Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 93 :: Março/2006 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

COMPORTAMENTO

Elis Regina e planetas na casa 1

Edil Carvalho

É difícil ter planetas na casa 1 sem exteriorizá-los de forma ostensiva. Quem tem esta casa ocupada tende a manifestar preocupação com a própria identidade, como relevam os exemplos deste artigo.

Na biografia de Elis Regina (Furacão Elis, de Regina Echeverria), há um capítulo em que Bola (Antonio Carlos Harres) faz a leitura do seu mapa e, pela menção do Ascendente e do Meio do Céu obtido (Câncer e Áries, respectivamente), pode-se observar que o horário utilizado foi o das 14:10, e não o das 15:10, como consta nos dados pessoais da cantora, no final da mesma biografia - e como também consta na certidão de nascimento. Entretanto, em entrevista dada à Tv Cultura em 1973, recentemente lançada em DVD, a cantora diz explicitamente que nasceu as 14h10:

Eu nasci em Porto Alegre em 1945, no dia 17 de março, num domingo às duas e dez da tarde, estragando o café da mamãe, aquele lanche maravilhoso.

De fato, acho que a declaração da Elis à TV Cultura, mais o mapa feito pelo Bola, reforçam o horário das 14h10, além do fato de que toda a sua biografia é típica mesmo de um legítimo Saturno na 1, não? Vejam só este depoimento de Gilberto Gil sobre a cantora, incluso na mesma biografia:

Mas como o tempo isso foi ficando mais desenhado, como uma arquitetura, uma coisa construída. Foi ficando mais como um modelo armado por ela. Elis foi encontrando uma maneira de sofisticar aquela altivez, estereotipar. Foi ficando mais estereotipada e sofisticada, pelos assuntos que ela escolhia para conversar, o tipo de humor que escolhia pra fazer, o caráter picante da personalidade, que era muito na frente. Eu tenho a impressão que ela foi tendo critérios diferentes para diferentes pessoas. Ela foi ficando muito civilizada. Foi tendo aquela coisa de finura, e o sonho dela de polimento da pessoa mesmo. E, junto com isso, ela foi solidificando a crosta da dificuldade. Ela foi ficando mais difícil.

Em outra passagem da biografia, alguém comenta que Elis quis polir a imagem rude de gaúcha, mostrando-se uma pessoa refinada.

Não é curiosa esse preocupação que as pessoas com planetas na casa 1 tem com relação à auto-imagem, à própria identidade? Eis algumas outras personalidades com o mesmo sintoma:

Não quero só ficar bem na foto: quero dizer o que vi. Mesmo que isto me custe revelar coisas que não gosto em mim. Nem sempre gosto dessa cara de alegre quando sei que tenho tanta dor por trás. Eu não acredito em mais nada oito ou oitenta. Você sabe, eu aprendi demais. (Marina Lima - Saturno na 1)

retrato de lado
retrato de frente
de mim me faça
ficar diferente
(Paulo Leminski - Lua e Marte na 1)

O sentido da minha existência reside no fato da minha vida colocar-me uma questão ou, inversamente, sou eu próprio uma questão colocada no mundo, e devo fornecer minha resposta; caso contrário, estarei reduzido à resposta que o mundo me der. (Carl Gustav Jung - Saturno na 1)

Herman Hesse - 2.7.1877, 18h30 LMT - Calw, Alemanha - 48n43, 08e44. Com Júpiter
em Sagitário na 1, não admira que tenha escrito tantas obras
com enfoque filosófico!

A vida de todo ser humano é um caminho em direção a si mesmo, a tentativa de um caminho, o seguir de um simples rastro. Homem algum chegou a ser completamente ele mesmo; mas todos aspiram a sê-lo, obscuramente alguns, outros mais claramente, cada qual como pode. Todos levam consigo, até o fim, viscosidades e cascas de ovo de um mundo primitivo. Há os que não chegam jamais a ser homens, e continuam sendo rãs, esquilos e formigas. Outros que são homens da cintura para cima e peixes da cintura para baixo. Mas cada um deles é um impulso em direção ao ser. (Hermann Hesse - Júpiter em Sagitário na 1)

Não me pergunte quem sou e não me diga para permanecer o mesmo. (Michel Foucault - Lua na 1)

Poucas pessoas pensam mais do que duas ou três vezes por ano; eu construí minha própria reputação internacional por usar o intelecto duas ou três vezes por semana. (George Bernard Shaw, escritor e dramaturgo, Saturno e Mercúrio na 1).

Sempre cito a mim mesmo. Isso dá tempero à minha conversa. (Idem)

NOTA DE CONSTELAR: os mapas das personalidades brasileiras citadas neste artigo podem ser encontrados no site Mapas do Brasil.

Outros artigos de Edil Carvalho.



Atalhos de Constelar 93 - Março/2006 | Voltar à capa desta edição |

Kátia Lins - Astrologia e contemporaneidade | A singularidade do mapa e a cultura do narcisismo |
Luiz Roberto Delvaux de Matos - Astrologia e Psicanálise | O mito de Prometeu e o elemento Fogo |
Vanessa Tuleski - Prática profissional | Quanto vale uma consulta? |
Dimitri Camiloto - Ciclos planetários e questões incômodas | Plutão em Leão: onde mora o perigo |
Raul V. Martinez - Astrologia Tradicional | Graus tenebrosos e infernais em Claude Dariot | Como William Lilly aplicava a técnica |
Equipe de Constelar - Congresso em Salta | Uma ponte entre a Vila Isabel e a Argentina |
Edil Carvalho - Comportamento | Elis Regina e planetas na casa 1 |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva