Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 159 :: Setembro/2011 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ASTROLOGIA E MITOLOGIA

Aquário e a caixa de Pandora

Adonis Saliba

Uma compreensão de Aquário a partir do mito da caixa de Pandora e da análise da representação gráfica do signo. Caminhar em Aquário é seguir uma senda escura e sem limites, num fluxo explosivo.

Este artigo é a transcrição da palestra de Adonis Saliba apresentada em 21 de novembro de 1998 no XI Congresso de Astrologia da SARJ (Teatro do Leblon, Rio de Janeiro). Manteve-se o tom coloquial e bem humorado da fala original. Como a palestra foi originalmente voltada para um público de astrólogos profissionais, acrescentaram-se notas explicativas para a melhor compreensão de alguns conceitos.

PandoraJúpiter, Vulcano e Minerva fizeram a primeira mulher e Mercúrio lhe deu a argúcia [1]. Ela, feita de argila, foi agraciada com todos os dotes. Chamou-se Pandora, Pan Doron do grego, que significa o presente de todos os deuses para os homens. E foi dada por Júpiter a Epimeteu, aquele que vê depois, que a aceitou de bom grado. Prometeu, aquele que vê além das fronteiras e do tempo, já havia advertido a Epimeteu, seu irmão, para que não aceitasse nenhum presente de Júpiter. Mas só depois que o aceitou é que Epimeteu notou o infortúnio que havia ganhado. [2]

Pandora é o destino do homem e foi aceita pelo homem. A raça humana, até então, vivia tranquila, sem maldades, livre da fadiga e das doenças, mas quando Pandora, por simples curiosidade de mulher, abriu a caixa que havia trazido do Olimpo como um presente de núpcias a Epimeteu, dela saíram todas as calamidades e ruindades que atormentam os homens. [3] Só a Esperança permaneceu dentro da caixa, pois Pandora colocou rapidamente a tampa no intuito de desfazer o mal que havia feito. Ela, Pandora, é o símbolo que marca o início da degradação da raça humana.

Mas restou a Esperança. É disso que precisamos em todos os momentos de transição.

Pandora simboliza o homem e o seu contexto na Era de Peixes. É o ser dicótomo que vive o mundo dos males que cria, mas que continuamente se vê investindo em atos para descobrir meios de minimizar os seus próprios problemas. É um contínuo desafio. Exatamente por isso, tem medo. Este medo, gerado pela vontade de avançar, é saudável. No entanto, o medo do desconhecido, por simples receio de perder o status atual, é uma utilização irresponsável de nossa capacidade de criar e de mostrar que temos possibilidades de fazer um mundo melhor e mais digno.

A Era de Aquário é o futuro, e a sua chegada, a partir da confusa Era de Peixes, sinaliza no sentido da mudança e da incerteza. Isto é viver a síndrome de Pandora. O futuro representa uma caixa que temos de aceitar e que temos de abrir. A Esperança certamente existe, mas dentro desta caixa estão também todas as maldades humanas que conhecemos. A passagem para uma nova era é trilhar um caminho sem volta, tecido pelas ampulhetas do tempo. É o avançar para um novo momento em que o destino pode não nos reservar as benesses do mundo atual. A bomba atômica – ou o mundo ctônico de Plutão – ainda aterroriza e nos deixa instáveis, pois sabemos que um simples ato insano pode comprometer a sociedade humana como um todo.

Em um único século, nós, seres humanos, conseguimos por em risco toda a humanidade, a Terra e seus seres viventes e inanimados em nome da busca de uma felicidade torpe baseada em facilidades mil, de plásticos confortáveis e da superalimentação de alguns povos privilegiados, em contraste com a fome que ainda assola a terra negra da África ou os escravos mandchus da Ásia superpopulosa. Isto é felicidade? Para alguns sim, para nós talvez, mas certamente não representa a natureza com toda a sua força criativa e potente. A felicidade se mostra em um figurino de roupas cálidas e charme questionável; o homem se vende a uma torpe dignidade; e nem os mais requintados aromas poderiam encobrir a indecência de caráter em que o ser humano se enlameou dentro de um mundo sem princípios morais.

Quantos mestres da arte não nos presentearam com suas nuances de cores e tons harmoniosos nas sinfonias, sem que para isto exigissem o dinheiro injusto do trabalho escravo? Hoje em dia, vemo-nos inundados de informações televisivas desconexas e estereotipadas que nos apresentam um mundo de felicidade utópica e fantasiosa. A imensidão de lares pobres e amontoados vê novelas irreais, que exibem a opulência para um Brasil descamisado e devedor dos bilhões de dólares que representam sua escravidão a um mundo globalizado e – por que não? – hitlerizado. Temos saídas?

O símbolo de Aquário

Glifo de AquárioVamos tentar penetrar um pouco mais fundo no símbolo de Aquário. Este símbolo é o único no zodíaco a expressar um grande desconforto, pois em nenhum de seus pontos temos uma acomodação confortável: são serrilhas (ou ondas) que, se estiverem fora de fase, mostram uma trituração, um subir e descer de dentes pontiagudos, lembrando mais um ato de mastigação do que qualquer outro motivo [4]. Alguns podem dizer que estas ondas são de água. Perfeito, vem da ânfora de Ganimedes servindo a ambrosia aos Deuses, mito por demais incômodo para os mais tradicionalistas, pois põe em dúvida até mesmo a honra do pai dos deuses, colocando-o na condição de um homossexual [5]. Isto também pertence a era de Aquário. A convivência do homem com o homossexualismo é algo muito difícil e incômodo para ser encarado de frente. Héteros contra Homos também está estampado neste símbolo de Aquário. Veja que as ondas são iguais, mas em níveis diferentes, e não especulares ou complementares, como na relação entre homem e mulher. Em Aquário, as ondas não são complementares, são iguais. É o mundo de busca da igualdade. Por isto é uma luta de titãs, júpiteres e prometeus [6].

Ganimedes e ZeusÀ direita: Ganimedes servindo vinho a Zeus/Júpiter.

Nem sempre esta convivência é pacífica e, normalmente, lembra a morte. Insiste-se ainda em que seja uma representação da água, mas afirmo que de lunar e canceriano nada tem este símbolo de Aquário. Ao contrário, ele é a expressão do lógico e do evolutório. Os símbolos e signos aquosos, como o símbolo de Câncer, são braços sensuais e envolventes, em carícias gordinhas. Também nada tem a ver com o símbolo de Peixes que, em formas arredondadas, alongadas e atadas, expressa a vontade de viver em dois mundos, sendo um e sendo o outro. Nada tem a ver também com o símbolo lascivo de Escorpião que, nas curvas voluptuosas de um M, representa um animal pronto para o sexo e a procriação. Não, definitivamente Aquário não é Água. Poderia ser Fogo. Vejo, nas diversas "ondas", várias pontas do signo de Sagitário. Seriam diversos "sagitários"... uau! Um Sagitário já é difícil de controlar, quanto mais vários! Piadas à parte, o símbolo de Aquário tem mais significados que podemos não perceber completamente, mas que guardam relação com uma mudança de era, de gestação de uma nova forma de pensar e de agir. Sim, este signo tem a ver com os signos de Ar. Com os gêmeos querendo se separar, mas tendo as suas barras verticais – o tema do ar espiritual – jungidas por traves horizontais que os aprisionam em um plano terreno. Tem a ver com Libra, que já conseguiu uma bolha única de ar entre as suas barras.

Quanto ao símbolo de Aquário, deveríamos desistir de analisá-lo, pois é muito complexo, mas vamos tentar. Nestas duas serras, perdemos as barras ou formas físicas que expressam a noção de uma fácil acomodação e adotamos serrilhas ou ondas, incômodas por natureza, pois em nada indicam estagnação ou aceitação de um estado pré-definido. Tudo está por definir na forma física deste símbolo. O ar aparentemente é solto, mas está em um canal que o induz a uma movimentação contínua, num fluxo forçado. Certamente, não é um fluxo laminar. Ao contrário, temos uma situação de turbulência do ar entre as paredes deste canal com arestas. Dentro de Aquário, você é arremessado para todos os lados. Mas assim é o fluxo do saber e de adquirir mais conhecimentos. Neste símbolo, você está presente em três épocas: no passado – a serrilha ou onda inferior; no presente – a turbulência do ar no interior do símbolo; e no futuro – na serrilha ou onda superior.

Aquário é uma contínua evolução, é um símbolo que tematiza uma contínua labuta pelo progresso, um contínuo trabalho mental. Neste símbolo vê-se o prometéico progresso do homem. Vejamos o porquê. Nenhum símbolo pode ser lido em uma única direção. Alguns são óbvios, pois induzem uma única direção, como o de Sagitário e o de Áries, ou as curvas do Leão, que levam à cabeça do espermatozóide, ou as curvas da Virgem que, no voluptuoso corpo, acabam-nos deixando sem a esperança de sexo [7]. No símbolo de Touro, aprisiona-se uma bolha de ar e ainda põe-se um peso em cima, como se Touro quisesse para si na totalidade dos tempos o fogo da sabedoria de Prometeu. Capricórnio, que não decidiu ainda entre a densidade de seus símbolos, prefere mostrar-se às vezes como uma cabra que espera pelo tempo, às vezes pelo "Tau", símbolo do próprio tempo. Não, Aquário é o signo prometéico que, visto no sentido vertical, leva o homem de uma situação turbulenta a outra pelo espaço interior do ar turbulento do saber. Ele consegue sair de uma margem e chegar a outra, ele sai de seu corpo físico basal e atinge seu corpo mental. É a dicotomia da evolução.

Para passar de uma margem a outra deste rio de conhecimento, ele não navega, ele simplesmente é arremessado pela energia elétrica de seus neurônios, não em estado mediúnico pisciano, ou na lógica virginiana, ou na paciência capricorniana. Em um estado aquariano, o fluxo de idéias é nervoso, é contraditório, a evolução é difícil. A passagem nunca é suave. Aí pergunto: será que ela realmente ocorre? Da teoria elétrica, o símbolo de Aquário é um capacitor dentro de um circuito: após um acúmulo de elétrons em uma posição, e em função do dielétrico interno das duas armaduras, ocorre, em um determinado momento, um fluxo explosivo. Caminhar em Aquário é caminhar em uma senda sem limites e por vezes escura. É o evoluir das épocas, a busca de esclarecimento.

Acho que passamos um pouco do que é Aquário. Mas certamente há muito mais.

Notas do Editor:

[1] O autor utilizou aqui a denominação latina dos deuses gregos Hefesto (Vulcano), Atena (Minerva), Zeus (Júpiter) e Hermes (Mercúrio).

[2] Na mitologia grega, Prometeu, o Previdente, era filho de um dos titãs e irmão de Epimeteu, Aquele que Pensa Depois. Sobre o mito de Pandora, vale transcrever o seguinte verbete, que sumariza a lenda:

Hermes, Epimeteu e Pandora

Cerâmica grega mostrando Hermes, Epimeteu e Pandora.

Prometeu foi considerado o criador da raça humana. Teria feito o homem amassado em argila e água, ou talvez com suas lágrimas, e na sua criatura Atena insuflara alma e vida. Enquanto reinou Crono foram iguais os homens e os deuses. Com o advento dos olímpicos, Zeus quis impor aos homens a supremacia divina. Fêz-se uma reunião entre mortais e imortais (...) para determinar que parte das vítimas dos sacrifícios deveria pertencer aos homens e quais aos deuses. Encarregado da partilha, Prometeu abateu um boi enorme, pôs de lado as vísceras, a carne e os pedaços mais gordos; do outro arrumou perfidamente os ossos recobertos de toicinho reluzente. Zeus, convidado a escolher, optou pelo segundo lote mas quando, afastando a gordura, só encontrou a brancura dos ossos, ficou tão indignado que jurou vingança. Para servir aos homens, roubou de Hefesto um pouco do fogo da forja e deu-o a eles. Dizem outros que o fogo foi roubado das rodas do carro do Sol. Então Zeus, para se vingar de Prometeu e dos homens, mandou que Hefesto fizesse uma virgem de beleza sem igual, de argila umedecida com água, dando-lhe voz humana e força vital. Todas as divindades concederam dons à nova criatura, de onde o seu nome Pandora, isto é, todos os dons. Hermes, por último, lhe pôs no coração a perfídia e os discursos enganadores. E então Zeus a enviou de presente a Epimeteu. Embora prevenido pelo irmão de que não devia aceitar nenhum presente do deus, Epimeteu, enlevado com a beleza da primeira mulher, tomou-a para si, fazendo-a viver entre os humanos. Trazia Pandora uma caixa fechada, sem saber o que continha. Cheia de curiosidade, abriu-a e terríveis males escaparam e se espalharam pela Terra. Somente a esperança ficou guardada na caixa. E assim, o mal fez sua aparição no mundo. Contudo não ficou ainda apaziguada a cólera de Zeus. Resolveu afogar a Humanidade, e para isso mandou o dilúvio. Mas Prometeu velava. Seu filho Deucalião (...), a conselho do pai, construiu uma embarcação e nela se encerrou com a esposa. Durante nove dias e nove noites vogaram sobre as ondas. No décimo dia as águas pararam de subir, os dois sobreviventes desceram no cimo do Monte Otris. Foi concluída a paz entre Zeus e os homens, por intermédio de Deucalião, mas Prometeu devia sofrer o castigo de suas astúcias e de sua insolência contra os deuses. Por ordem de Zeus, Hefesto (...) encadeou Prometeu ao Monte Cáucaso, fixando-o com liames indestrutíveis. Uma águia deveria bicar-lhe eternamente o fígado que, devorado de dia, renasceria à noite. Não abatia, no entanto, nem o orgulho nem a revolta de Prometeu. Trinta mil anos durou o seu castigo. (GUIMARÃES, Ruth. Dicionário da Mitologia Grega. SP, Cultrix, 1982.)

Não é difícil encontrar nesta narrativa similitudes com dois mitos registrados no Velho Testamento: o da criação do primeiro homem, Adão, a partir do barro e a perda da condição edênica por intermédio da figura feminina (paralelismo entre Eva e Pandora); e a narrativa do dilúvio e da sobrevivência de apenas um casal destinado a repovoar o planeta, seja na versão grega, seja na judaica.

[3] O mito da caixa de Pandora encontra ressonância nos mitos iorubanos da África Ocidental, vários dos quais têm como ponto de partida a entrega por Olodumaré (o deus maior) a um dos orixás de uma cabaça ou saco cujo conteúdo é desconhecido. O orixá que recebe o presente varia de região para região, podendo ser Obatalá, Odudua ou Oranian. Numa das lendas, Obatalá, depois de ser levado por Exu a embebedar-se com vinho de palma, perde a cabaça para seu irmão Odudua, o qual, ao abri-la, encontra uma substância negra a partir da qual surgem a terra firme e tudo que nela existe. Outra lenda fala de uma cabaça de onde escapa a escuridão. A humanidade, que vivia num dia perpétuo, é obrigada, a partir de então, a conviver com a alternância entre o dia e a noite, estado de dualidade que guarda correspondência com a dicotomia entre o bem e o mal. O papel instigador de Hermes, no mito grego, pertence, entre os iorubanos, a Exu. Tanto Hermes quanto Exu remetem à função de Mercúrio: a diferenciação mediante o uso dos recursos da linguagem e da lógica.

Glifos dos Signos

[4] A partir deste ponto, o autor começa a discutir as possibilidades de interpretação das representações gráficas de cada signo. Tais representações estão na imagem à direita.

[5] Ganimedes é apresentado nos mitos gregos como um mortal de extrema beleza que, pastoreando rebanhos nas proximidades de Tróia, acabou por despertar a atenção e o desejo de Zeus, que assumiu a forma de águia e raptou o rapaz, levando-o pelos ares. O componente de atração homossexual é, portanto, bem nítido nesta lenda.

[6] Sobre Júpiter (Zeus) e Prometeu, ver a nota [2]. Quanto aos titãs, eram seres monstruosos, filhos de Géia, a Terra, e de Urano, o Céu. À medida que nasciam, eram encerrados pelo pai nas profundezas da terra. Com a ajuda de Géia, um dos titãs, Cronos, castrou o pai e libertou os irmãos, criando uma nova dinastia. Contudo, também Cronos passou a devorar os próprios filhos, o que gerou nova revolta e lutas terríveis.

[7] As representações gráficas tanto de Virgem quanto de Escorpião lembram uma letra M, caprichosamente desenhada. Contudo, a perna final do M está levantada em Escorpião, como um animal que levantasse a cauda e expusesse seus órgãos genitais para o ato da procriação. Em Virgem, entretanto, esta "cauda" está retraída, como se protegesse e escondesse o sexo.

Leia também: De Nostradamus às guerras de Bush e Obama

Leia outros artigos de Adonis Saliba.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Adonis Saliba - Entendendo Aquário | Aquário e a caixa de Pandora | Nostradamus e as guerras de Bush e Obama |
Raul V. Martinez - Teoria | Casa IV, sempre significadora de mãe |
Blogs de Constelar - Eventos | Jornada Gaúcha | Sinarj e Apocalipse |

Edições anteriores

Divani Mogames Terçarolli - Mitologia | Três signos, três histórias e seus arquétipos paternos |
Divani Mogames Terçarolli -
Comportamento | O papel de pai em tempos de Plutão em Capricórnio |
Ana Maria González
-
Música e ciclos de planetas lentos | Beethoven e a Nona Sinfonia |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva