Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 89 :: Novembro/2005 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

MATERIAL DE REFERÊNCIA

Dignidades planetárias segundo Ptolomeu

Equipe de Astroletiva

Este artigo resume a intrincada questão das dignidades essenciais de acordo com a visão da Astrologia Tradicional - aquela praticada no Ocidente até o século XVII.

A força relativa de cada planeta na carta astrológica depende de uma série de fatores, dentre os quais se destaca a área do zodíaco por ele ocupada. Estudar as dignidades planetárias é, exatamente, determinar a força ou o poder de cada planeta frente aos demais, com base em critérios bem definidos. Tais dignidades são chamadas de essenciais quando estes critérios levam em conta apenas fatores especificamente celestes, tais como o signo, a parte do signo ou, mais detalhadamente, o grau ocupado por um planeta. Já as dignidades acidentais são aquelas que não decorrem da posição zodiacal, envolvendo outros fatores como aspectos com outros planetas e estrelas fixas, relação com os ângulos da carta etc.

Ptolomeu, astrólogo, astrônomo e geógrafo grego nascido no Egito por volta do ano 85 da era cristã e falecido em Alexandria no ano 165, foi a influência mais duradoura sobre a Astrologia praticada no Ocidente até o final da Idade Média. Sistematizando o conhecimento astrológico que o mundo helenístico herdara da Mesopotâmia e do Egito, Ptolomeu estabeleceu uma clara hierarquia entre as dignidades essenciais, até hoje válida, definindo a regência ou o domicílio como a mais importante das dignidades, seguida pela exaltação e, em menor grau, pela triplicidade. As dignidades mais débeis são o termo e a face, muito pouco estudadas pelos astrólogos modernos.

Os quadros que se seguem definem os critérios de aplicação das cinco dignidades essenciais.

Regência, exaltação e triplicidade

Signo - Mostra o signo zodiacal a que se referem as colunas subseqüentes.

Regente - O regente é o planeta que tem maior afinidade natural com determinado signo, manifestando-se ali como se estivesse "em casa" (daí a expressão domicílio). Considera-se que um planeta domiciliado encontra-se fortalecido em sua expressão. A tabela trata apenas dos regentes tradicionais, utilizados até o século XVII, com exclusão dos planetas descobertos em época posterior. Observe-se que, com exceção dos dois luminares, Sol e Lua, os demais planetas regem, cada um, dois signos: um por expressão diurna (D) e o outro por expressão noturna (N). Assim, Marte rege tanto Áries quanto Escorpião, mas em Áries, sua regência diurna, a energia marciana se manifesta de maneira mais direta e aberta. Em Escorpião, seu domicílio noturno, Marte manifesta sua energia de maneira mais introvertida e inconsciente. Os termos diurno e noturno podem ser tomados como sinônimos de masculino e feminino, yang e yin, extrovertido e introvertido.

Exaltação - Além do signo de domicílio, há sempre um segundo signo onde o planeta se encontra fortemente dignificado, expressando-se de forma muito compatível com sua natureza essencial. Por exemplo: o Sol, regente do signo de Leão, exalta-se em Áries, signo dinâmico e também associado ao princípio do fogo e da energia. Assim, o Sol em Áries está à vontade e, conseqüentemente, fortalecido. Na tabela, a coluna Exaltação mostra que planeta se exalta em cada signo. Inclui-se o grau específico de máxima exaltação. Estes graus são particularmente notáveis, se bem que a dignidade da exaltação seja atribuída, de forma genérica, a todo o signo. Assim, Marte está exaltado em qualquer grau de Capricórnio, mas tal dignidade estará especialmente visível no 28° grau. A exaltação atribuída aos nodos pela tradição também está indicada, se bem que não há suficiente evidência da eficácia de seu uso prático.

Triplicidade - Os signos que compõem cada triplicidade são aqueles ligados ao mesmo elemento (Fogo, Terra, Ar ou Água), o que lhes dá, assim, uma similaridade básica. Trata-se de uma dignidade essencial mais débil que a regência e a exaltação. Na triplicidade, os regentes planetários mudam de acordo com a natureza diurna da carta (Sol acima do horizonte) ou noturna (Sol abaixo do horizonte). As letras D e N no topo da coluna indicam os regentes diurno e noturno correspondentes a cada elemento. Assim, todos os signos de Fogo terão sempre o Sol como regente diurno da triplicidade e Júpiter como regente noturno; todos os signos de Terra terão em Vênus o regente diruno da triplicidade e na Lua, o noturno; e assim por diante.

Utilizando termos

Termos - Trata-se de uma dignidade essencial mais débil do que as três já apresentadas e de uso muito raro entre astrólogos modernos, se bem que bastante utilizada na técnica tradicional. Eis um conceito de termo segundo Anthony Louis, em seu Horary Astrology Glossary, com tradução de Barbara Abramo:

Quando um planeta ocupa os termos de outro, ele age "em termos" daquele planeta. Portanto Saturno nos termos de Vênus agiria "nos termos de" Vênus e perde um pouco de sua malevolência e Vênus nos termos de Marte não seria tão doce.

Barbara acrescenta que termo vem do inglês do inglês term, tradução do grego horion, que poderia ser traduzido como circunscrição, delimitação, território.

Esta tabela mostra os graus em que ocorre mudança da regência por termo. Por exemplo: na linha correspondente a Áries, vê-se o símbolo de Júpiter seguido pelo número 6, o que significa que Júpiter rege o primeiro termo de Áries, de 0°00' a 5°59'. A partir de 6°00', e daí até 13°59', a regência cabe a Vênus; o terceiro termo, a partir de 14°00', corresponde a Mercúrio, e assim por diante.

Observe que o Sol e a Lua não regem nenhum termo. Os planetas considerados maléficos, Marte e Saturno, regem sempre o último termo de cada signo e às vezes também o penúltimo. Isto significa dizer que a faixa entre 27° e 30° sempre cai sob a regência de um maléfico. Contudo, Marte e Saturno jamais regem os termos intermediários de cada signo (de 6° a 19°), que sempre são regidos por Vênus, Mercúrio ou Júpiter.

Faces dos planetas

Faces - A face é a dignidade essencial mais débil. Cada signo é dividido em três faces de 10 graus, sendo cada face regida por um planeta diferente. O conceito de face se confunde com o de decanato, se bem que em sua forma caldaica, em que a sucessão das faces é regida por uma seqüência de sete planetas clássicos iniciada por Marte.

Esta tabela mostra os graus em que ocorre mudança da regência por face. Por exemplo: Marte rege os primeiros dez graus de Áries, de 0°00' a 9°59'; o Sol rege de 10°00' a 19°59' de Áries; e assim por diante.

Detrimento - Um planeta se encontra em detrimento quando está no signo oposto àquele onde tem domicílio. Assim, se Vênus rege Libra, seu detrimento é Áries, signo oposto. Trata-se de uma situação de fraqueza ou debilidade. Modernamente, é mais comum a expressão exílio, em vez de detrimento.

Queda - Um planeta está em queda quando se encontra no signo oposto ao de sua exaltação. A queda é uma debilidade, indicando fraqueza, limitação, desvantagem e ausência de auxílio.

Seqüência das faces e dias da semana

Observe-se que a seqüência das regências planetárias sobre as faces desce pelas linhas e colunas da tabela aproximadamente na ordem decrescente de distância de cada planeta à Terra: Saturno, Júpiter, Marte, Sol, Vênus, Mercúrio e Lua. Já quando observados no sentido vertical, de cima para baixo, os planetas aparecem na mesma ordem dos dias da semana. Para melhor compreensão, a tabela abaixo mostra a correspondência entre planetas e dias da semana em inglês e espanhol:

PLANETA DIA EM INGLÊS EM ESPANHOL
Sol Domingo Sunday - Dia do Sol. Domingo - do latim dominicus dies, dia do Senhor (por associação entre o Deus cristão e os cultos solares pagãos).
Lua Segunda-feira Monday - Dia da Lua. Lunes - do latim lunae dies, dia da Lua.
Marte Terça-feira Tuesday - por referência ao deus escandinavo das batalhas Tyr ou Tiw, de sentido marcial. Martes - do latim martis dies, dia de Marte.
Mercúrio Quarta-feira Wednesday - Dia de Odin ou Woden, deus escandinavo senhor da ciência, das runas, do conhecimento (parcialmente análogo a Mercúrio). Miércoles - do latim mercuri dies, dia de Mercúrio.
Júpiter Quinta-feira Thursday - Dia de Thor, deus escandinavo do trovão e dos céus, simbolizando a fertilidade, a lei e a ordem. Jueves - do latim jovis dies, dia de Júpiter.
Vênus Sexta-feira Friday - Dia de Frigg, deusa escandinava esposa de Odin. Viernes - do latim veneris dies, dia de Vênus.
Saturno Sábado Saturday - Dia de Saturno. Sábado - do hebreu sabbath, que significa descanso.

Outros textos da equipe da Escola Astroletiva.



Atalhos de Constelar 89 - novembro/2005 | Voltar à capa desta edição |

Gerson Pelafsky - Astrologia tradicional aplicada ao esporte | William Lilly e o futebol |
Equipe de Astroletiva - Dignidades planetárias segundo Ptolomeu | Regência, exaltação, triplicidade, termos e faces |
Raul V. Martinez - UB313 em 7 de Setembro de 1822 | O novo planeta no mapa do Brasil |
Gicele Alakija - Perfil | Jaques Wagner, o articulador de Lula |
Carlos Hollanda - Aquário, amigo é pra se guardar | Mercúrio de Gêmeos, Mercúrio de Virgem | Antropologia da amizade |
Carlos Hollanda - Incêndio em Buenos Aires | A tragédia da discoteca Cromagnon |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva