Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 102 :: Dezembro/2006 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

NOVAS PROPOSTAS

Éris, novo regente de Touro?

Raul V. Martinez

Um símbolo para Éris

A UAI rebaixou Plutão, regente de Escorpião, para a categoria de planeta anão e também incluiu Éris nessa categoria. Mas, em termos astrológicos, tudo indica que Éris possua a mesma importância que Plutão e os demais planetas trans-saturninos. Por isso, Éris também deve ter um símbolo que o represente, pelo menos nas figuras astrológicas.

Qual seria um símbolo adequado para Éris?

Considerando ser o círculo associado ao Espírito; o arco de círculo associado ao Emocional, e a cruz associada à Matéria: o símbolo do Sol possui apenas o componente espiritual; o símbolo da Lua possui apenas o componente emocional, e o símbolo da Terra tem uma parte espiritual e outra material.

Quando se observam os símbolos planetários usuais, constata-se que círculos e cruzes, quando presentes, aparecem uma única vez no símbolo, enquanto os arcos de círculos, no mesmo símbolo, podem aparecer uma ou duas vezes. Isso ocorre inclusive com o símbolo da Lua, formado por dois arcos de círculo. Parece que o tamanho dos elementos que compõem os símbolos e os comprimentos dos arcos de círculos não têm importância.

Mercúrio possui dois símbolos usuais. Um deles com um arco na parte superior e outro com dois arcos. Nos símbolos de Mercúrio estão presentes os três componentes, círculo, arco ou arcos de círculo e a cruz, mas em ordem considerada não perfeita, pois o Espírito está abaixo do Emocional. Na base, no lugar correto, está a Matéria. Essa "imperfeição", de um jeito ou outro, ocorre em todos os símbolos planetários onde os três elementos estão presentes. Os símbolos com dois elementos, também não seriam perfeitos do ponto de vista terrestre, por não possuírem um elemento. O símbolo do Sol, ligado ao Espírito, seria o único perfeito, embora sem os componentes emocionais e materiais.

Os símbolos de Vênus e de Marte possuem os componentes ligados ao Espírito e à Matéria, sendo esses símbolos um o inverso do outro. O símbolo da Terra também é composto pelos mesmos elementos dos símbolos de Vênus e de Marte - está entre eles, a cruz não está abaixo, nem acima do círculo, está no interior do círculo. Essa posição intermediária coincide com as posições de suas órbitas. A órbita da Terra está entre as órbitas de Vênus e de Marte. Para evitar possíveis erros de leitura nas figuras astrológicas, o símbolo de Marte normalmente tem sua cruz substituída por uma seta - uma agressiva seta, concordando com a natureza do planeta.

Júpiter e Saturno também possuem símbolos um o inverso do outro, formados pelo elemento emocional e pelo elemento material. No símbolo de Júpiter a cruz está na parte de baixo. No símbolo de Saturno a cruz está acima. O símbolo de Saturno é o único símbolo planetário com mais de um elemento que possui o componente emocional na parte de baixo. Mais ainda, além do símbolo da Lua, esses símbolos de Júpiter e de Saturno são os únicos que não possuem um eixo vertical de simetria - aqui não está sendo considerado o símbolo derivado de Marte (com a seta), nem o símbolo formado pelas letras P e L, unidas, as vezes utilizado para Plutão.

Os símbolos comumente utilizados para Urano, Netuno e Plutão possuem os três componentes: o do Espírito, o do Emocional e o da Matéria. Um dos símbolos utilizado para Plutão (inclusive na Fonte TTF empregada na elaboração do Quadro das Regências e Exaltações visto acima) - o último da seqüência de símbolos ao lado, apresenta acima o círculo, o Espírito, seguido do Emocional e abaixo a Matéria. Devido a essa ordem "correta" dos elementos, esse símbolo tem sido considerado inadequado para Plutão, o rei dos infernos. Assim, deixando de considerar esse símbolo, se constata que os símbolos usuais de Urano, de Netuno e de Plutão têm por base o símbolo de Marte, ou seja, um círculo embaixo com uma cruz sobre ele. Os arcos (ou arco) de círculo estão colocados acima ou do lado da cruz. As figuras desses símbolos, como foi dito antes, possuem eixo vertical de simetria.

Proposta de símbolo para Éris

O símbolo de Éris, à semelhança dos símbolos dos três planetas anteriores, com órbitas após Saturno, deve igualmente ser composto por um círculo, uma cruz e por um ou dois arcos de círculo dispostos em torno de eixo vertical de simetria. Para que seja diferente desses símbolos, sua base de construção não pode mais ser Marte, e sim Vênus. O fato de Éris ser o regente de Touro, junto com Vênus, concorda com essa condição de o símbolo de Éris ser construído a partir do símbolo de Vênus. Assim, do símbolo de Éris já se conhece a posição da cruz e do círculo. Falta apenas conhecer a posição do arco ou arcos de círculo.

Se o arco (ou arcos) for colocado acima do signo de Vênus, obtém-se um dos símbolos de Mercúrio. Se o arco for colocado entre o círculo e a cruz, tem-se aquele símbolo inadequado para Plutão. Também inadequado para Éris, pois a base do símbolo passa a ser da natureza de Júpiter (arco sobre cruz). Se o arco (ou arcos) for colocado abaixo da cruz, a base do novo símbolo também muda, deixando de ser Vênus para ser Saturno. Ou seja, resta a alternativa de serem colocados dois arcos nas laterais da figura. Se colocados junto do braço horizontal da cruz, obtém-se o símbolo invertido de Urano, que é inadequado, por Éris não ser o oposto de Urano, e sim oposto ou complementar a Plutão. Com isso sobra apenas a possibilidade de se colocarem os dois arcos nas laterais do círculo, como está na figura - tangenciando o círculo em pontos um pouco abaixo do centro, para evitar confusão de leitura com o símbolo de Urano. Curiosamente, o símbolo obtido para Éris possui certa semelhança com a cabeça de um touro, vista de frente. Também semelhante à Constelação de Touro, sempre representada apenas pela cabeça e o pescoço do animal.

Saiba mais sobre Raul V. Martinez.



Atalhos de Constelar 102 - Dezembro/2006 | Voltar à capa desta edição |

Equipe de Constelar - Que signo é regido por Éris? | Um pouco de mitologia |
Raul V. Martinez - Éris, novo regente de Touro? | Aplicando Éris em situações atuais | Éris no mapa de personalides | Um símbolo para Éris |
Marcelo "Cronos" Brasil - Comportamento | Gêmeos e o Império da Lógica |
Silvia Ceres - Astrologia e Filosofia | Confúcio ou o ideal de Libra |

Edição anterior:

Carlos Hollanda - Seqüestros no ônibus e ao telefone | O caso do ônibus 499 em Nova Iguaçu |
Márcia Mattos - Lançamento de O Livro da Lua 2007 | O que não fazer com planetas retrógrados |
Silvia Ceres - Um balanço de Plutão em Sagitário | Emergentes, estranhos e miseráveis | Os distúrbios em Paris, ou a obscuridade da Cidade-Luz |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva