Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 88 :: Outubro/2005 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

30 ANOS SEM VLADIMIR HERZOG

Quando o destino pessoal
se entrelaçou com o coletivo

Gerson Pelafsky

Há trinta anos desaparecia o jornalista, professor da USP e teatrólogo Vladimir Herzog. Sua morte, paradoxalmente, contribuiu para a luta pela liberdade de imprensa e para o enfraquecimento da ala mais dura do regime militar.

"Convidado a prestar esclarecimentos, apresentou-se, acompanhado por um colega de profissão, às nove horas do dia 25 do mês corrente, sendo tomadas por termo suas declarações. (...)

Deixado após o almoço e por volta das 15 horas, em sala, desacompanhado, escreveu a seguinte declaração: "Eu, Vladimir Herzog, admito ser miltante do PCB desde 1971 (...). Relutei em admitir neste órgão minha militância, mas, após acareações e diante das evidências, confessei todo o meu envolvimento e afirmo não estar interessado mais em participar de qualquer militância político-partidária". Assinatura: ilegível.

Cerca das 16 horas, ao ser procurado na sala onde fora deixado, desacompanhado, foi encontrado morto enforcado, tendo para tanto utilizado uma tira de pano. O papel contendo suas declarações, foi achado rasgado, em pedaços, os quais, entretanto, puderam ser recompostos para os devidos fins legais.

(Do comunicado oficial emitido no dia seguinte à morte de Vladimir Herzog)

Vladimir Herzog em foto da Fundação Perseu AbramoNo dia 25 de outubro completam-se 30 anos da morte do jornalista Vladimir Herzog, encontrado numa cela das dependências do DOI-CODI, órgão do aparato repressivo da ditadura militar brasileira. Quando me debrucei sobre a biografia e os dados astrológicos de Herzog, me chamou a atenção a sobreposição de pontos coincidentes entre seus planetas natais, o trânsito da morte e o mapa do ingresso solar do ano de 1975.

Isto evidencia como, através de sua morte, Vlado (como era carinhosamente chamado) ganhou uma dimensão histórica, tornando-se símbolo de uma época.

Vladimir Herzog, carta solar - 27.6.1937, 12h (+01:00) (horário-padrão)
Osijek, Croácia - 45n33, 18e41

Três dos planetas pessoais de Vlado ocupam "pivots" do mapa de ingresso: Lua - Ascendente; a oposição Marte-Vênus ocupa o eixo Meio-Céu/Fundo do Céu. Além disso, o Sol do jornalista está em conjunção exata com a Lua do ingresso, conjunta a Saturno, mostrando a grande tristeza, revolta e medo que se abateu sobre a opinião pública em conseqüência de sua morte.

Ingresso solar em Áries de 1975 - 21.3.1975, 3h00 (-03:00)
Brasília, DF - 15s47, 47w55.

A órbita de distância entre a Lua e Saturno é de 7 graus - Vlado faleceu exatos 7 meses após o ingresso solar.

No mapa de Vlado, Júpiter encontra-se a dois graus da conjunção com o ponto médio de Marte e Saturno - na cosmobiologia (Ebertin) este ponto médio é associado à morte - no caso, uma morte motivada por crenças, ideais e filosofia de vida (Júpiter).

Júpiter no mapa do ingresso é co-significador dos assuntos da casa 3 - segundo Ptolomeu Júpiter é o regente noturno de Áries por triplicidades. A casa 3 é a da imprensa e meios de comunicação. Júpiter está combusto na casa 2, a 12 da 3 por casas derivadas, ou seja, a prisão ou repressão do jornalista; está dignificado essencialmente (segundo a astrologia ptlomaica e antiga - por triplicidades e termos). Isto mostra a condição de integridade, a dignidade do jornalista que, ao sofrer a agonia (a combustão), alcançou a dimensão de herói coletivo graças à sua coragem - combateu a ditadura e é exaltado como herói (Sol exaltado em Áries).

Esta combustão de Júpiter me lembra simbolicamente um supliciado na fogueira da inquisição. É interessante lembrar que Júpiter dias depois faria sua mudança de declinação Sul para Norte, evento que marca o fim de um ciclo em astrologia mundial. O ciclo anterior começou em 1968 - época da instauração do AI-5 e suspensão de direitos políticos - isto aponta para o fato de que a morte de Vlado foi um evento muito significativo, dando um impulso adicional ao desejo coletivo pelo restabelecimento dos direitos civis e da liberdade. No governo do presidente Geisel começou o processo de distensão política que levaria à abertura em 1978/79.

No mapa do ingresso solar temos Marte no Ascendente (regente da casa 3) fazendo quincux com Saturno (regente da 12) - Marte regente da casa 10 (governo) faz quadratura com Marte natal de Vlado - e este aspecto Marte-Saturno também tem a Lua como associada - já vimos que está conjunta ao Sol de Vlado. Este é o aspecto da violência na sua pior manifestação.

Vênus está na proximidade do ponto médio Marte-Saturno, portanto recebendo a influência de ambos os planetas.

Só para situar mais um pouco as influências associadas à morte do jornalista: houve um eclipse do Sol a 19°59' de Touro no dia 11 de maio de 1975, exatamente em cima da oposição Vênus/Marte natal de Vlado, e do ponto médio entre o Fundo do Céu e a estrela Algol no mapa do ingresso (estrela fixa associada à morte e ao pescoço - Vlado foi encontrado enforcado em sua cela).

Por Firdaria (método de previsão antigo que usa períodos planetários numa seqüência ordenada) - o Brasil atravessava o período Sol-Mercúrio (mapa da Independência).

Mercúrio rege a casa 8 do tema de ingresso solar.

Círculo interno: carta solar de Vladimir Herzog; círculo externo: trânsitos
calculados para as 16h (provável horário da morte) de 25.10.1975, São Paulo, SP.

Trânsito da morte - 25.10.1975 - Marte em trânsito conjunto ao Sol de Vlado e Lua do mapa do ingresso. Vênus (regente do eclipse e situada no ponto médio Marte-Saturno) transitando a casa 8 do mapa do ingresso, fazendo conjunção com a Parte da Morte (cúspide da casa 8 + Saturno - Lua = 17º Virgem) e Parte do Aprisionamento e Inimigos (Ascendente + Marte - Saturno = 14º de Virgem). Sol em trânsito a um grau de Escorpião fazendo oposição exata ao ponto médio Marte-Saturno, enquanto a Lua retornava ao signo de Câncer. Mercúrio nesse momento fazia por trânsito no mapa do ingresso a conjunção com Plutão e com a estrela fixa Vindemiatrix (viuvez, dor, tristeza). Num outro caso de assassinato político, do metalúrgico Manuel Filho, em 17.01.1976, Mercúrio estava por trânsito em conjunção com o Ascendente da carta de ingresso solar. O país vivia um período sob forte influência mercuriana, tal como hoje, em que Mercúrio do mapa da Independência recebe pesado aspecto por trânsito. Herzog tinha Mercúrio domiciliado em Gêmeos no nascimento - foi um homem das palavras. É importante lembrá-lo neste momento em que, graças à imprensa livre, é possível tomar conhecimento de fatos que em outras épocas jamais viriam à luz. Quem sabe assim possamos passar o país a limpo. Com certeza é o que ele gostaria de presenciar caso estivesse conosco.

Outros textos de Gerson Pelafsky.



Atalhos de Constelar 88 - outubro/2005 | Voltar à capa desta edição |

7° Simpósio do Sinarj | Saturno no cinema e Plutão no shopping | Bola assume o planeta X | Fotos: Os muitos rostos do simpósio |
A Astrologia Nadi do sul da Índia | Intrigantes mapas de folhas de palmeira | Uma encrenca prevista séculos atrás | A consulta contada por um engenheiro nuclear |
Astrologia e Literatura |
A Dona Pé de Cabra | A versão original |
Efemérides do Planeta X | 1900-1930 | 1931-1960 | 1961-1990 | 1991-2009 |
30 anos sem Vladimir Herzog | Quando o destino pessoal se entrelaçou com o coletivo |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva