Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 92 :: Fevereiro/2006 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ASTROLOGIA E PSICANÁLISE

Sujeito e Destino

Luiz Roberto Delvaux de Matos

Astrologia e psicanálise têm em comum o uso do mito como elemento constitutivo da base de seus respectivos discursos.

Astrologia e psicanálise são duas formas de teorizar o sujeito que se desenvolveram de maneiras distintas. Entretanto, as duas tiveram como base de sua interlocução os mitos. A astrologia é por essência mitológica, tendo em vista que foi constituída através da tradição oral dos povos. A psicanálise encontrou em seu fundador - Sigmund Freud - o homem que soube perseverar, na escuta de um inconsciente que revolucionaria o conceito de sujeito.

Se o mito do Édipo-Rei forneceu à concepção freudiana a base de sua metapsicologia, os diversos mitos existentes auxiliaram a astrologia na interpretação dos mapas individuais. Os conceitos metapsicológicos do mundo Real, Imaginário e Simbólico apoiaram Jacques Lacan - outro importante psicanalista - na sua busca por desvendar o aparelho psíquico. Esses conceitos podem e devem ser aplicados no estudo e análise astrológica de um mapa, entendendo-se a carta natal como um direcionamento na vida do sujeito, enquanto o trabalho clínico psicanalítico permite estudar e auxiliar o sujeito sobre a forma - o sentido - na qual está entendendo este norteamento (subjetivação).

Assim, podemos dividir o mapa natal em três outros círculos, que indicam a existência e a ex-sistência de nossa interioridade. Nesse sentido, as duas teorias se complementam / suplementam, permitindo um entendimento maior de nossos caminhos, enquanto sujeitos.

Para Freud (1911), "o Real se determinará, em um primeiro tempo, tendo a noção de fantasia incorporada como substituto da satisfação pulsional - a realidade se definirá como a vertente externa da frustração." (Dicionário Enciclopédico de Psicanálise: o legado de Freud e Lacan. Editado por Pierre Kaufmann. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1996.)

Dessa forma, toda e qualquer passagem de um planeta ou luminar pela casa 12 (ver esquema abaixo) de um mapa astrológico, remete o sujeito a esse estado de frustração, ao lidar com a realidade - objeto do "gozo do outro". Lacan evidencia que o ego da criança, sobretudo em virtude da pré-maturação biológica, constitui-se a partir da imagem de seu semelhante, construindo o mundo imaginário. A partir do "estádio do espelho", há uma identificação parcial na qual sucedem-se as fantasias da imagem fragmentada do corpo, definida no interior dos três sistemas citados - Real, Imaginário e Simbólico - em que se acasalam sujeito e objeto.



Na oitava casa (ver esquema acima), ocorre a castração simbólica de um objeto imaginário, remetendo o sujeito a uma emasculação do falo absoluto do pai onipotente. Em um mapa astrológico ocorre esta castração simbólica, transformando o sujeito através de seus relacionamentos, alternando presença / ausência do ser amado. O mundo Simbólico designa a ordem dos fenômenos estruturados como linguagem. É o termo utilizado para designar a lei que funda esta ordem. Lacan criou a expressão "pai simbólico" ou "Nome-do-Pai" para designar uma instância que não se reduz ao pai real ou imaginário e que promulga a lei.

Na astrologia, os fundamentos da quarta casa (ver esquema) remetem a um estado de "privação" a qualquer planeta ou luminar que ali se evidencie, destinando o sujeito a um sentimento de incompletude correspondente ao gozo fálico - um alívio incompleto da tensão inconsciente.

Através deste artigo, procuramos conceituar e interligar, de forma breve, o possível aproveitamento de duas teorias, esperando com isso que um debate possa ser aberto - de forma mais clara e sem preconceitos - em prol de uma melhor compreensão do ser humano.

Saiba mais sobre Luiz Roberto Delvaux de Matos.



Atalhos de Constelar 92 - Fevereiro/2006 | Voltar à capa desta edição |

Plutão e o Conde de Monte Cristo | Por que O Conde de Monte Cristo é plutoniano |
O auge como início da derrocada: o exílio
| A nova identidade |
Perfil |
Alexandre Dumas, uma vida de romance |
Astrologia Tradicional | Antecipando a doença de Ariel Sharon |
Previsões confirmadas
| O impagável George W. Bush |
Tributo a Ademar Eugênio de Mello | Ademar, muito mais do que astrólogo |
Astrologia e Psicanálise | Sujeito e Destino |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva