Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 87 :: Setembro/2005 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

FURACÃO ARRASA LITORAL AMERICANO

Katrina, a fúria de Urano em Peixes

Fernando Fernandes

Casas destruídas, milhares de mortos, legiões de desabrigados. Parece Terceiro Mundo, mas é Nova Orleans, Louisiana. Confira o mapa do furacão e o das cidades devastadas.

Depois de provocar estragos na Flórida na penúltima semana de agosto, ninguém mais acreditava que o furacão Katrina ainda pudesse atingir tão devastadoramente os Estados Unidos. Mas o fenômeno, típico do verão americano, ganhou força ao cruzar as águas quentes do Golfo do México e rumou para o norte, na direção do litoral da Louisiana, do Mississipi e do Alabama. Nessa nova investida o Katrina tocou a terra por volta das seis horas da manhã (hora de Nova Orleans) da segunda-feira, 29 de agosto. Horas depois, a primeira reação era de um certo alívio: o impacto maior ocorrera fora de Nova Orleans, atingindo cidades menores do litoral do Mississipi. Todavia, o pior estava por vir no dia seguinte. Pressionados pela tormenta, os diques que isolam Nova Orleans do rio Mississipi e de um lago de água salgada romperam-se em dois pontos, permitindo que a cidade fosse quase totalmente inundada. O resultado foi o maior desastre natural já sofrido pelos Estados Unidos. Mais de um milhão de pessoas desabrigadas, 80% da cidade sob as águas, cadáveres flutuando por toda parte e desespero dos sobreviventes, que pediam socorro dos telhados ou amontoavam-se no Superdome, o estádio da equipe local de futebol americano.

Três dias depois Nova Orleans via-se às voltas com cenas dantescas, só imagináveis até então em catástrofes de remotos países do terceiro mundo: fome, saques, violência, uma total ruptura da lei e da ordem e o fantasma das doenças epidêmicas rondando as quase cem mil pessoas que ainda não haviam sido evacuadas.

Como analisar um furacão? Este artigo não tem a pretensão de dar uma explicação cabal para o fenômeno, mas apenas de levantar alguns marcos investigativos que podem servir como ponto de partida para posterior aprofundamento. Diversas técnicas podem ser tentadas, existindo até mesmo uma especialização dentro da Astrologia - a astrometeorologia - voltada especificamente para a análise de fenômenos climáticos. Entre as técnicas mais comuns está a análise de lunações (mapas de lua nova e lua cheia) e a busca de ativações perigosas nos mapas das comunidades envolvidas (no caso, os mapas de fundação de cada cidade, dos estados e da própria independência dos Estados Unidos).

O nível mais amplo de análise seria o da consideração dos grandes ciclos que têm lugar no mundo neste momento e de seu reflexo em eventos locais. Neste nível, quase todas as correlações relevantes entre desastres naturais e configurações astrológicas já foram levantadas em artigos anteriores de Constelar:

  • O raro stellium dos sete planetas clássicos em Touro, no ano 2000, continua parecendo o mais relevante fator isolado para a compreensão da mudança de foco ocorrida nos últimos cinco anos na relação entre o homem e seu entorno. Enquanto a grande conjunção em Aquário, de 1962, acentuava a questão do avanço tecnológico, a conjunção em Touro de 2000 deslocava a ênfase para as conseqüências do uso desenfreado da tecnologia sobre o ambiente natural (ver em Constelar edição 23).
  • A presença de Urano em Peixes, desde 2003, coloca em evidência a possibilidade de ocorrências súbitas envolvendo grandes massas de água, como foi o caso da tsunami que devastou o sudeste asiático em dezembro de 2004 (ver em Constelar 80).
  • Considera-se que a descoberta de novos corpos celestes tende a estar em ressonância com eventos e processos que se dão no mesmo período, bastando lembrar a proximidade da descoberta de Urano (1781) com a eclosão das revoluções americana (1776) e francesa (1789); ou da descoberta de Plutão (1930) com o domínio da energia nuclear. No caso da tsumani de 2004 e do furacão Katrina, pode-se pensar em correlações tanto com a descoberta do planetóide Sedna, batizado a partir de um mito totalmente relacionado à ruptura do equilíbrio ambiental nos oceanos (ver em Constelar edição 70), quanto com a descoberta do décimo planeta, ainda sem nome, que foi achado numa constelação não zodiacal associada a um monstro marinho (ver em Constelar edição 86).

Na outra extremidade das possibilidades investigativas, temos o mapa do evento em si, ou seja, o próprio mapa do furacão. Dentre as várias possibilidades de carta, escolhemos aquela calculada para o momento e o local em que o Katrina tocou a terra pela primeira vez em sua segunda investida sobre o continente (a primeira fora na Flórida, alguns dias antes, com prejuízos relativamente pequenos).


Furacão Katrina toca a terra - 29.8.2005, 6h (-05:00) - Bay Saint Louis,
Mississipi - 30n18, 89w19. Os dados são aproximados, tanto em termos do horário
(citado pela Globo News) quanto do local (o site da rede americana NBC
cita: "ground zero for the eye of Hurricane Katrina was between Bay St Louis
and Pass Christian in Mississippi").

Se os dados estiverem corretos, o Katrina tocou a terra quando o penúltimo grau de Leão cruzava o Ascendente. O Sol, regente do Ascendente, está na própria casa 1, aplicando oposição a Urano na 7 (o símbolo do imprevisto na casa dos inimigos abertos, indicando um súbito ataque frontal). O dispositor do Sol é Mercúrio na 12 envolvido em uma aspectação tensa com Marte na 9 e Netuno na 6, mostrando perda e destruição de bens pelas águas. O aspecto tenso Marte-Netuno talvez possa ser tomado como um símbolo do mais grave efeito do furacão, que foi o rompimento dos diques que cercam Nova Orleans. Marte rege a casa 4 - o solo, as fundações - e está em Touro, signo que pode ser relacionado a construções e a estruturas estáveis. Netuno, além de significar as águas, em geral, responde também pela ação dissolvente, pela contaminação, pelo apodrecimento - exatamente o que está acontecendo com toda a cidade de Nova Orleans, submersa pelas águas.

Sobre este mapa do furacão pode ser projetado o mapa da Lua Nova imediatamente anterior, válido para previsões mensais. A lunação, ocorrida em 4 de agosto, mostra uma oposição direta de Sol e Lua a Netuno, planeta significador das águas oceânicas e das enchentes. Netuno rege o Ascendente, no último grau de Peixes. Mercúrio, que aqui rege a casa 7, dos inimigos abertos, está em conjunção com o Sol e sofre diretamente a oposição a Netuno.


Lua Nova anterior ao Katrina - 4.8.2005, 21h04 (-06:00)
Nova Orleans, LA - 29n57, 90w04.

O mapa de New Orleans e das outras cidades envolvidas



Atalhos de Constelar 87 - setembro/2005 | Voltar à capa desta edição |

Katrina, a fúria de Urano em Peixes | Analisando o mapa do furacão | Mapas das cidades afetadas |
Tumulto mata mil peregrinos |
Agosto negro em Bagdá |
O X da questão | Um debate na Gaia | Astrologia, mídia e relações de poder |
Astrológica 2005 | Imagens em movimento |
Perfis | Paulo Maluf: fim de carreira? | Severino Cavalcanti |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva