Revista Constelar Revista Constelar

 

 

 
 
 
ASTROLOGIA MUNDIAL

Caracas! Um dia, três presidentes!

Fernando Fernandes

 

Hugo Chávez

Plutão parece ativar a carta da Venezuela mesmo bem antes de ser descoberto, no início dos anos 30. A revelação da existência deste planeta é antecedida de poucos anos pela "revelação" da riqueza ignorada até aquela época. Na verdade, a exploração comercial do petróleo praticamente coincide com o anúncio da existência de Plutão e com uma mudança de direção de vastas conseqüências na economia venezuelana e em sua projeção internacional.

É Plutão também que define o traço mais forte da sinastria entre o presidente Hugo Chávez e seu país.

Planetas da carta de Hugo Chávez (círculo externo) sobre a carta da Independência da Venezuela. Dos planetas de Chávez, está em destaque o isolado Marte em Sagitário em confronto com o grupo de nove planetas contidos dentro da área de um trígono (delimitado em vermelho).

Hugo Chávez nasceu em Sabaneta, Venezuela, no dia 28 de julho de 1954. Calculando seu mapa solar (sem levar em conta as casas), destaca-se o stellium em Câncer, que é também o signo solar da Venezuela. Júpiter de Chávez está em conjunção com o Sol do país, indicando uma fácil identificação dos venezuelanos com seu dirigente. O stellium em Câncer também mostra Chávez como alguém capaz de alimentar o sentimento nacionalista ou nativista de seus conterrâneos.

O mapa de Chávez é um Leque onde nove planetas concentram-se no espaço de um trígono e Marte, único planeta isolado, exerce a função da alavanca, ou do cabo que move o leque. Assim, esse Marte em Sagitário assume grande importância, exercendo um papel determinante. Marte é significador essencial de militares (Chávez era oficial do exército). Sagitário é um signo de aventuras e grandes ideais, expressando bem o ousado projeto de reformar todo a estrutura política e econômica do país a partir de uma uma nova constituição elaborada por uma assembléia soberana. Se lembrarmos que Sagitário é o significador da ordem jurídica, é fácil entender porque Chávez insiste tanto na tese de que "o poder constituinte é a vontade primária e soberana do povo que se manifesta na criação de uma constituição".

Quando Urano e Netuno em trânsito ainda ativavam por oposição o Sol radical da Venezuela, em 1991 e 1992, Chávez tentou assumir o poder mediante um golpe de estado. Acabou preso e, no cárcere, escreveu um documento intitulado Como sair do Labirinto, com propostas para uma renovação política de seu país. Em 6 de dezembro de 1998 chegou ao poder pelo voto, numa eleição cujo mapa apresenta quatro planetas em Sagitário, todos ativando a casa 1 do mapa da Venezuela. O sentido é claro: o país queria mudar a imagem que tinha de si mesmo (Ascendente) e experimentar um reinício. Foi também um voto de raiva e de protesto da população mais pobre, descontente com a desigualdade social (Marte da eleição em quadratura exata com a Lua na casa 2 da Venezuela).

A crise de abril, passo a passo

Ou pule direto para:

Analisando o mapa da Venezuela
Como as potências européias cobram seus empréstimos
Gómez: o mapa de um tirano com muita sorte
Chávez de volta ao poder... e Bush, o que fará?


Anterior | Próxima | Sumário desta edição | Índices

© 1998-2004 Terra do Juremá Comunicação Ltda.