Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 90 :: Dezembro/2005 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

MITOLOGIA E LITERATURA

O mito da Moira

Eugenia Maria Magnavita Galeffi

Um escritor italiano traz para o mundo contemporâneo a marca da Moira, ou da tragicidade compulsiva, e tematiza questões, como a determinismo e do livre arbítrio, que sempre foram caras a todos os astrólogos.

 


"…nada é tão vivo, nem tão atuante quanto a alma grega,
cuja marca indelével facilmente se reconhece…"
Guida Nedda B. Parreiras Horta

Imagem: templo de Juno em Agrigento, Sicília.

 

Escritor genovês de origem siciliana e professor de Literatura Italiana da Universidade de Roma III, Sergio Campailla demonstra, através de toda a sua obra, as marcas da cultura helênica enraizadas na antiga Magna Grécia: válvula de escape para a transmissão do seu fazer poético. Trágico por excelência, os seus romances e contos têm como fio condutor a marca da Moira ou tragicidade compulsiva.

 


Campailla, no seu livro Il Paradiso Terrestre, objeto do nosso estudo, faz uma ponte entre o passado ultra milenar e o presente. Tendo como pano de fundo a atual herança da civilização grega, o Vale dos Templos, em Agrigento [abaixo] , o escritor em questão vai tecendo o seu romance, entremeado de intertextualidades pós-modernas, assim como de mitos e figuras da cultura grega e universal (Ulisses, Eros e Thánatos, Caim e Abel e tantos outros), com maestria e vigor, dignos de um verdadeiro artista. Os elementos da tradição insular combinam muito bem com os problemas sociais da Sicília moderna dos anos Oitenta, levando-nos a diversas leituras: mitológica, psicológica, sociológica, simbólica, inclusive esotérica.

Para uma melhor compreensão, vejamos o que viria a ser exatamente Moira.

Na cultura grega arcaica, Moira significava "parte" ou "quinhão", vocábulo derivado do verbo "meiromai", "dividir" [1]. Deusa distribuidora das partes, era o nome mais comum para designar a divindade do Destino. Por outro lado, a denominação latina de destino é "fatum", particípio passado de fari, "falar", assim como "Fatae" ("aquelas que falaram") e as "Parcae" ("aquelas que fazem parir") são as deusas fatais da religião romana.

Martin Nilsson, como historiador, diz que a noção de parte possui um valor sociológico, além de um valor próprio, abstrato e "leigo", isto é, o destino seria a "parte" ou o "papel" que uma sociedade hierarquicamente organizada tem para com cada um dos seus cidadãos [2]

Em Homero às vezes significava a parte da vida decretada para cada indivíduo, ou seja, a sorte que era pré-estabelecida desde o nascimento, segundo o pensamento religioso comum aos gregos e a quase todos os povos da antiguidade; às vezes num sentido mais limitado, dizia respeito à duração da existência individual e coletiva. Outras vezes, em Homero, confunde-se com a própria morte ou com a vontade de Zeus.

A Moira (Moira) essencialmente simbolizava a lei suprema da vida cósmica, à qual até os próprios deuses estavam sujeitos.

Não é possível estabelecer com certeza se já, antes de Homero, "Moira" fosse representada como coletivo, mas é muito provável que sim, devido à origem antiquíssima do esquema trinitário e em geral das concepções múltiplas de divindade. Em Delfos eram duas as Moiras veneradas e na gigantomaquia tomavam parte duas Moiras, armadas com clavas. Na sua mais antiga representação, no vaso François, estavam retratadas como quatro. Mas a imagem mais conhecida e mais freqüente entre os líricos e os trágicos e em toda a literatura posterior são as três Moiras.

Quando concebidas em número de três chamam-se Cloto ("a fiandeira") - símbolo dos altos e baixos que cada qual vive entre acontecimentos tristes e alegres); Láquesis ("a que distribui" a cada um a própria sorte); Átropos (a "imutável" ou a "inelutável", que ninguém consegue aplacar quando é chegado o momento da própria morte) [3].

Platão, na República, fala das fiandeiras que tecem nosso destino. A fábula de Her, o Armênio - que ressuscita doze dias após a morte - conta como as Moiras determinavam a nossa vida aqui na terra..

Em Ésquilo, a divindade em maior evidência, ao lado da Justiça, Díke (Dikh), é a Moira.

Na época da difusão da astrologia, Moira vai se relacionar com a astrologia na medida em que Moirai são os "graus" do círculo zodiacal com os quais se calcula a posição dos planetas no quadro do horóscopo.

É importante lembrar também da relação existente entre as Moiras e a lua. Como é sabido, nas culturas primitivas, o romântico satélite exerceu um papel mitogênico, ligado tanto à noite (pelo seu caráter noturno), quanto à fecundidade (pela sua relação com as águas) e ainda devido à sua ciclicidade natural (por causa da periódica presença astronômica). Tal relação com a lua é atribuída, tardiamente, a fontes derivadas da filosofia e da astrologia.

Não podemos negar que a relação com a lua esteja ligada à idéia de tempo. De fato, Hesíodo considera as Moiras como irmãs das Horas [4], além de filhas tanto da Noite [5], como da união de Zeus com Themis [6].

Na verdade, o conceito de "tempo" (chrónos) na religião grega nunca se separou do de Moira, nem do ponto de vista fatalista, nem do ponto de vista mitológico.

A Moira está presente em toda a obra de Sergio Campailla, e em modo particular no seu romance Il Paradiso Terrestre.


Sergio Campailla nasceu em Gênova em 24 de novembro de 1945 e sua família tem antigas raízes sicilianas. Com formação em Letras e Filosofia, é professor de Literatura Italiana da Universidade de Roma. Romancista e conferencista, conduziu seminários em diversas partes do mundo, inclusive no Brasil (Salvador e Rio de Janeiro). Significativamente, a foto que Sergio Campailla escolheu para ilustrar seu próprio website mostra-o tendo ao fundo a Zona Sul do Rio.

Ao longo do seu texto, Campailla consegue resgatar a origem helênica contida no gens siciliano que por um lado está arraigada no próprio povo da Nova Magna Grécia, e do outro, se origina no grande amor pelos estudos clássicos, pilar de sua cultura. De fato, em Il Paradiso Terrestre o escritor em tela extrai da atmosfera natural de Agrigento, com seus templos gregos, o cenário ideal para uma neo-tragédia fantasiada de romance.

Assim como seu autor, o personagem Vanni Corvaia é genovês de origem siciliana e por isso não se sente nem completamente siciliano, nem tampouco genovês. Vai para a Sicília em busca da própria identidade. Ele procura inconscientemente, através das raízes da nobre origem materna, um sentido para a sua vida. Tencionando ir até Módica, cidade de origem materna (também do próprio Campailla), detém-se em Agrigento para visitar os templos. Como arquiteto-arqueólogo não podia escolher melhor lugar, tanto como profissional, quanto para poder dar asas à sua fantasia mítica. Nada mais romântico do que conhecer uma grega, linda e morena como sua mãe, que lhe corresponde e que ainda por cima tem o nome de Penélope. Por outro lado, Vanni tinha deixado em Gênova a namorada Elena (Helena), nome sugestivo no contexto da Hélade.

NOTAS:

[1] P. Chantraîne, Dictionnaire Étimologique de la Langue Grécque . Paris: Éditions Klinchsieck, 1983, p. 679.
[2] Cf. A. Magris. L'idea del destino nel pensiero antico. Trieste: Del Bianco, 1984, vol. I, p. 41.
[3] Cf. F. Magnavita. A essência do drama em Ésquilo. Salvador, Bahia, 1961, p. 154.
[4] Ibidem, p. 53.
[5] Hesíodo. Teogonia. A origem dos deuses. São Paulo: Iluminuras, 1991, vv. 217-219, p. 117.
[6] Ibidem, vv. 904-906, p. 157.

O tema da Moira no Paradiso Terrestre e na obra de Ésquilo



Atalhos de Constelar 90 - dezembro/2005 | Voltar à capa desta edição |

O batismo cristão dos deuses pagãos | Designações astrológicas | Nenhum nome é casual? | Um exercício de aproximação |
O mito da Moira | As Moiras na mitologia grega | A Moira em Sergio Campailla e em Ésquilo |
25 anos sem John Lennon | O mapa do nascimento e o mapa da morte |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva