Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 106 :: Abril/2007 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

UM SÉCULO DE TRANSFORMAÇÕES MUNDIAIS

Revisitando Plutão vinte anos depois

Tereza Kawall

Plutão em Libra (eixo Áries) 1971-1984

Palavras-chave:

Libra: Relações, harmonia, equilíbrio, paz, social, cooperação.
Áries: Indivíduo, batalha, imposição, impulso, vontade, ação.

"O homem fala incansavelmente na paz e prepara-se continuamente para a guerra." Podemos ver aqui a contradição fundamental, o paradoxo do espírito humano, da nossa ambivalência, que tanto inspira filósofos de todas as épocas. Nesse ciclo, a corrida armamentista chegou ao seu auge, não obstante os inúmeros tratados de paz assinados entre as potências mundiais, projetos e conferências que pregavam os direitos humanos, fossem no plano individual quanto social.

As relações internacionais e diplomáticas também foram duramente afetadas com a insurreição dos povos árabes, as crises do aumento do petróleo provocando um forte desequilíbrio político e financeiro no cenário mundial.

Todas as formas de relacionamentos passaram por grandes reformulações, tanto no âmbito da família quanto das relações sociais. Na relação entre o homem e a mulher, o elevado número de divórcios mostrou de forma incontestável que comportamentos e antigos padrões de amor ou casamento estavam sendo solapados, modificando o conceito de vida famíliar e os valores a ela agregados. Outras formas de relação, mais livres e abertas, foram pensadas, discutidas e principalmente vivenciadas nesta geração.

A Guerra Fria que teve seu início no pós-guerra envolveu as duas superpotências num conflito ideológico (União Soviética e Estados Unidos), dividindo o globo entre o oeste capitalista e o leste comunista. Sua retórica apocalíptica e paranóica com relação à ameaça nuclear pairava sobre tudo e todos. As bombas não explodiram, mas essa ameaça dominou o cenário internacional durante quase toda segunda metade do século XX.

Plutão em Escorpião (eixo Touro) 1984-1995

Palavras-chave:

Escorpião: Autoridade, transmutação, mundo invisível, sexualidade, renascimento.
Touro: Submissão, mundo material, finanças, trabalho, mãe natureza.

A questão ambiental tomou grande fôlego nos anos 70, e neste ciclo a ecologia deixou de ser um assunto restrito à ciência e aos partidos verdes; a proteção da natureza e do meio ambiente passou a ser uma cruzada mundial, envolvendo empresas e governos. Três grandes incidentes, como Chernobyl, na URSS (1986), a devastação da floresta amazônica e o gigantesco derramamento de óleo no Alasca (1989) são sinalizadores da gravidade do problema.

Ainda no início dos anos 80, surgiram os primeiros casos de AIDS; uma nova epidemia mundial nasceu neste novo ciclo plutoniano, envolvendo dois temas a ele relacionados: morte e sexualidade. Em poucos anos milhares de pessoas já haviam morrido, e essa triste realidade alterou o curso do processo da liberdade sexual, exigindo mais responsabilidade nas relações.

Em meados dos anos 80 houve uma conjuntura econômica mundial de muita prosperidade, e a ostentação da riqueza virou moda, especialmente nos EUA. Não só os magnatas se divertiam, mas também os "yuppies", cujas fortunas se faziam da noite para o dia com a especulação na Bolsa. Em contraste a essa expansão dos países mais ricos, as economias burocratizadas e frágeis da URSS e do Terceiro Mundo (como o Brasil) entraram em parafuso com endividamentos desastrosos.

No plano político internacional, Mikhail Gorbachev [foto], secretário do Partido Comunista da União Soviética, tentou implementar reformas radicais em seu governo (perestroika, ou reestruturação), mas o resultado final deste processo foi a queda do Muro de Berlim (1989) e própria dissolução do bloco soviético (1991).

A cauda do sáurio

"Plutão encarna, na astrologia, a força que preside as grandes mutações das eras geológicas e das espécies, os segredos da matéria, o mundo atômico, a conquista do espaço, invenções como o raio laser e a cirurgia do coração. É o símbolo da reconstituição radical, sobre novas bases, rejeitando os elementos supérfluos ou que atrapalham. Seus efeitos são súbitos e imprevistos.

Sua influência, porém, é claramente benéfica e animada por um profundo sentimento de justiça, embora possa, à primeira vista, parecer imoral ou anormal. A justiça de Plutão paira muito acima das convenções humanas.

(...) Na astrologia psicológica, Plutão, o "Príncipe das Trevas", simboliza as profundezas do nosso mundo interior, a "noite original da alma". Enfim, as camadas mais arcaicas da psique. Quando Carl Jung declara que o homem civilizado ainda possui "a cauda do sáurio", ele fixa a imagem infernal dessa componente primitiva e infernal que todo ser humano possui. Componente que, instalada nas nossas profundezas, continua a governar o planeta".

(Último parágrafo extraído do Dicionário de Símbolos, de Chevalier e Gheerbrant).

Plutão em Sagitário (eixo Gêmeos) 1995-2008

Palavras-chave:

Sagitário: Leis, Verdade, Religião, doutrinas, dogmas, ética, filosofia.
Gêmeos: Comunicação, movimento, comércio, flexibilidade, dualidade.

As grandes transformações plutonianas na área da comunicação foram a explosão da Internet, que saiu das universidades americanas para chegar à casa do cidadão comum, e a popularização da literatura de auto-ajuda, que, sustentada em princípios filosóficos e religiosos, chegou às bancas de jornais.

A Igreja Católica sofreu um duro golpe moral, pois o noticiário mundial trouxe à tona vários escândalos de homossexualismo e pedofilia entre alguns de seus sacerdotes, escândalos que vinham sendo indenizados, escondidos e perdoados de forma sistemática. Por outro lado, seu máximo representante, o Papa João Paulo II, ganhou notoriedade por seu imbatível poder de comunicação, viajando pelos quatro continentes, numa atitude de abertura e flexibilidade em relação a outras culturas e religiões.

O grande acontecimento político e social desse ciclo está gravado na memória de todos os cidadãos do mundo, nas horripilantes imagens do atentado das Torres Gêmeas, em Nova York, o famoso "Onze de Setembro". Em plena luz do dia, a caixa de Pandora se abriu no centro financeiro dos EUA, e um verdadeiro show de horrores se seguiu, sendo transmitido pela televisão em tempo real, para todo o mundo. Esse ataque, feito por cidadãos muçulmanos, abriu espaço para novas e sangrentas guerras no Oriente Médio, que ironicamente produz o petróleo, a preciosa fonte de energia, necessária para que o Ocidente mantenha os seus altos padrões de vida.

Esse fato desencadeou e acirrou discussões sobre a hegemonia e os radicalismos da política externa norte-americana, os conflitos sobre as migrações em todo o mundo, o fundamentalismo religioso (cristão e muçulmano), a xenofobia, a divisão da renda mundial, a crescente miséria no Terceiro Mundo. As leis e os direitos humanos são violados sistematicamente em nome da segurança, e o terrorismo passar a ser cada vez mais uma palavra comum e, sobretudo, uma ameaça real e constante à vida em todo o planeta.

Plutão em Capricórnio (eixo Câncer) 2008-2024

No início do século XXI, o rufar dos tambores plutonianos já se faz ouvir e leva nossos olhos para os horizontes asiáticos, onde imponentes torres de concreto apontam para os céus. A entrada de Plutão em Capricórnio já nos permite perscrutar uma provável mudança do poder econômico mundial do Oeste para o Leste, iniciando uma difícil e dolorosa transformação das atuais estruturas políticas e sociais no planeta. Não por acaso, a construção e finalização da futura torre mais alta da Ásia, o Shangai Financial Center [à direita], deverá acontecer em 2008, com a entrada definitiva de Plutão em Capricórnio. O medo do terror, a falta de segurança coletiva, de água potável e de alimentos poderá nos levar à implantação e consolidação de governos autocráticos e totalitários. Mas a exacerbação desta tendência sofrerá reviravoltas profundas, pois a força plutoniana se fará sentir, sempre de forma profunda e regeneradora.

O que nos diria o oráculo de Saturno, o senhor do Tempo?... aguardemos!

Sugestão para leitura:

HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos - O breve século XX (1914-1991). Companhia das Letras, 1995.
GREENE, Liz. Os planetas exteriores e seus ciclos - Uma Astrologia do coletivo - Editora Pensamento, 1990.

Outros artigos de Tereza Kawall.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar 106 - Abril/2007 | Voltar à capa desta edição |

Alexey Dodsworth - As cartas de Saturno | O Estoicismo | Sêneca e as Cartas de Saturno |
Raul V. Martinez - Leitura astrológica do pensamento | Resgatando uma técnica medieval |
Tereza Kawall - Revisitando Plutão vinte anos depois | De Câncer a Virgem | De Libra a Capricórnio |

Edições anteriores:

Eugenia Maria Galeffi - Plutão em xeque | Quem é Hades na mitologia | Desnudamento e poder |
Eugenia Maria Galeffi - Os mitos de cada signo e os trânsitos de Plutão | De Áries a Virgem | Libra e Escorpião |
Alexey Dodsworth - Discutindo a regência de Éris | Nem um, nem outro |
Kátia Lins - Entre o mito e a filosofia | Um dizer no rasgar da carne |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva