Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 139 :: Janeiro/2010 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

MEMÓRIA DA ASTROLOGIA BRASILEIRA

A última palestra de Valdenir Benedetti

Raul V. Martinez

Valdenir Benedetti 4

Valdenir Benedetti 5

Terceira parte: de Touro a Libra

Lua em Touro, a criança pobre - Sua grande prisão é o medo de ver-se empobrecida, tendo de enfrentar dificuldades. Por isso, está sempre correndo atrás da prosperidade. Quando criança, era ameaçada com a possibilidade da miséria caso não fizesse aquilo que os adultos consideravam correto. Em resposta, desenvolve um comportamento cauteloso e conservador.

Lua em Gêmeos, a criança estúpida - Quando criança, duvidavam de sua capacidade de aprender e expressar-se de forma inteligível. Cresce acreditando que só será amada se for capaz de ter uma explicação para tudo.

Lua em Câncer, a criança sufocada - Recebe amor em quantidade asfixiante quando criança. É superprotegida, até o exagero. Cresce desejando libertar-se de quem a sufoca mas ao mesmo tempo com sentimentos de culpa por esse desejo. Acaba reproduzindo o comportamento de afeto sufocante.

Lua em Leão, a criança especial - Cresce acreditando que precisa ser especial e destacar-se de alguma forma. Daí, acaba reagindo de forma pouco saudável, expondo-se ao ridículo na busca de ser o centro das atenções. É o típico caso da mulher-melancia e suas congêneres.

Lua em Virgem, a criança inútil - Quando criança, sente-se muito ferida ao ouvir frases como "você não serve pra nada". Daí, desenvolve a necessidade de ser útil a qualquer custo, o que a leva a ser servil, subserviente, para obter aprovação.

Lua em Libra, a criança solitária - Quando criança é acusada de querer isolar-se e ameaçada com a possibilidade de tornar-se solitária, o que a faz crescer com medo de passar um minuto que seja sozinha. Estar só significa, para ela, não ser amada.

Quarta parte: de Escorpião a Peixes

Lua em Escorpião, a criança traída - Todas as crianças sofrem pequenas traições durante a infância - o pai, por exemplo, que viaja prometendo trazer um brinquedo e volta de mãos vazias - mas a criança de Lua em Escorpião traduz essas decepções cotidianas como manifestações de desamor. Daí desenvolve um permanente medo da traição, que é, na verdade, o medo de ver suas expectativas frustradas.

Lua em Sagitário, a criança desmoralizada - De alguma forma, essa criança passou por experiências de desmoralização, de perder seu lugar de forma humilhante. Isso marcará sua vida, levando-a, como mecanismo compensatório, à necessidade de fazer algo grande, exagerado.

Lua em Capricórnio, a criança abandonada - Quando criança, passou por alguma experiência que interpretou como abandono, ou foi abandonada de fato. Quando adulta, mantém uma atitude de reserva, não querendo ligar-se a nada nem a ninguém com medo de ser abandonada outra vez.

Lua em Aquário, a criança rejeitada - "Ponha-se no seu lugar senão você vai ser rejeitada", é o que muitas pessoas com Lua em Aquário escutam quando crianças. Quando adultas, o medo de serem consideradas diferentes e rejeitadas mais uma vez leva-as a um comportamento grudento, mas de forma tão sutil, simpática e agradável que nem sempre os outros a percebem como a pessoa "pegajosa" que realmente é.

Lua em Peixes, a criança sacrificada - Quando criança, foi ou imaginou ser sacrificada por algum motivo. Quando adulta, tende a reproduzir esse mecanismo de forma doentia, sentindo-se na obrigação de sacrificar-se para merecer amor.

O argumento utilizado pela família para reprimir a criança tende a ser indicado pela casa em que se encontra o dispositor da Lua. Exemplo: com o dispositor na casa 2, a criança ouvirá algo do tipo "se não fizer o que estou mandando, você será sempre pobre". Já com a Lua na 6, "se você não fizer o que estou mandando, vai acabar doente", e assim por diante. É sempre a ameaça de uma condenação, funcionando como um poderoso condicionamento que aprisiona a pessoa a comportamentos socialmente aceitos.

Quinta parte: o fecho da palestra

Na última parte da palestra, Valdenir, lembrando que a ruptura de padrões antigos e estagnados é responsabilidade de cada pessoa, faz humor com o último tipo de criança: a "criança sem vergonha", aquela que, independentemente do signo, reconhece os padrões que precisam ser superados e, mesmo assim, recusa-se a fazê-lo.

Valdenir Benedetti 4

Valdenir Benedetti 5

Nota do editor - O resgate desta palestra mostra a importância do trabalho daqueles que vêm, nos últimos anos, investindo na preservação da memória da Astrologia Brasileira. É gente como, para citar apenas alguns, Alexey Dodsworth e seus registros em vídeo, Edil Carvalho & Nadia Oliveira e suas dezenas de depoimentos coletados em áudio, Robson Papaleo e o projeto dos CBA's - Cadernos Brasileiros de Astrologia. Sem falar em todos os que editam autores nativos (em vez de simplesmente traduzir americanos pasteurizados) e pesquisam as raízes históricas de nossa Astrologia em suas dissertações de mestrado. A construção do conhecimento é um processo coletivo, e só essa consciência é que dará significado ao trabalho de todos que nos precederam.

Outros artigos da Equipe de Constelar.
Outros artigos de Valdenir Benedetti.
Outros artigos de Alexey Dodsworth.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Fernando Fernandes - Terremoto no Haiti | O mapa da tragédia | Zilda Arns, a heroína virginiana |
Raul V. Martinez
- Novas propostas | Vênus e os pentágonos estrelados | Bill Gates e Nova Iorque |
Silvia Bacci - Astrologia e Cinema | Ensaio sobre a cegueira |
Fernando Fernandes - Astrologia Coletiva | O fracasso do COP-15: quanto mais quente melhor |
Fernando Fernandes - O caso do menino Sean | O estilo Capricórnio de resolver problemas |
Equipe de Constelar - A última palestra de Valdenir Benedetti | O resgate em vídeo | Lua e criança interior |

Edições anteriores

Raul V. Martinez - Astrologia Eletiva | Os fundamentos | Seis casos práticos |
Carlos Hollanda - Comportamento | Entendendo Saturno em Libra |
Hanna Opitz - Pesquisa | Um novo mapa para um novo Brasil |
Fernando Fernandes - Astrologia Esportiva | Flamengo, o mais querido | O significado simbólico dos urubus |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva