Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 86 :: Agosto/2005 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ASTROLOGIA E POLÍTICA

Um olhar da astrologia tradicional
sobre a política brasileira

Gerson Pelafsky

Usando técnicas tradicionais, a crise brasileira pode ser percebida sob outro ponto de vista. Júpiter é um dos planetas de maior destaque no momento, em consonância com a ênfase na questão da ética.

A astrologia tradicional, praticada desde a antiguidade até o início do século XVIII, fornece ferramentas para discernir padrões presentes em cartas astrológicas que poderiam passar despercebidas pelo astrólogo contemporâneo. A astrologia moderna permanece no escuro quanto a essas técnicas úteis. Vejamos a aplicação de algumas e como elucidam melhor aspectos do mapa do Brasil e da carta do ingresso solar (ingresso do Sol em Áries, calculada para a capital federal). Veremos como surpreendentemente aparecem aspectos planetários, como o aspecto Marte-Saturno, e o fato de o regente da casa 10 (casa da autoridade governamental) estar em signo de detrimento, que repetem um padrão semelhante ao do mapa da Independência, o que confirma o fato de tratar-se de um momento fora do comum na história brasileira.

Na astrologia clássica grande importância é dada ao fato de o Sol se encontrar em posicionamento diurno (acima do horizonte - casas 7 a 12) ou noturno, abaixo do horizonte (casas 1 a 6). Esta abordagem aparece no Tetrabiblos, de Ptolomeu, obra-mestra e das mais influentes na astrologia até hoje, assim como em Firmicus Maternus, outro autor clássico, que a menciona em sua obra Mathesis. Os aspectos e posição de casa dos planetas são lidos diferentemente em cada caso. Há planetas considerados diurnos e noturnos e, se estiverem de acordo com a tendência da carta, podem ser mais favoráveis, do contrário podem revelar sua face menos luminosa.

Mapa do ingresso solar em Áries: 20/03/2005 9:34 - Brasília.

Este tipo de mapa é amplamente usado na astrologia Mundial (ramo que aborda questões nacionais ou que afetam uma coletividade).

O Ascendente está em Touro e seu regente se encontra na casa 11, casa do poder legislativo, combusto (em conjunção com o Sol). Nas fontes clássicas a combustão tem caráter desfavorável, indica situações desgastantes, bem como situações ocultas, pois o planeta, quando sob os raios do Sol, desaparece de vista, sua visão fica obliterada - aqui pode ser feita uma analogia com os esquemas ocultos envolvendo dinheiro (Touro-Vênus) e casa 11 (deputados). Este mapa é diurno (Sol acima), e Saturno, o regente da casa 10 (autoridade governamental), encontra-se noturnamente colocado (abaixo do horizonte), portanto em conflito com a tendência da carta - aqui vemos o desgaste do governo (planeta em signo de exílio, também), sua tentativa de proteger sua fragilidade, o medo e a situação dificil que se seguiu às denúncias de corrupção. Ao invés de estar acima, o planeta desce para o hemisfério inferior - uma alusão à queda de líderes governamentais. Saturno está na casa 3, mostrando os correios (setor de comunicação em mapas de astrologia política), bem como o envolvimento dos setores de inteligência do governo (Abin), e o papel dos meios de comunicação nas denúncias de corrupção e elucidação do assunto. Saturno está em aspecto com Vênus, ligando a corrupção ao governo. Há um aspecto de Marte partil (grau exato) oposto à Lua - mostra a disputa acirrada que poderá levar à punição judicial ou exílio dos envolvidos (significados de casa 12, regida por Marte); exílio neste contexto corresponderia à cassação do mandato - perda do direito político - e mexe com a opinião pública - Lua.

Vejamos as coincidências com o mapa da Independência:

Independência do Brasil - 07/09/1822 16:53 LMT São Paulo - SP.
Nota de Constelar: o autor do artigo utiliza o mapa da Independência com Ascendente em Peixes. A maioria dos astrólogos prefere os mapas calculados para 16h30 ou 16h08 LMT, ambos com Ascendente em Aquário.

É um mapa diurno, e os planetas Júpiter e Saturno estão em confronto com essa tendência, ambos situados abaixo do horizonte. Júpiter, o regente domiciliar da casa 10, está abaixo do horizonte, em detrimento (exílio - como é a denominação moderna). Em detrimento e noturno, revela sua face mais desfavorável - aqui vemos uma tendência dos nossos líderes adotarem posturas messiânicas de salvar a pátria, ou salvaguardar a ética. Mas esses líderes têm pés de barro - o planeta "caiu" lá de cima e veio para baixo - a queda de uma atitude do eu inflado e difícil de sustentar? A queda dos sujeitos à 'hybris', orgulho dos que se acham acima da lei que sujeita os demais, algo notório entre nossos políticos, que é punido pelos deuses - noção presente na cultura grega clássica - bem apropiado para Júpiter, não?... Júpiter, como portador da consciência, aqui fica "noturno", nas trevas - consciência obliterada de nossos governantes. Outras analogias que caberiam aqui para um Júpiter maleficiado: gasto inapropriado do dinheiro público - princípio da generosidade distorcido, hipocrisia - princípio da franqueza distorcido. Marte, regente da casa 2 por domicílio, é planeta noturno acima do horizonte, em condição diurna, então confirma o mau uso dos recursos do país e bem como a fraqueza das autoridades em fazer frente à corrupção (Júpiter enfraquecido por condição celestial e noturno, quincunx com Marte). Talvez esse falso heroísmo, ou lado pretensamente salvador e paternalista, tenha começado com D. Pedro - ecos do "independência ou morte"? Saturno aqui nesse mapa está noturno e em signo feminino e rege a casa 11, do poder legislativo. Está em oposição a Marte, como no mapa do ingresso solar, confirmando, como já foi mencionado, a importância desse momento para a história brasileira. É digno de nota que o presidente Lula tem a conjunção Marte-Saturno e está no segundo retorno deste último. Aqui vemos um Saturno debilitado em conjunção com outro "maléfico" em queda (Marte), mostrando a luta de Lula para se desvencilhar de uma situação onde, por ter favorecido os seus, o seu "clã" (Câncer, seu partido, o PT), este último contaminou o poder e levou a uma perigosa confusão ente o público e o privado e a uma perda de controle e dos limites (Saturno) na administração dos negócios públicos. [*]

Firdaria - um sistema de previsão medieval

Por fim, aplicando um sistema de previsão que remonta à antiguidade e de largo uso na Idade Média, chamado Firdaria. É um sistema de previsão baseado na sucessão de períodos planetários. Os planetas se sucedem na ordem caldaica (Saturno, Júpiter, Marte, Sol, Vênus, Mercúrio, Lua) e a eles são acrescidos os nodos planetários. É usado um ciclo de 75 anos no total, com um período de anos atribuído a cada planeta. E também há um período menor, um planeta sub-regente. Este era originalmente aplicado em astrologia mundana e também em natal. Irei aplicar aqui como se tratasse de um mapa natal (o que não deixa de ser, pois é a natividade da soberania brasileira).

Os períodos planetários são os seguintes: Saturno - 11; Júpiter - 12; Marte - 7; Sol - 10; Vênus - 8; Mercúrio - 13 e Lua - 8; Nodo Norte - 3; Nodo Sul - 2. A contagem começa pelo Sol em mapa diurno e Lua em Noturno. De 1822 a 1972 passaram-se 150 anos, totalizando dois ciclos completos de períodos. A partir de então: 1972 a 1982 - Sol; 1982 a 1990 - Vênus; 1990 a 2003 - Mercúrio. Estamos no ciclo Lunar desde 2003, ano de eleição de Lula. E o sub-período, o segundo regente é Júpiter, portanto ciclo Lua-Júpiter. Aqui temos o "governante do tempo" como sendo Júpiter, regente da casa 10, que pelas razões descritas reflete este momento apreensivo e crucial em nosso país. Já na profecção, outro sistema de previsão onde é feita uma "progressão" de casas à ordem de um ano de vida correspondendo a um signo, a casa um vigora no primeiro ano de vida, no décimo-segundo, aos 24, 36, 48 e assim por diante. A contagem vai de doze em doze, sucessivamente. 180 anos perfazem 15 ciclos completos. Portanto, em 2002 começou um ciclo de casa 1 no mapa do Brasil. Em 2003, vigora a casa 2, e assim vai a sucessão. Estamos em 2005, portanto a partir de setembro entramos no período atual da casa 4, onde está Júpiter - confirmando a previsão de Firdaria como um ano decisivo para o Brasil, no que diz respeito ao trato das coisas públicas.

Faltou mencionar um vínculo que tenho notado entre o mapa de políticos brasileiros envolvidos em corrupção ou denúncias e o mapa da Independência do Brasil. Paulo Maluf, Collor, José Dirceu, Lula e outros políticos possuem em sua carta natal Saturno e Marte em aspecto, sendo que Marte se encontra em queda ou exílio (no caso de Collor, o aspecto existe usando orbe medieval, mais ampla). De alguma forma faz um gancho com o aspecto Marte-Saturno do mapa brasileiro, o qual associo à corrupção (regências sobre casas 2 e 11).

Outros artigos de Gerson Pelafsky.



Atalhos de Constelar 86 - Agosto/2005 | Voltar à capa desta edição |

A descoberta do décimo planeta | Muito além de Plutão | Um planeta no ventre do monstro |
Astrogeomancia aplicada | Investigando o futuro de Lula |
Astrologia Mundial | Uma nova Grande Depressão em 2010? |
Perfil | Delúbio, o homem do tesouro |
Astrologia Tradicional | Um olhar sobre a política brasileira |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva