Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 171 :: Setembro/2012

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

MEMÓRIA DA ASTROLOGIA BRASILEIRA

Antônio Olívio Rodrigues,
a história de um precursor

Ana Maria González

O Almanaque do Pensamento, mais antiga publicação brasileira de teor astrológico, completa cem anos. Na raiz de sua fundação, uma grande história de vida: a de Antônio Olívio Rodrigues, que talvez tenha sido o primeiro astrólogo profissional brasileiro.

Este artigo faz parte de uma pesquisa sobre a história da astrologia na cidade e no Estado de São Paulo. Há muitas escolas, livrarias, eventos de que não temos registro. Houve muitas personagens que trabalharam em várias áreas. O objetivo deste trabalho é levantar dados e resgatar essa memória. O texto sobre Antônio Olívio Rodrigues inicia a publicação do material que está sendo reunido.

Antonio Olívio RodriguesNo filme O Palhaço, a personagem Benjamin, vivida por Selton Mello, vive uma crise de identidade e questiona o seu papel no circo. Decide romper o laço com essa função, mas acaba voltando a ser palhaço, porque essa é a sua vocação. Ele não poderia ser outra coisa.

Para nós astrólogos, as questões de identidade e de vocação podem ter um significado especial. Nem sempre é fácil abordá-las nas histórias de vidas que nos são contadas.  

Mas essas dúvidas não parecem ter sido problema na vida de Antônio Olívio [ilustração à esquerda]. Ele construiu uma vida especial, pois tendo chegado ao Brasil como imigrante realizou o inimaginável para um simples operário. Buscou conhecimento, foi empresário de sucesso, arregimentou pessoas em torno de suas ideias. Nos primeiros anos do século XX, já tinha um consultório para consultas astrológicas em São Paulo. Como explicar essa história de vida?

Ele chegou ao Brasil em 1890 vindo de Portugal como imigrante, com onze anos de idade para fazer vida nova. Atuou como operário, jardineiro e jornaleiro.  Porém, ele  tinha uma curiosidade que o conduziria a outras direções.
Aos vinte e um anos, já casado, entrou em contato com alfarrábios onde encontrou Allan Kardec e Nicolas Camille Flammarion, teóricos espíritas. Sua sede por conhecimento só aumentou e ele acrescentou a sua biblioteca, mesmo com muitas dificuldades econômicas, Helena Blavatsky, Eliphas Lévi, Max Hendel,  Prentice Mulford, Ramacharaca, Max Heindel. Ampliando seus contatos, filiou-se à Ordem Martinista, à Ordem Rosa Cruz e à Sociedade Alquímica da França com quem manteve troca de idéias. E encontra parceiros nestas sociedades, para as novidades que seu espírito pioneiro iria empreender.

Em 1906, já mantém um consultório para atendimento de horóscopos e cálculos astrológicos. Em junho de 1907 funda a Empresa Editora O Pensamento, com a publicação da tradução de Henri Durville (1887–1963), Magnetismo Pessoal. Sua publicação não teve a acolhida esperada e não escapou de críticas de kardecistas e teosofistas. Defendendo-se delas, inicia então uma campanha de divulgação, por meio de passos pequenos, mas com objetivos claros. Distribui folhetos em bares e cafés. Tem a idéia de um pequeno jornal, O Astro, onde dá a notícia de seus atendimentos, da publicação do livro de Durville sobre os processos dos centros nervosos e físicos e das ideias de outro espiritualista importante em sua formação, Prentice Mulford (1834-1891),  jornalista e autor do livro Nossas Forças Mentais, publicado em 1912.

Em dezembro de 1907, talvez percebendo a importância da mídia que se desenvolvia e com ajuda de empréstimo financeiro de amigos, lança a revista mensal de estudos ocultistas O Pensamento, com um pacote promocional para assinaturas anuais: um tratado de Mulford, um horóscopo, um calendário e um exemplar de Durville. Era um cuidadoso trabalho de marketing muito antes dessas técnicas de propaganda serem largamente utilizadas.

Círculo do PensamentoEntre 1907 e 1912 Antônio Olívio deu a partida numa série de projetos de vasto alcance. Um deles foi o Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento.

O jornal O Astro transforma-se em suplemento da revista O Pensamento, que cresce já no segundo número e apresenta no terceiro cerca de duzentos assinantes. É a partir desse sucesso que ele tem o desejo de criar um grupo para estudos psíquicos, que desenvolveria uma “comunhão do pensamento”, uma espécie de corrente de vibrações de “paz e harmonia entre os homens”. Ele percebeu que havia uma demanda para esse tipo de associação.  

Almanaque do PensamentoFoto da primeira edição do Almanaque do Pensamento, em 1912. É a única publicação de conteúdo astrológico no Brasil que chegou a um século.

Essa idéia amadurece em 1908 e ele funda o Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento em 1909, a primeira ordem esotérica do Brasil, com intenções de desenvolvimento das forças mentais e do autoconhecimento do indivíduo.
Em 1912, Antônio Olívio lança o primeiro almanaque brasileiro de teor astrológico, o Almanach d`O Pensamento Scientífico, Astrológico, Philosófico e Literário (ornado com numerosas figuras) com divulgação pelo Brasil.  

O Almanaque do Pensamento comemora este ano cem anos de publicação. A Editora Pensamento é atualmente um grande complexo editorial e o Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento se espalha por mais de quinze estados do Brasil e mais de sessenta filiais, contando com mais de cinco mil  associados. Como vemos, suas obras permaneceram ao longo do tempo.

A astrologia e o mapa de Antônio Olívio

Não foi difícil Antônio Olívio chegar à astrologia, que ganhou um lugar de destaque entre seus interesses. Em 1906, ele já atendia clientes para mapas astrológicos em um consultório nomeado Brasil Psíquico-Astrológico situado à Rua da Glória, 2B, no bairro da Liberdade em São Paulo.

Ele chegou à astrologia pelas ciências relacionadas ao mentalismo e ocultismo, áreas que se expandiam desde o final do século XIX (magnetismo, clarividência e psicometria). Foi grande a influência de  François Charles Barlet (pseudônimo de Albert Faucheux, 1838-1921), ocultista e teosofista,  colaborador de numerosas revistas,entre as quais La Science Astrale, fundada por ele em 1904.   

Em 1910, Olívio conhece Francisco Valdomiro Lorenz (1872-1957), poliglota e filósofo que por mais de vinte anos é o responsável pelos conteúdos de astrologia no Almanaque d´O Pensamento.

Livro de Astrologia, 1917Em 1917, Antônio Olívio publica o primeiro livro de astrologia na Coleção Ciências Herméticas [foto] e um segundo de técnicas. Nessa obra observamos a extensão de seus estudos, por uma série imensa de citações: História Antiga, os árabes, Firmino Materno, Müller Regiomontanus, Paracelso, Kepler, Tycho Brache, Plácido, Tito, William Lilly. Os textos apresentam preocupação teórica e exposição didática.

Mas, apesar de ter sido talvez o primeiro astrólogo profissional brasileiro, não temos muitas indicações de seu mapa natal. Não sabemos onde ele nasceu e a hora. Até o dia de seu nascimento é motivo de dúvidas. Aceitamos com ressalvas a data que nos foi informada, pela ausência de sua origem. Por que não temos o local de nascimento? Tais perguntas são devidas ao trabalho de pesquisa. Apesar disso, ainda podemos levantar hipóteses de um possível mapa natal, levando em conta a data que nos foi oferecida pela bibliografia do Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento: sete de outubro de 1879.

O mapa nos mostra o Sol em conjunção com Mercúrio no signo de Libra em oposição a Saturno em Áries, o que indicaria seu espírito de luta, já que foi um realizador de ideias, abrindo novos caminhos e vencendo obstáculos. Ao mesmo tempo, a oposição de Saturno a Mercúrio torna o pensamento e a comunicação cuidadosos, o que se confirma por sua história. O trígono de Urano (em Virgem) e Netuno (em Touro) lhe empresta uma visão maior da vida, e Plutão em conjunção com Marte (em Touro) nos diz que ele era um homem com capacidade de suportar estresse na busca persistente de seus objetivos. 

Durante as primeiras horas do dia sete, a Lua estava nos últimos graus de Gêmeos, mas muda para Câncer (perto das 4h50). A Lua de nossa personagem talvez seja a que favorece a agilidade mental. Além disso, sua ação na comunidade não deixa dúvidas sobre sua capacidade de trocas e sobre sua mobilidade no ambiente em que vivia.  

Antonio Olivio - carta especulativa

Carta especulativa de Antônio Olívio Rodrigues - 7.10.1879, 2h - Lisboa, Portugal. Considerando uma Lua em Gêmeos, são possíveis os Ascendentes Leão, Virgem ou Libra.

O planeta Vênus (em Virgem) está em trígono com Marte e Plutão, indicando relacionamentos transformadores e possibilidade de uma ação envolvente. Júpiter em Peixes mostraria a relação positiva com as questões de ordem coletiva assim como seu espírito humanitário. A oposição de Júpiter com Urano nos mostra um impulso para quebrar as limitações impostas pela sociedade e um desejo de liberdade, o que pode ter lhe dado forças para promover aberturas. A ênfase nos signos de Terra indica que ele sabia fazer as coisas acontecerem.

Há um dado que merece nossa atenção: a presença de seis planetas retrógrados (Urano e Mercúrio são diretos). Poderia essa ênfase na retrogradação explicar um aspecto reflexivo e de introversão necessário para o desenvolvimento de sua mente privilegiada? Nossa pergunta já supõe uma resposta. Mas, com certeza, o mundo material era apenas um ponto de apoio para aspirações maiores de Antônio, de acordo com as possibilidades de sua consciência.

Sede da Editora do PensamentoSede da Editora Pensamento, fundada por Antônio Olívio.

Podemos observar os aspectos entre os grandes planetas no ano de seu nascimento (1879). O trígono entre Urano e Netuno acontece nos primeiros meses e no segundo semestre desse ano. Plutão está em signo de Terra o ano todo. São planetas geracionais que podem ter ganhado um valor pessoal em seu mapa pela firmeza de suas ações, pela concretização de suas idéias.

Além dessa visão parcial do mapa, verificamos que, por trânsito, as maiores conquistas (fundação da empresa editorial e da associação) aconteceram entre os anos de 1907 e 1909 quando ele estava entre os vinte oito e trinta anos. Essa é uma idade significativa do ponto de vista astrológico: a progressão da Lua e o retorno de Saturno. 

A popularidade dessas obras pode confirmar que ele tivesse uma Lua em Gêmeos bem posicionada e em casa de valor social (a progressão da Lua). Por outro lado, ele imprime sua marca na realidade (o retorno de Saturno) fundando a editora e a associação. Essas ações concretizam (ênfase de Terra) suas ideias humanitárias e desejos (Júpiter em Peixes).

Em junho de 1912, quando criou o primeiro almanaque com conteúdos de astrologia, Plutão estava nos últimos graus de Gêmeos, possivelmente em conjunção com a sua Lua, um momento de intensidade. Mas também havia outros trânsitos menos perturbadores. Ele continuava a plantar, mobilizando o público (Plutão/Lua), contando também nesse momento com sensações de satisfação (Netuno em sextil com Vênus) e de liberdade (Urano em trígono com Marte).
Mas isso tudo é fruto de especulação e curiosidade de astróloga. Contamos com muitos poucos dados, infelizmente grande parte das afirmações que faço são passíveis de questionamento. Talvez eu tenha ido muito mais longe do que o bom-senso nos aconselha.

Quem foi Antônio Olívio?

O contato com essa história de vida nos traz de volta a questão do início. Desde seus primeiros estudos (possivelmente em 1901) até a época de suas grandes obras (1907-1909) foram pouco mais de sete anos em que ele deu um salto enorme em direção ao que parece ter sido uma vocação. Tais obras aconteceram por causa de sua capacidade de trabalho e de disciplina? Ou foram efeito de vocação predestinada?

Pouco a pouco as qualidades de sua personalidade foram aparecendo para nós. Como comunicador foi capaz de perceber formas adequadas de divulgar suas ações, em jornal e revistas que eram então populares e eficientes. Atingiu o coletivo com sua mente atenta às novidades de sua época.

Como pensador e filósofo percebeu a importância de tudo o que descobriu e acumulou. Sua inteligência mostrou-se ágil e rapidamente ele teria desvendado as teorias que conformaram seu mundo desde então. 

Foi também senhor de seu tempo. Soube agregar muita gente com habilidade política. Teve autoridade e exerceu decisões de acordo com seus ideais, visíveis em tudo o que ele construiu. 

Não é à toa que os que o conheceram não hesitam em nomeá-lo um ser iluminado. Outras vezes é chamado homem universal. É fácil encantar-se com ele. De que maneira podemos interpretar que ele tenha partido de tão precárias condições e chegado nesse lugar em que podemos vê-lo a partir de suas obras? Teria ele já dentro de si algum tipo de inscrição para tal trajetória? Uma espécie de cartografia da vocação desenhada na alma, à espera de ser colocada em ação no mundo?

Pensemos nessa vida realmente modelar. Fica o exemplo de homem e obra, para não nos esquecermos de que a natureza humana também pode gerar marcas valiosas no mundo.

Só para não nos esquecermos em momentos de eventual desalento. Só para nos alimentarmos quando nos faltar fé ou esperança.

Bibliografia

Comunhão do pensamento, 103 anos da criação secular de um homem universal. Revista O Pensamento (Revista oficial do Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento), São Paulo, ano 104-número 3, mai/jun 2012, pág. 30-37.
Ramachandra, Adilson Silva -  Pensamento em Mutação, a trajetória de uma editora -  SP: Editora Pensamento, 2007.
Ramachandra, Adilson Silva - “O pensamento” em evolução - Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento, 100 anos – SP: Editora Pensamento, 2009.
Riedel, Ricardo - Brasil Psychico – astrológico e cultural Almanaque do Pensamento. Edição comemorativa  2012 - São Paulo: Editora Pensamento-Cultrix, 2012. p.2-9. 

PS: Se você participou dessa história, se tem material como fotos e papéis, dados de pessoas, sua colaboração será muito bem-vinda. Visite o blog onde são colocadas notícias do que tem sido feito: http://historiastrologsp.blogspot.com  .   
Agradecemos à equipe do Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento (Eli Simões, Élcio Lima, Salete) e a Adilson Silva Ramachandra (Editora do Pensamento) pelas informações recebidas.

Outros artigos de Ana Maria González.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Ana Maria González - Memória da Astrologia Brasileira | Antônio Olívio Rodrigues, a história de um precursor |
Fernando Fernandes
- Perfis astrológicos | Irmã Dulce, a mãe católica da Bahia | Gregório de Matos Guerra, o Boca do Inferno |
Equipe de Constelar - Pesquisa acadêmica | Astrologia e Estilos de Gestão |

Edições anteriores:

Alexey Dodsworth - Bahia, Lua do Brasil | A fundação de Salvador nas cartas do Padre Nóbrega |
Fernando Fernandes - Bahia, Lua do Brasil | De Roma a Brasília, passando por Rio e Salvador | Tomé de Sousa e a instalação do Governo Geral |



Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva