Revista Constelar Revista Constelar

 

 

 
 
 
O SIMBOLISMO DE NOSSA SENHORA APARECIDA

"Ilumina a mina escura e funda..."

Fernando Fernandes

 

Um dia, em 1717, uma imagem de Nossa Senhora da Conceição surgiu das águas do rio Paraíba do Sul. Com ela surgiria uma cidade inteira e uma das mais importantes manifestações de fé do mundo: o culto a Nossa Senhora Aparecida. Entenda astrologicamente o significado da Padroeira do Brasil e suas vinculações com Cabral, com Lula e até com o lendário rei Artur.

Nos idos de 1717, o Vale do Paraíba paulista era o caminho natural para Minas Gerais, cujo território começava logo depois da travessia da Serra da Mantiqueira. Do outro lado, já nas montanhas, chegava-se a Baependi (perto da atual Caxambu) e daí seguia-se até São João Del Rei e Vila Rica.

Na noite de 16 de outubro a vila de Santo Antônio de Guaratinguetá apresentava um movimento fora do normal, pois o Conde de Assumar, novo governador da Capitania de São Paulo e Minas Gerais, estaria no dia seguinte, um domingo, de passagem pela localidade. Para agradar o governador, o Capitão-mor da vila deu ordem aos pescadores que levassem suas canoas e redes para as águas do Paraíba, e delas retirassem a maior quantidade possível de peixes. Contudo, os cardumes pareciam ter adivinhado o risco. Lançavam-se as redes e nada se pescava. Por volta da meia-noite, todos os barcos já haviam desistido, menos dois: o de Domingos e João Alves Garcia, pai e filho, e o de Felipe Pedroso, cunhado de Domingos. Passaram-se as horas e, com o dia prestes a surgir, os dois barcos encontravam-se num ponto conhecido como porto de Itaguaçu, bem longe do local de partida. A narrativa do que ocorreu a seguir está no Almanaque de Nossa Senhora Aparecida:

Numa última tentativa atiraram suas redes na água. Ao tentarem retirá-las do fundo do rio, uma delas deu sinal que havia pego alguma coisa. A esperança voltou e as redes saíram das águas. Entretanto, ao invés do brilho prateado das escamas dos tão desejados peixes, o que os três viram foi a negritude do corpo de uma imagem que representava a Virgem Maria. O corpo estava ali, inerte e preso às malhas da rede. E a cabeça? Com o corpo da imagem colocado no fundo da canoa, novamente a rede foi lançada às águas. Retirada com muita calma e expectativa, trouxe em seu bojo a cabeça da imagem antes pescada. A surpresa tomou conta dos três pescadores. Depois, experimentaram e viram que a cabeça ajustava-se perfeitamente ao corpo, formando uma imagem da Imaculada Conceição.

Rio Paraíba na região de Aparecida. As águas do rio sempre foram barrentas.

A imagem havia aparecido nas águas do rio Paraíba. Durante quinze anos a imagem da Senhora Aparecida esteve em poder de Felipe Pedroso, que a entronizou em sua modesta casa.

Mal sabia ele que aquela imagem negra, feita de terracota queimada, iria transformar a vida de Vila de Santo Antonio de Guaratinguetá, provocaria o surgimento de uma cidade, seria coroada Padroeira do Brasil, atrairia para junto de si milhões e milhões de peregrinos e teria sua atual Basílica sagrada por um Papa.

Esta é a origem do culto. O resto é história: aos poucos, a gente simples da região passou a parar aos pés da imagem para uma oração. Vieram as primeiras ocorrências inexplicáveis, a fama da santa se espalhou e, em meados do século XIX, multidões já acorriam para a região em romaria. Em 1868 a própria Princesa Isabel veio visitar pessoalmente a imagem. Aos poucos, o Estado e a Igreja se davam conta da dimensão do culto que se formara em torno daquela Nossa Senhora negra. Mas seria preciso esperar até 1930 para que o Papa Pio XI proclamasse Nossa Senhora Aparecida padroeira do Brasil.

Tentemos agora compreender os elementos simbólicos e astrológicos desta história. Ao fazê-lo, estaremos lançando luz sobre alguns elementos importantes da constituição da identidade do Brasil como nação - ou seria como Estado, entidade política? Deixemos que as próprias evidências nos guiem. Os dados mais significativos são:

- A emersão da imagem, que vinha do fundo das águas;
- Sua descoberta por pescadores no final da madrugada, com o sol prestes a nascer;
- A emersão do corpo da santa antes da cabeça.

Comecemos com o óbvio. Os primeiros apóstolos de Cristo foram pescadores, e o próprio Cristo se denominava um "pescador de homens". A conexão com Peixes, signo regente do Cristianismo é mais do que evidente. As águas são um símbolo universal do feminino, do irracional, do afetivo, do arcaico, da matriz original. Toda a vida surgiu das águas, sendo este o elemento que guarda o mistério de nossas origens. A emergência da imagem que já surge pronta do fundo das águas barrentas do rio tem o sentido de recuperação de um símbolo que vem das entranhas do passado, ou do inconsciente, ou de ambos. No mundo masculino e patriarcal que os portugueses tentavam implantar na colônia, eis que ressurge a Grande Mãe, a dimensão mais afetiva e maternal da divindade, presente em todas as culturas. A Afrodite grega também nasce das águas, do sêmen de Urano em contato com as espumas do mar, da mesma forma como das águas surgem também os orixás femininos africanos, Iemanjá e Oxum.

O Cristianismo, que nos primórdios supervaloriza o princípio masculino consubstanciado num Deus de características patriarcais e num Cristo másculo, aos poucos se deixa contaminar pelos cultos arcaicos aos quais se superpôs e dá uma nova forma ao arquétipo da Grande Mãe na pele do culto à Virgem Maria. A imagem que surge das águas do rio Paraíba é, significativamente, uma Nossa Senhora da Conceição, ou seja, aquela cujo atributo mais evidente é exatamente a possibilidade de conceber e gerar a vida. Astrologicamente, Nossa Senhora é um símbolo de limites muito vastos, que abarca de uma única vez o universo conceitual dos três planetas que expressam características femininas: Lua, a mulher que concebe, nutre e protege; Vênus, a que ama, embeleza e suaviza; e Netuno, a que traz a misericórdia e a libertação da matéria. Observe-se que a rede que "pesca" a estatueta é um utensílio regido pela Lua; os barcos, as águas barrentas, tudo remete aos três planetas mencionados e aos signos de Água.

Libra no Ascendente: a imagem surge das águas

1717: o começo de tudo
Libra no Ascendente: a imagem surge das águas
O mapa do Descobrimento já anunciava Aparecida
Arcos solares confirmam o Ascendente da padroeira
A relação de Lula com N. S. Aparecida
Nossa Senhora agredida
O bispo que chutou a santa em cadeia nacional
O mapa de 1931: Aparecida padroeira do Brasil

Anterior | Próxima | Sumário desta edição | Índices

© 1998-2004 Terra do Juremá Comunicação Ltda.