Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
Edição 07 - Janeiro/1999 [republicado em janeiro/2009] :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ASTROLOGIA E CULTURA DE MASSA

Manchete: a revista, a TV, o homem

Fernando Fernandes

Manchete: uma rede de alto risco

Rede Manchete

Rede Manchete - 5.6.1983 - 19h - Rio de Janeiro - 22s54, 43w12

O Ascendente da estréia da Rede Manchete, segundo horário informado pelo astrólogo paulista Zeferino Costa, é o décimo-primeiro grau de Capricórnio. As imagens simbólicas para este grau são:

Capricórnio 11 – Um rei em seu trono se reclina para acolher um mensageiro que, profundamente inclinado, lhe apresenta um pergaminho selado.

ou - Um rei coroado recebendo uma mensagem.

Contudo, parece mais cabível a imagem associada ao grau seguinte, correspondente a uma entrada no ar cinco minutos mais tarde:

Capricórnio 12 – À luz da Lua, um cão estimulado por seu dono persegue uma raposa que esta adiante e ganha terreno.

ou – Um homem correndo com todas as suas forças.

Temos nesta segunda figura analogias que parecem mais de acordo com a história da Rede Manchete: o cão (a equipe de subordinados) estimulado por seu dono (o entusiasmado Adolpho Bloch), à luz da Lua (um ambiente noturno, associado ao sonho, aos projetos quiméricos), tentando perseguir uma raposa (a maior concorrente, a Rede Globo) que está adiante e ganha terreno (que cada vez se distancia mais nos índices de audiência). O “homem correndo com todas as suas forças” dá bem a idéia desta rede que, na tentativa desesperada de firmar-se no gosto do espectador e escapar da insolvência financeira, experimentou os mais diversos caminhos, até chegar à completa exaustão.

O regente do Ascendente da Rede Manchete é Saturno na 10, exaltado em Libra e conjunto a Plutão. Todavia, o regente de Libra, Vênus, está em quadratura com Saturno e Plutão, fornecendo uma indicação duplamente perigosa: dificuldades para a obtenção de um lugar ao sol (Vênus rege o Meio do Céu) e para a consolidação de um espaço no coração dos telespectadores (Vênus está na casa 7, significadora de público). Como este planeta é também regente da 5 (criatividade, teatro – no caso, teleteatro, ou seja, novelas), entende-se porque as produções da Manchete sempre tiveram mais dificuldade para manter bons índices de audiência do que as de sua rival, a Globo.

O eixo 3-9, essencial para qualquer veículo de comunicação de massa, não apresenta qualquer planeta. O regente da cúspide da 3, em Peixes, é Netuno na 12 em conjunção com o Nodo Sul, um posicionamento um tanto difícil, dada sua natureza restritiva. O significado é claro: dificuldades de comunicação, inclusive do ponto de vista técnico. O astrólogo paulista Zeferino Costa, que foi o engenheiro responsável pela preparação da emissora para a entrada no ar em São Paulo, já tentara alertar para os riscos do mapa da estréia. Não foi ouvido. A Manchete estreou apenas com imagem, mas sem áudio.

O regente da 9 é Mercúrio, isolado na casa 5 em Touro, sem qualquer aspecto maior. Touro é um signo mudo. Netuno, regente da 3, está na 12, uma casa de isolamento e silêncio.

PantanalA melhor configuração desta carta é a que mostra Júpiter domiciliado em Sagitário, na casa 11 e regendo a 12, em trígono com Vênus na 7 e com a Lua na 4, em Áries, regente da 7. Esta conjugação de aspectos fluentes envolvendo planetas significadores de popularidade indica um caminho que a Manchete poderia ter explorado, e que passa pelo aproveitamento de conteúdos da casa 12: misticismo, fé, situações de exclusão social e tudo aquilo que normalmente permanece encoberto ou que pertence ao domínio do inconsciente. O melhor momento da história da Manchete foi a novela Pantanal, em 1990, que mostrou uma faceta do país até então ignorada pelos brasileiros de áreas urbanas. O slogan adotado na época pela rede poderia ter gerado frutos bastante saborosos, caso fosse transformada em política permanente: “O Brasil que o Brasil não conhece”. Mas vale notar que, em momentos de queda de audiência, os executivos da Manchete pareciam intuir o sentido do mapa da emissora, apelando para temas com nítida relação com a casa 12. Assim foi com a novela Kananga do Japão, ambientada num bordel da Praça Onze (centro do Rio de Janeiro) nos anos vinte, e com os muitos programas e documentários que abordaram o sobrenatural, o esotérico e o mundo cão de travestis, prostitutas e outros grupos marginalizados.

Documento EspecialAo contrário da Globo, a Manchete jamais conseguiu estabelecer uma opção estética e estilística claramente definida. Concebida para ser uma emissora voltada para a classe A – um nicho de mercado mais exigente do que o público da Globo – muitas vezes mudou de rumo e voltou-se para as classes C e D, competindo pela mesma clientela do SBT. Basta observar o mapa para perceber a inconsistência das tentativas de implantar um padrão perfeccionista e clean, como o da principal concorrente: Plutão, o planeta das tintas fortes, ocupa o lugar mais elevado, na casa 10. Sua quadratura com Vênus remete a uma estética carregada, intensamente emocional, barroca e cheia de insinuações sexuais. A Manchete sempre teve um pendor pelo sexo hardcore, até o limite permitido pelos padrões morais de uma TV aberta. As cenas de nudismo em Dona Beija e Pantanal e a obsessão da emissora pelo bas-fond de prostitutas e garotos de programa é um reflexo do aspecto Plutão-Vênus, reforçado pelo materialismo sensual de Mercúrio em Touro na 5. A criminalidade e a violência urbana também foram temas muito explorados, seja nos documentários (Documento Especial, Manchete Verdade) seja nas novelas, uma das quais, em 1988, foi ambientada numa favela e toda construída em torno da questão do tráfico de drogas. A Globo, ao contrário, sempre foi extremamente cautelosa ao mostrar mazelas sociais, preferindo filtrar a realidade brasileira e oferecer doses de violência sob a forma de enlatados americanos.

Plutão conjunto a Saturno na casa 10 pode ser também um indicador de como a Rede Manchete era dirigida: de forma tradicional, centralizada e patriarcal, no estilo de Adolpho Bloch e seus auxiliares diretos. Observe-se que o elemento mais dinâmico no mapa da emissora – a conjunção Júpiter-Urano em Sagitário – encontra-se bastante enfraquecido, dada a proximidade com a cúspide da casa 12.

A crise financeira que afetou a Rede Manchete no final dos anos 90, e que motivou, inclusive, a transferência do controle das emissoras para um grupo financeiro de São Paulo (operação mal sucedida e mais tarde anulada), agravou-se nos últimos tempos com uma seqüência de trânsitos difíceis: no início de 1999 Plutão se encontrava em órbita de oposição com o Marte e o Sol natais na casa 6, dos trabalhadores assalariados e das relações trabalhistas. Todos os funcionários estavam em greve. Netuno transitava na cúspide da 2, indicando indefinições na área financeira e a possibilidade de que operações equivocadas do passado viessem a minar o que ainda restava de patrimônio: as Empresas Bloch deviam milhões de reais ao INSS, aos governos estadual e federal e sob a forma de pendências trabalhistas. Saturno, finalmente, aproximava-se da cúspide da casa 5, deixando claro que a Manchete teria de trabalhar muito duro caso pretendesse ainda oferecer uma contribuição criativa e original à televisão brasileira.

No início de 1999, a tendência era de que a insolvência do grupo chegasse a um beco sem saída. Várias revistas da Bloch Editores – inclusive a própria Manchete – estavam com a circulação suspensa; a TV perdera todos os seus recursos humanos, e sequer vinha conseguindo levar ao ar os telejornais diários. O homem que corria com todas as suas forças, conforme descrição do grau simbólico do Ascendente, parecia ter caído ao chão, exausto. Restava saber se era o fim de um ciclo ou o fim definitivo de todo um império. A resposta veio cinco meses depois, com o anúncio da venda da rede ao empresário Amilcare Dallevo. Desaparecia de vez a Rede Manchete para dar lugar à Rede TV!.

As datas da Rede Manchete

5.6.1983 - Estréia. Nos primeiros tempos, a Manchete tenta manter uma linha de programação voltada para a classe A. A Marquesa de Santos é a primeira minissérie da emissora.

XuxaJaneiro de 1985 - Estréia de Clube da Criança, apresentado por Xuxa.

1985-1989 - A Rede Manchete já está endividada, mas tenta manter-se com grandes investimentos: a novela Dona Beija (abril de 85), a Copa de 86, as transmissões do carnaval carioca, a estréia de Angélica (abril de 87) e a superprodução Kananga do Japão (agosto de 88). Em setembro de 1988 estréia Documento Especial, um documentário que faria sensação com seu estilo sensacionalista e polêmico.

Março de 1990 - Apesar da dívida crescente, estréia de Pantanal, maior sucesso da história da Rede Manchete.

Junho de 1992 - Adolpho Bloch vende a Manchete para o grupo IBF, que demite centenas de funcionários e dá um calote nas dívidas. Bloch retoma a emissora com uma liminar na justiça em 1993, mas a situação financeira já está bem pior e a pendência judicial continuará até 1999, contribuindo fortemente para a insolvência da rede.

Brasil 95 Manchete1995-1996 - Reerguimento da audiência da emissora, com programação mais popular e por vezes apelativa.

Novembro de 1995 - Morte do fundador, Adolpho Bloch.

Setembro de 1996 - Estréia de Xica da Silva, último grande sucesso da emissora. Com o fim da novela, em 1997, a Manchete começa a perder audiência e anunciantes.

Agosto de 1998 - Agrava-se a crise: os funcionários param de receber e vão abandonando a emissora.

Janeiro de 1999 - Acordo da Manchete com a Igreja Renascer em Cristo, que assumiria a rede. Contudo, a igreja não cumpriu o acordo financeiro.

16.05.1999 - Venda da Rede Manchete de Televisão para o empresário Amilcare Dallevo, dono da Tv Ômega e um dos sócios da Teletv, empresa que explorava serviços de 0900.

Bibliografia

BLOCH Editores. Manchete – Edição especial 45 anos – outubro de 1997, contendo a história da revista e a biografia de seu fundador.

MORAIS, Fernando. Chatô: Rei do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

SILVA, Flávio Porto e. As fases da Telenovela Brasileira (incluindo histórico, sinopses e datas de lançamento). In: http://www.riopreto.com.br/araujo/novela/entrev.htm

Sites: http://www.redemanchete.net e http://www.fortunecity.com/lavender/tomatoes/792/bloch.htm.

Outros artigos de Fernando Fernandes.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Alexey Dodsworth e Roseane Debatin - Astrologia e Medicina | Signos Fixos e Vampirismo |
Fernando Fernandes - Manchete: a revista, a TV, o homem | Perfil de Adolpho Bloch | Manchete, uma rede de alto risco |
Raul V. Martinez - O Brasil visto no mapa da Bovespa | As origens | Do Estado Novo aos tempos do Real |
Floriano Caldeira Possamai - Novas tendências em Informática | Inteligência Artifical aplicada à Astrologia |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva