Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 17 :: Novembro/1999 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ASTROLOGIA ESPORTIVA

Flamengo, o mais querido do Brasil

Fernando Fernandes

O significado simbólico dos urubus

Urubu

O feio e repugnante urubu é a ave carniceira que, ao comer os restos orgânicos em putrefação, permite à natureza renovar-se em seus ciclos. Nos cultos de magia afrobrasileira, o vermelho e o negro são as cores de Exu, o mensageiro dos orixás e aquele que toma conta das encruzilhadas para permitir – ou não – o acesso a outros planos. Na condição de mensageiro, Exu lembra Mercúrio e Gêmeos; na condição de agente universal da transmutação de energias, sugere Escorpião. Plutão, por outro lado, expressa processos de eliminação que, no panteão africano, correspondem ao modelo operacional de Omulu-Obaluaiê, a divindade daomeana da varíola que tanto traz a doença quanto permite sua cura. Na verdade, a varíola, quando manifesta-se na pele, não está surgindo naquele momento, mas apenas exteriorizando um conteúdo mórbido que já estava presente em profundidade, de forma invisível.

Escorpião, Plutão, Exu, Obaluaiê, urubus... imagens diversas para consubstanciar o mesmo princípio de eliminação do que é velho, inútil, tóxico, repugnante. Após a destruição, o terreno estará limpo para a nova semeadura. Assim é também a função do Flamengo. Sua relação com a torcida é de catalisador de processos mórbidos que precisam ser regenerados através da catarse coletiva. Através do vínculo de paixão, que comporta sofrimento e alegria em nível de massa, o torcedor promove a purgação que o tornará mais leve, mais limpo, mais purificado. É isso que o fenômeno rubronegro expressa: um gigantesco mecanismo terapêutico, um ritual de exorcismo compartilhado. Neste sentido, há pouca diferença entre a final do campeonato – ou o jogo desesperado em que o clube joga suas últimas chances de classificação – e as concentrações-monstro promovidas por seitas evangélicas no mesmo templo aberto do Maracanã. 

Fio MaravilhaA carta especulativa também destaca a importância da casa 5 - ligada a esportes e ao prazer do jogo, da aposta, do "tudo ou nada". Essa casa 5 é regida por Vênus em Libra, em trígono com o Ascendente: Flamengo, "o mais querido". Já a Lua no otimista e extrovertido signo de Sagitário na cúspide da casa 7 mostra a torcida alegre, barulhenta, sempre a alimentar a esperança de títulos impossíveis. O otimismo incorrigível e a tendência ao exagero de Sagitário levam a imensa torcida a transformar jogadores apenas medianos em craques inesquecíveis. Quem não se lembra, por exemplo, do desengonçado Fio Maravilha [esquerda] , que caiu nas graças dos torcedores em meados dos anos 70 e virou samba de sucesso na voz de Jorge Benjor?

Com a Lua em Sagitário e seu regente, Júpiter, em Leão, o mapa do Flamengo tem sua cota do elemento Fogo, que rege a fé e o entusiasmo. E com a conjunção Sol-Urano na casa 6, temos aí o clube com forte apelo sobre a massa trabalhadora. Se bem que as pesquisas mostrem que a torcida do clube se espalha de maneira quase uniforme por todas as classes sociais, o estereótipo dominante no Rio é o do flamenguista suburbano, que vai para estádio de trem e comemora títulos caindo invariavelmente no samba (ou no funk estilo pancadão).

Há, contudo, uma outra carta que também precisa ser analisada. Vamos à história:

Por ter sido fundado visando a prática do remo, o seu primeiro nome foi Grupo do Flamengo, tendo a seção terrestre sido criada em 1902. Esta, entretanto, só ganhou força em 1911, com a transferência do quadro principal do Fluminense para lá. Em 24 de novembro deste ano foi criada, por este grupo, o Departamento de Futebol.

Flamengo Departamento de Futebol

Departamento de Futebol do Flamengo – 24.11.1911 – solar (12h LMT)
Rio de Janeiro – 22s54, 43w15

Este aparecimento se deu em função de um desentendimento entre os jogadores de futebol do Fluminense e a comissão técnica do clube. O capitão da equipe, Alberto Borgeth, abandonou o clube, sendo seguido por nove dos onze jogadores titulares. A retirada tinha um objetivo: criar um novo clube de futebol. Escolheu-se o Flamengo, por este clube ainda não praticar o futebol. As cores escolhidas foram o vermelho (cor dos flamingos), e o preto, que já existia na bandeira original, entre os remos. Antes disso, as cores do Flamengo eram o azul e o amarelo. Essas cores, entretanto, possuíam muito pouca resistência ao Sol (muito forte no Rio de Janeiro) e à salinidade das águas da Baía de Guanabara. [3]

Quando observamos esta nova carta, o que chama a atenção de imediato é a conjunção do Sol no início de Sagitário com Júpiter no final de Escorpião, ambos em oposição a Marte no início de Gêmeos. É o aspecto que define o Flamengo como alegria do povo, expressando otimismo, energia expansiva e as tão decantadas ginga e malandragem. Contatos dinâmicos Marte-Júpiter tendem a simbolizar um comportamento eternamente juvenil (juvenil vem de Júpiter) e uma disposição aventureira. Tanto o mapa do autor de Peter Pan, o garoto que não queria crescer, quanto o da estréia da peça em Londres apresentam este aspecto.

Enquanto o mapa da fundação do clube apresenta o desequilíbrio na destribuição espacial dos planetas (metade da carta vazia e cinco planetas concentrados em Escorpião), o mapa do departamento de futebol espelha uma distribuição mais equitativa de recursos, como se o Flamengo, ao criá-lo, tivesse preenchido um potencial que permanecera até então inexplorado. O futebol, na verdade, expande e, de certa forma, “engole” o clube.

A Lua em Capricórnio, em trígono com Saturno em Touro, fala de permanência, mas ao mesmo tempo sua condição de planeta em exílio e em quadratura com Vênus em Libra pode dar uma pista para outros componentes importantes na relação entre o time e a imensa torcida rubronegra. Jaime Camaño, em sua Astrologia comportamental e as essências florais de Minas, diz o seguinte sobre indivíduos com este aspecto:

Hipersensibilidade e hiperemotividade (...) Na mulher, conflitos internos entre a parte mãe-esposa-doméstica (Lua) e a parte mulher-fêmea-vaidosa (Vênus). Uma natureza não aceita a outra. (...) No homem, falta de habilidade para lidar com as mulheres. (...) Sentimentos de inferioridade. Faz chantagem emocional para chamar a atenção. A família intromete-se em tudo, no namoro, no casamento, na vida conjugal (...) Por ironia, a família, muitas vezes, terá de colaborar financeiramente para salvar esse mesmo casamento que tantas vezes reprovou. Problemas financeiros causados por instabilidade emocional ou por situações mal avaliadas. [4]

Torcida do Flamengo

Se pensarmos no time como o elemento ativo, masculino, e na torcida como o elemento receptivo e feminino, esta descrição estabelece analogias com a relação que se estabelece entre ambos no Flamengo. É o amor que avança entre tapas e beijos, com a torcida sempre ansiosa e apreensiva, o que a leva a “intrometer-se em tudo” e a provocar reações inábeis ou desastradas de dirigentes e jogadores. O hino não oficial do Flamengo, de autoria de Lamartine Babo [foto abaixo], explicita este lado de “mulher de malandro” da torcida rubronegra ao afirmar:

Ele me mata,
Me maltrata,
Me arrebata
De emoção,
No coração.
(...)
Eu teria
Um desgosto profundo
se faltasse
o Flamengo no mundo.

Lamartine BaboEm síntese: é o único hino de clube com inequívocas referências a um relacionamento sadomasoquista (traço, aliás, já prenunciado na ênfase Plutão-Escorpião da carta de 1895). Dividida entre o papel de ambiciosa mãe capricorniana, que quer monitorar a ascensão do filho, e da amante libriana desejosa de agradar o companheiro, a  torcida do Flamengo é sempre uma parceira instável e hiperemotiva que exige atenção absoluta. Zico, com sua sensibilidade pisciana, foi dos poucos ídolos que soube compreendê-la, representando o papel do amante esforçado e irrepreensível.

Qual dos dois mapas, o da fundação do clube ou o da criação do departamento de futebol, reage mais claramente aos trânsitos e progressões? Na verdade, ambos. A fase de apogeu do Flamengo vai de 1978 a 1981, com a conquista de vários campeonatos estaduais, o campeonato brasileiro, a Libertadores da América e o intercontinental de clubes, em Tóquio. Entre 1980 e 1981, o Flamengo foi simplesmente a melhor equipe do mundo. As progressões secundárias sobre as duas cartas mostram um fenômeno único e interessantíssimo, que é a ativação de cada uma delas pelos planetas progredidos da outra, com destaque para os aspectos de Júpiter progredido, o princípio benéfico e expansor. Já os trânsitos para os mesmos anos vão mostrar uma forte concentração em Libra, ativando Vênus nas duas cartas (trânsitos de Saturno, Plutão e Júpiter) e a presença de Urano a formar conjunção quase ao mesmo tempo com o Sol da fundação, em Escorpião, e o da criação do departamento de futebol, em Sagitário.

Na verdade, o Flamengo tem dupla natureza: é o adolescente alegre que levanta o entusiasmo nacional e esconde, sob a aparente jovialidade, o temível sacerdote que promove o ritual da purificação coletiva. É o flamingo de pernas longas (Sagitário) que se transmuta no negro urubu (Escorpião).  

 

NOTAS:

[1] O autor do artigo esclarece que foi à sede do clube apenas por um ato de sacrifício, acompanhando amigos e pensando no bem da astrologia brasileira, pois definitivamente seu coração não é rubronegro!

[2] Citação extraída do site oficial do clube, em 1999.

[3] Idem.

[4] CAMAÑO, Jaime et alii. Astrologia Comportamental e os Florais de Minas. SP, Pensamento, 1998.

Outros artigos de Fernando Fernandes.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Raul V. Martinez - Astrologia Eletiva | Os fundamentos | Seis casos práticos |
Carlos Hollanda - Comportamento | Entendendo Saturno em Libra |
Hanna Opitz - Pesquisa | Um novo mapa para um novo Brasil |
Fernando Fernandes - Astrologia Esportiva | Flamengo, o mais querido | O significado simbólico dos urubus |

Edições anteriores

Vanessa Tuleski - Cinema e simbolismo | O labirinto do fauno | Faces diferentes de uma mesma moeda |
Jayme Carvalho - Mercúrio, a palavra e a comunicação | O mito de Hermes | Hermes, deus agrário |
Ângela Brainer, Martha Perrusi e Fernando Fernandes - Evento em Pernambuco | Astrologia e imaginário nordestino |
Ângela Brainer
- Astrologia e imaginário nordestino | A cosmovisão popular e o reencantamento da ciência |
Martha Perrusi - Astrologia e imaginário nordestino | O ástrologo-almanaqueiro do Sertão |

 


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva