Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 101 :: Novembro/2006 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

A ASTROLOGIA NA CONTEMPORANEIDADE

A singularidade do mapa
e a cultura do narcisismo

Kátia Lins

Quando fazemos uma leitura de mapa não estamos no reino das semelhanças, mas das analogias, e é isso que caracteriza a astrologia como um saber de grande importância para a afirmação da singularidade do sujeito e de resistência à cultura do narcisismo que "aniquila a alma".

Já faz alguns anos que tenho pensado e desenvolvido um trabalho de "escuta" sobre a universalidade dos símbolos astrológicos e sua transmissão que sempre se dá pela linguagem, isto é, pelos discursos que caracterizam o contexto histórico e cultural de uma época. Dito de outra maneira, ainda que os símbolos se mantenham como "atemporais", é somente na linguagem e na cultura que podem ser transmitidos, vivenciados e subjetivados. Desse modo, é inevitável que sofram modificações de leitura. O mundo contemporâneo, como sabemos, se constitui sob a égide de uma ideologia globalizante que nos impõe a "clonagem psíquica" como modelo de subjetividade. Isso quer dizer que, sob essa ideologia, a singularidade, o estilo próprio, a ética e o desejo de cada um são tratados como algo que deve ser eliminado, pois a singularidade é diferença que ameaça a ilusão das identidades que se assemelham quase idênticas. Chamemos esse modelo cultural de cultura narcísica, isto é, uma cultura de espelhamentos de EUS que refletem uns aos outros e, assim, o que deveria ser concebido como "diferença absoluta" é experienciado psiquicamente como "diferença entre semelhantes". Podemos compreender a "diferença entre semelhantes" como produtora de rivalidades e como sustentáculo da violência, porque nesse jogo de espelhamento entre "eus" a identidade constituída na semelhança provoca a ilusão de apaixonamento e de idolatria, enquanto as diferenças entre semelhantes evocam o ódio. Dito em outros termos, entre semelhantes qualquer diferença é intolerável pois ameaça a perda do EU. Isso é facilmente constatável nas rivalidades entre irmãos que se assemelham em peso, altura e idade ou em qualquer outro fator e que não toleram tratamentos diferenciais de seus pais, imaginando privilégios para o outro. Do mesmo modo, a competição que se dá entre pessoas de uma mesma classe econômica, social e cultural. No que diz respeito à "diferença absoluta", ela não se encontra nesse jogo de semelhanças e de espelhamento mas de reconhecimento da alteridade e o que promove o respeito pelo outro em sua singularidade de existência.

Astrologia e Singularidade

Mas o que tem a ver a astrologia com tudo isso? A astrologia é um saber que visa à singularidade do sujeito, ou seja, sua prática demonstra que cada sujeito é único ao criar significados e sentidos próprios para o seu mapa astrológico, ainda que todos tenhamos os mesmos símbolos no mapa ou que vários outros "nascimentos" ocorram sob um mesmo céu. Em outros termos, a astrologia é uma linguagem que se faz por analogia, e não por semelhança. Pensemos nas palavras do velho e sábio Hermes: "O que está em cima é ANÁLOGO ao que está em baixo e o que está em baixo é ANÁLOGO ao que está em cima". Neste adágio, o termo "análogo" não pode ser substituído por SEMELHANTE ou IDÊNTICO. O que estou dizendo é que o termo análogo é de suma importância para a compreensão da linguagem astrológica. Como astrólogos, sabemos que a seguinte seqüência de termos: chumbo, dente, coluna vertebral e instituição (etimologicamente, instituir é por algo de pé) nos remetem a uma linguagem de correspondência analógica com o planeta Saturno, e não de semelhança. Ninguém é ingênuo ao ponto de dizer que existem "semelhanças" entre Saturno e um "dente" ou entre um "dente" e um pedaço de "chumbo". Portanto, quando fazemos uma leitura de mapa não estamos no reino das semelhanças mas das analogias, e é isso que caracteriza a astrologia como um saber de grande importância para a afirmação da singularidade do sujeito e de resistência à cultura do narcisismo que "aniquila a alma".

Voltando à questão da transmissão do simbolismo pela linguagem, gostaria de pensar sobre os valores simbólicos de algumas casas astrológicas tais como são os das casas de Água, a casa 4, a 8 e a 12 e suas relações atuais, principalmente com a casa 10. As casas de Água, cada uma a seu modo, nos falam de privacidade e de intimidade. Entretanto, é fácil percebermos que os assuntos a elas correspondentes, como Família, Sexo, Morte, Fé, Sabedoria do Inconsciente, etc, se transformaram em assuntos de casa 10, isto é, o que era antes considerado como íntimo e privado passou a ser visto por todos (casa 10) em forma de espetáculo (casa 5). As pessoas são levadas a acreditar que é preciso ser famoso a qualquer preço, ainda que para isso tenha que se fazer sexo para todo mundo ver nos "reality shows" ou expor assuntos familiares, como brigas de família ou exames de DNA, em programas que mais parecem um "circo dos horrores". Sob a lona desses circos, a mensagem que nos é dada é: "roupa suja se lava em público" e serve de graça para todos e é "de graça". Sob essa grande lona não há espaço para a singularidade, pois querem nos fazer todos semelhantes, quase idênticos. Estaremos todos diante de um único espelho d'água netuniano que nos traz a ilusão de estarmos apaixonados por imagens de "EUS" idênticos (uma distorção do simbolismo de Vênus)? Por falar nisso, o que é namorar nos dias de hoje? Como fica o simbolismo de casa 5, Vênus, Marte, casa 8, que são símbolos envolvidos nas relações chamadas "afetivas"? Seria algo que hoje traz consigo a mesma efemeridade dos valores impostos pelo mercado financeiro (eixo casa 2 e 8)?

Beijando bocas

Quem viu um episódio do seriado de TV Cidade dos Homens que tratava sobre "o Baile de Sábado" poderá associá-lo com os adolescentes que recebo em meu consultório e que me dizem que em uma só noite são capazes de beijar até 10, 15, 18 bocas. Não são pessoas, são BOCAS. Todas são semelhantes quase idênticas, pois, se houvesse diferença absoluta, não haveria essa "repetição do mesmo".

Pensando em tudo isso é que acho importante que façamos encontros entre os astrólogos para que possamos trocar nossas experiências de leituras sobre mapa e pesquisas. Como profissionais de um saber que se relaciona intimamente com o psiquismo humano, não podemos deixar de nos preocupar sobre como se formam as subjetividades no mundo contemporâneo. Devemos pensar se estamos trabalhando no registro da analogia ou se estamos enfatizando as semelhanças narcísicas. Dito em outros termos, devemos nos questionar se ao fazermos uma leitura de mapa estamos, realmente, possibilitando aos nossos clientes que construam um estilo de vida próprio, isto é, abrindo possibilidades de construção, desconstrução e reconstrução de novos significados para cada existência, ou se, por receio de encararmos a alteridade, propomos uma "cola" entre simbolismo e significados, imobilizando, assim, a beleza do vir-a-ser.

Outros textos de Kátia Lins.



Atalhos de Constelar 93 - Março/2006 | Voltar à capa desta edição |

Kátia Lins - Astrologia e contemporaneidade | A singularidade do mapa e a cultura do narcisismo |
Luiz Roberto Delvaux de Matos - Astrologia e Psicanálise | O mito de Prometeu e o elemento Fogo |
Vanessa Tuleski - Prática profissional | Quanto vale uma consulta? |
Dimitri Camiloto - Ciclos planetários e questões incômodas | Plutão em Leão: onde mora o perigo |
Raul V. Martinez - Astrologia Tradicional | Graus tenebrosos e infernais em Claude Dariot | Como William Lilly aplicava a técnica |
Equipe de Constelar - Congresso em Salta | Uma ponte entre a Vila Isabel e a Argentina |
Edil Carvalho - Comportamento | Elis Regina e planetas na casa 1 |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva