos que Saturno daria ao Sol, caso déssemos voz aos planetas. De fato, toda a filosofia estóica parece fundamentar-se em princípios saturninos.

Os excertos abaixo demonstram o vasto potencial de leitura astrológica contidos no Cartas a Lucílio.

Em sua primeira carta, Sêneca exalta a importância de se dar valor ao tempo [Saturno]. Segundo ele, o tempo é a única coisa que podemos dizer que é inteiramente nossa, e que ninguém nos pode tomar. Ele é nosso, podemos jogá-lo fora ou aceitar de bom grado a responsabilidade de torná-lo útil. Ao contrário de ser visto como um inimigo, o tempo [Saturno] é nosso único garantido amigo [domicílio do planeta no signo de Aquário].

O passado é morto, não pode ser mudado [oposição Saturno-Lua]. Nos resta, portanto, abraçar o tempo presente, aquele do qual dispomos, e fazer algo com ele.

Escreve Sêneca:

"[...]reclama o direito de dispores de ti, concentra e aproveita todo o tempo que até agora te era roubado, te era subtraído, que te fugia das mãos. Convence-te de que as coisas são tal como as descrevo: uma parte do tempo é-nos tomada, outra parte vai-se sem darmos por isso, outra deixamo-la escapar. Mas o pior de tudo é o tempo desperdiçado por negligência. Se bem reparares, durante grande parte da vida agimos mal, durante a maior parte não agimos nada, durante toda a vida agimos inutilmente.

Podes indicar-me alguém que dê o justo valor ao tempo aproveite bem o seu dia e pense que diariamente morre um pouco? É um erro imaginar que a morte está à nossa frente: grande parte dela já pertence ao passado, toda a nossa vida pretérita é já do domínio da morte!

Procede, portanto, caro Lucílio, conforme dizes: preenche todas as tuas horas! Se tomares nas mãos o dia de hoje conseguirás depender menos do dia de amanhã. De adiamento em adiamento, a vida vai-se passando.

Observação: é deste texto específico que nasce o ditado popular "não deixe para amanhã o que pode fazer hoje" – algo eminentemente capricorniano, que evoca a idéia da extrema responsabilidade sobre o tempo que nos é conferido.

Outras passagens da primeira carta versam sobre Saturno na Casa 2:

"Talvez te apeteça perguntar como procedo eu, que te dou todos estes preceitos. Dir-te-ei com franqueza: como alguém que vive bem, mas sem esbanjamento. Tenho as minhas contas em dia! Não te posso dizer que nunca perco tempo, mas sei dizer-se quanto, porquê e de que se modo o perco. Posso prestar contas da minha pobreza. A mim, porém, sucede-me o mesmo que a muitos que, sem culpa própria, ficaram reduzidos à miséria: todos perdoam, mas ninguém ajuda. [...] Que mais há a dizer? Não considero pobre aquela a quem basta o poucochinho que tem. Prefiro, contudo, que tu preserves os teus bens e que o comeces a fazer quanto antes. Conforme diziam os nossos maiores, 'já vem tarde a poupança quando o vinho está no fundo'. É que o que fica no fundo, além de ser muito pouco, são apenas as borras!"

Sêneca, que defende uma ética com diversos pontos de contato com a do Cristianismo, foi condenado a cometer suicídio em 65 d.C., depois de acusado de participar de um complô para assassinar Neto (acima), de quem era conselheiro.

Na carta segunda, Sêneca escreve passagens que nos reportam a uma crítica de Saturno ao eixo Gêmeos-Sagitário:

"Um excessivo deambular é indício de uma alma doente: eu, de fato, entendo que o primeiro sinal de um espírito bem formado consiste em ser capaz de parar e coabitar consigo mesmo. Toma, porém, atenção, não vá essa tua leitura de inúmeros autores e de volumes de toda a espécie arrastar algo de indecisão e de instabilidade. Importa que te fixes em determinados pensadores, que te nutras de suas idéias, se na verdade queres que alguma coisa permaneça definitivamente no teu espírito. Estar em todo o lado é o mesmo que não estar em parte alguma! Ora, a quem passa a vida em viagens acontece de ter muitos conhecimentos fortuitos, mas nenhum amigo verdadeiro; o mesmo se aplica logicamente àqueles que não se aplicam intimamente ao estudo de um pensador, mas sim perseguem todos de passagem e a correr. Um alimento que mal é ingerido é imediatamente devolvido, não aproveita e nem dá força ao corpo; [...] uma ferida não cicatriza quando lhe aplicam tentativamente vários remédios; uma planta nunca se robustece se continuamente a mudamos de lugar; nada, por fim, por mais útil que seja, preserva sua utilidade em contínua instabilidade. Demasiada abundância de livros é fonte de dispersão; assim como não poderás ler tudo o quanto possuis, contenta-te em possuir apenas o que possas ler. Dirás tu: 'mas sinto vontade de folhear ora este livro, ora aquele'. Provar muita coisa é sintoma de estômago embotado; quando são muitos e variados os pratos, só fazem mal em vez de alimentar. Lê, portanto, continuamente autores de confiança e quando sentires vontade de passar a outros, regressa aos primeiros. Reflete todos os dias em qualquer texto que te auxilie a encarar a inteligência, a morte ou qualquer outra calamidade; quando tiveres percorrido diversos textos, escolhe um passo que alimente a tua meditação durante o dia. É isso que faço: de muita coisa que li, retenho uma certa máxima."

O restante da obra é de tal riqueza descritiva e de compreensão tão fácil que o leitor astrólogo ou estudante tem a nítida sensação de estar a ler um Saturno vivo a discursar para a humanidade. E é a partir do entendimento deste mestre, tornado carne na figura de Lúcio Aneu Sêneca, que nossa moderna existência pode resgatar o mais verdadeiro e indestrutível poder: a força que subjaz àquele que aceita Saturno como sua base e fundamento, o esqueleto sobre o qual a carne se molda.

Literatura recomendada: Cartas a Lucílio, de Lúcio Aneu Sêneca.

Outros textos de Alexey Dodsworth.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores

 



Atalhos de Constelar 106 - Abril/2007 | Voltar à capa desta edição |

Alexey Dodsworth - As cartas de Saturno | O Estoicismo | Sêneca e as Cartas de Saturno |
Raul V. Martinez - Leitura astrológica do pensamento | Resgatando uma técnica medieval |
Tereza Kawall - Revisitando Plutão vinte anos depois | De Câncer a Virgem | De Libra a Capricórnio |

Edições anteriores:

Eugenia Maria Galeffi - Plutão em xeque | Quem é Hades na mitologia | Desnudamento e poder |
Eugenia Maria Galeffi - Os mitos de cada signo e os trânsitos de Plutão | De Áries a Virgem | Libra e Escorpião |
Alexey Dodsworth - Discutindo a regência de Éris | Nem um, nem outro |
Kátia Lins - Entre o mito e a filosofia | Um dizer no rasgar da carne |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva