Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Arquivos de Constelar - Edição 04 :: Outubro/1998 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

MEDITAÇÃO E ASTROLOGIA

Os Vedas e a iluminação

Waldemar Falcão

O mito da expulsão do paraíso, tão enraizado na nossa civilização judaico-cristã, parece nunca ter existido no inconsciente coletivo da cultura Védica. Como a origem desta "expulsão" se encontra localizada na perda de contato com o sentido sagrado e divino da vida e da própria existência individual, e na sua interrelação com o Macrocosmo que nos rodeia, fica mais fácil compreender porque a cultura Védica nunca experimentou esta "queda".

A primeira coisa que sempre associamos com a Índia são as palavras iluminação e Guru, que aliás são complementares: Guru em sânscrito significa "aquele que traz a luz". Não é por acaso que os dois pilares básicos da prática védica são a Meditação e a Astrologia; através destes dois conhecimentos essenciais, os hindus puderam manter sempre avivados os seus instrumentos de iluminação.

No Ocidente, dois pensadores importantes aprofundaram e traduziram este conceito tão vago para nós: Carl Gustav Jung o batizou de "individuação", e o definiu como "...tornar-se um ser único, homogêneo, que gradualmente (...) reduz a camada do inconsciente pessoal que recobre o inconsciente coletivo (...), colocando o indivíduo numa comunhão incondicional, obrigatória e indissolúvel com o mundo". Abraham Maslow (1908-1970), um dos pioneiros da Psicologia Humanista (foto), chamou esta experiência de "auto-atualização" (Self-Actualization), e sintetizou-a na afirmação: "Eu penso no homem auto-atualizado não como um homem comum a quem alguma coisa foi acrescentada, mas sim como o homem comum de quem nada foi tirado; o homem comum é um ser humano completo com poderes e capacidades amortecidos e inibidos".

O que se vê, portanto, é que o significado da iluminação está muito mais em realizar-se ("actualize") o potencial latente do ser humano do que em acrescentar-se algo exterior a este ser. Neste sentido, a Meditação e a Astrologia representam caminhos diversos, duais e complementares de se experimentar a relação de unidade com o Cosmos: a primeira nos leva na direção do Microcosmo, da interiorização e da (re)descoberta da nossa Centelha Divina (Atman) pulsando no lótus do coração, e restabelecendo a partir daí a nossa ligação com o Todo através da "comunhão incondicional com o mundo" citada por Jung; a segunda nos remete ao Macrocosmo, ao Universo Exterior (Brahman), e nos mostra através do estudo do Mapa Natal que essa interligação com o Todo é um fato "impresso" na nossa psique no momento do nascimento, e que os planetas, casas e signos do Zodíaco estão também dentro de nós mesmos.

A sensação de isolamento da pessoa que não consegue se "re-ligar" com a Totalidade surge, segundo os Vedas, de uma atitude que em sânscrito se chama Pragyaparadha, o erro do intelecto; pelo prisma do intelecto, incorremos no equívoco de nos acharmos separados da realidade que nos rodeia. Desta forma, na nossa relação com a Vida, vão existir sempre três componentes: o Observador (Rishi), o Processo de Observação (Dévata) e o Observado (Chhandas) como entidades distintas, separadas.

Na prática da Meditação, como conseqüência natural da interiorização, o meditante se torna o Observador, o Processo de Observação e o Observado, fundindo Rishi, Dévata e Chhandas no Samhita (Totalidade), e resgatando a experiência de unificação de si próprio com o Todo à sua volta: não há divisão, a unidade é experimentada diretamente, vivenciada.

Na prática da Astrologia, esta unidade é percebida a partir da constatação de que o Universo/Criador (Rishi), o Processo da Criação (Dévata), e a Criatura (Chhandas) estão interligados através dos planetas, signos e casas do Zodíaco.

É fácil, portanto, entendermos porque a Cultura Védica nunca se considerou alijada do processo evolutivo da Criação, e porque as maiores revelações técnicas e filosóficas na direção da Iluminação/Individuação/Auto-Atualização surgiram na Índia, particularmente nas florestas e montanhas dos Himalaias, que continua a ser a região do nosso planeta onde se encontra melhor preservada a Sabedoria Universal.

Outros textos de Waldemar Falcão.



Atalhos de Constelar 04 - outubro/1998

Constelar 04 | Voltar à capa desta edição |

Memória da Astrologia Brasileira | Nova Era: a Era de Aquário numa visão de 1972 | 1983: Astrologia Espaço/Tempo |
Como foi o Primeiro Encontro Aberto de Astrologia em 1984 | 1985: vereadores de olho num congresso de Astrologia |
Meditação e Astrologia | Os Vedas e a iluminação |
Fazendo Astrologia no Interior de São Paulo | Matando um leão por dia |
Astrologia, ciência e preconceito | O abre-alas da respeitabilidade |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva