Revista Constelar Revista Constelar

 

 

 
 
 
A VIDA E A OBRA DE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

Uma Pedra no Meio do Caminho

Paula de Pinho Falcão

 

Usando duas diferentes abordagens, o zodíaco tropical e o zodíaco sideral, a astróloga paulistana Paula Falcão analisa a personalidade singular do maior poeta brasileiro e faz o inventário do conteúdo astrológico de alguns de seus mais conhecidos poemas.

Drummond - As raízes

Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira, MG, em 31 de outubro de 1902, às 6 horas da manhã, nono filho de uma tradicional família da cidade.

Seu pai, Carlos de Paula Andrade, era um fazendeiro onde se combinavam as tendências tradicionalistas da oligarquia rural mineira com uma tendência a "acompanhar o progresso" do início do século.

Sua mãe, Julieta Augusta, era uma típica filha das elites da época, preparada para o casamento, os filhos, a devoção à igreja católica e ao marido.

A infância de Carlos é passada no casarão da família, numa Itabira onde o minério de ferro já era explorado pela então Itabira Iron, companhia inglesa que dividia com os fazendeiros o domínio econômico da cidade. Convive com vizinhos, negras da cozinha do casarão onde morava e especialmente com um santeiro da cidade, em cuja oficina Carlos passava a maior parte do tempo lendo revistas e livros.

A adolescência é vivida entre a casa e a freqüência a dois colégios: o Arnaldo, de Belo Horizonte e o Anchieta, de Friburgo. Deste, é expulso por "insubordinação mental", fato que muda completamente sua visão da vida. Segundo suas próprias declarações, este fato o fez perder a Fé, tempo e a confiança na justiça dos que o julgavam.

O início da idade adulta é passado na Belo Horizonte da década de 20, então com 50 mil habitantes, entre intermináveis conversas com outros jovens intelectuais mineiros no Café Estrela, a procura pelas novidades na Livraria Alves e o flerte com as moças no Cine Odeon.

Também nessa época Drummond se forma em Farmácia, profissão que nunca exerceu, casa-se com Dolores, a companheira até o fim da vida, e tem sua filha, Maria Julieta.

Depois de algum tempo de volta em Itabira, onde tenta sem sucesso ser fazendeiro, Drummond passa a ser funcionário público, em Belo Horizonte e no Rio de Janeiro, e a colaborar em vários jornais. Com isto sustenta-se até o fim da vida.

Autor de vastíssima obra, entre poesias, contos e crônicas, Drummond foi uma das maiores expressões da literatura brasileira de todos os tempos.

A carta tropical de nascimento de Drummond nos mostra Sol, Lua e Ascendente em Escorpião, com Sol e Lua na casa 12.

Carlos Drummond de Andrade - 31.10.1902 - 6h LMT - Itabira, MG - 43w13, 19s37

O homem
A obra
A missão de vida


Anterior | Próxima | Sumário desta edição | Índices

© 1998-2004 Terra do Juremá Comunicação Ltda.