Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 17 :: Novembro/1999 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ASTROLOGIA ESPORTIVA

Flamengo, o mais querido do Brasil

Fernando Fernandes

O urubu lançado um dia no Maracanã e transformado em símbolo do clube não foi apenas fruto de uma brincadeira, e sim a expressão da profunda intensidade de um processo plutoniano que mobiliza multidões num ritual coletivo.

Bandeira Flamengo

Fundado em 17 de novembro de 1895, o Flamengo trocou mais tarde sua comemoração oficial de aniversário para 15 de novembro, de maneira a fazê-la sempre coincidir com o feriado da Proclamação da República. De qualquer forma, os dois Sóis estão em conjunção, e não apenas isso: Urano do Flamengo também está em conjunção com o Sol do Brasil republicano, e todo o forte stellium em Escorpião da carta do rubronegro (cinco planetas) ativa, de diversas formas, todos os mapas importantes para a definição da identidade brasileira, a começar pelo do próprio descobrimento, em 1500.

O Flamengo não é apenas um clube carioca: é uma paixão nacional, com torcedores em lugares tão remotos que jamais foram ou serão visitados pela equipe. As estatísticas mostram-no como o clube de maior torcida em todo o mundo, reunindo por volta de 33 milhões de torcedores - um pouco mais do que o Chivas Guadalajara e o América do México, que ocupam a segunda e a terceira posição, e bem mais do que os 23 milhões de torcedores do Corinthians e os 16 milhões de fanáticos seguidores do Boca Juniors, de Buenos Aires.

O que caracteriza-o como fenômeno de massa é, antes de tudo, a oposição da Lua à conjunção Netuno-Plutão em Gêmeos, a mesma que viu nascer o cinema, as histórias em quadrinhos, o rádio, a cultura de massa, enfim. O aspecto ainda está potencializado por trígonos e sextis de Júpiter e Vênus, como a representar a fluência com que o centenário clube adaptar-se-ia à linguagem dos novos meios de comunicação para projetar-se muito além dos horizontes de sua cidade natal (Lua em Sagitário, signo das grandes distâncias).

O Flamengo tem uma mística maior do que o time. Mesmo com equipes despidas de qualquer brilho, como as que vestiram a camisa rubronegra no início dos anos setenta, o encantamento persiste. Diz-se que a camisa do Flamengo pesa, e deve ser verdade: cinco planetas no denso e passional signo de Escorpião, além do extremista Plutão em oposição com a Lua, fazem do clube um vertedouro de sentimentos exacerbados, com componentes de ciúme e exigência. O craque que joga no Flamengo vive ao mesmo tempo o céu e o inferno. A torcida, tão fiel quanto possessiva, irá vigiá-lo, testá-lo, ler no fundo de sua alma se há merecimento que justifique vestir a camisa rubronegra – chamada de manto sagrado. Cada torcedor do Flamengo é um detetive e um juiz em potencial.

Escudo FlamengoClube e torcida vigiam-se, seduzem-se, excitam-se e manipulam-se mutuamente. Culpam-se mutuamente pelos fracassos e reconciliam-se com a mesma veemência ao primeiro sinal de recuperação. Mantêm entre si uma relação exclusivista, como dois amantes que só tivessem olhos um para o outro.

O Flamengo exprime o que o Brasil tem de mais escorpiano. Não é o Brasil cartorial e burocrático inventado pelos portugueses, ou o país aparentemente sereno e pacificado do apogeu da monarquia. É o Brasil de veias abertas e fraturas expostas, com todas as contradições da era republicana iniciada em 1889. O Flamengo, com seu complicado jogo interno de poder, é o microcosmo do país dos conchavos políticos e golpes de estado, da alternância entre os governos populistas e as intervenções militares. Através do Flamengo, sua torcida experimenta os mecanismos do exercício do poder através da pressão. Escala jogadores e depõe técnicos da mesma forma como decide, por vezes, ir para as ruas para pedir as Diretas Já ou acabar com a República das Alagoas. No estádio, representação simbólica do país, a nação rubronegra exerce uma forma direta e primitiva de cidadania.

Flamengo - carta especulativa

Clube de Regatas do Flamengo, carta especulativa – 17.11.1895, 19h22 LMT – Rio de Janeiro – 043w10, 22s54.

Uma das maiores incógnitas da astrologia brasileira é descobrir o Ascendente do mapa de seu clube mais popular. Lembremos que o Flamento foi fundado em 17 de novembro, mas fez constar em ata a data de 15 de novembro, para que o aniversário sempre coincidisse com a comemoração da Proclamação da República. Esta substituição de data, que funciona como um disfarce da própria identidade, já chama a atenção para um toque netuniano ou plutoniano.

Em 2002, o autor deste artigo esteve duas vezes na sede do clube, na Gávea, atrás do horário correto. [1] Na segunda visita, Dona Melba, responsável pelo setor de Patrimônio Histórico do clube, esclareceu que a ata de fundação não faz qualquer menção a horário, o mesmo acontecendo com a ata que cria o departamento de futebol, em 1911.

O que se sabe, e faz parte dos resultados da pesquisa para um vídeo produzido em 1995 para os 100 anos do clube, é que a fundação deu-se no famoso "casarão" da Praia do Flamengo, residência de um dos fundadores, e que a reunião só foi iniciada após a chegada do Patrono, José Agostinho Pereira da Cunha, que foi para lá "após todos os compromissos profissionais do dia". Isso consta na história do Flamengo, mas o curioso é que 17 de novembro foi um domingo e ninguém consegue informar quais poderiam ter sido os supostos "compromissos profissionais"! De qualquer forma, o horário que Dona Melba acredita ser o mais provável é o das 19h ou logo após, o que é confirmado por outras fontes da história do clube, que se referem a uma assembleia na noite de 17 de novembro.

Flamengo início século XX

Praia do Flamengo no início do século XX. Na época da fundação do clube, o Flamengo
era um bairro cheio de elegantes casarões junto à baía de Guanabara. Atualmente o clube não tem mais qualquer vínculo significativo com seu bairro de origem, mas sim com a
Gávea, onde funcionam hoje a sede social e o estádio.

Temos aí o ponto de partida para uma investigação. Considerando que o Sol se pôs, naquele dia, por volta das 18h30 (hora local), há uma vaga possibilidade de um Ascendente no final de Touro. Das 18h33 em diante o Ascendente já seria Gêmeos; a partir das 20h48, Câncer; e, a partir das 22h49, Leão. Na prática, as opções são apenas duas, Gêmeos e Câncer. Ocorre que o Rio de Janeiro já tem outros dois clubes com uma forte marca canceriana, que são o Fluminense e o Botafogo. Como a cidade do Rio de Janeiro não tem um vínculo simbólico notável com este signo, é improvável que mais um grande clube também apresente uma dominante canceriana. Por outro lado, Gêmeos é o signo do Ascendente do Rio de Janeiro, assim como da conjunção Lua-Júpiter do mapa da Independência do Brasil.

A forte identificação do Flamengo com a cidade onde nasceu e com o próprio país é um poderoso indicador de uma possível superposição entre os Ascendentes do clube e da cidade, assim como da conjunção entre o Ascendente do Flamengo e Júpiter-Lua no mapa do Brasil. Calculando uma carta especulativa para as 19h22, temos todas essas condições preenchidas. O mapa resultante apresenta uma oposição Plutão-Lua no eixo Ascendente-Descendente, destacando não apenas a importância da Lua, indicadora de multidões e de popularidade, mas também o próprio mascote do clube, o urubu, como veremos a seguir.

Os dez planetas da carta encontram-se contidos num arco de aproximadamente 180 graus, indicando uma concentração de recursos que lembra o perfil de distribuição de renda do país. O grande desafio é ocupar a metade vazia, é atingir um equilíbrio altamente improvável neste mapa extremista onde os cinco planetas em Escorpião lembram a imagem do jogador que aposta todas as fichas no mesmo palpite. O planeta que “puxa” todo o grupo – o primeiro a cruzar os ângulos no sentido horário – é Plutão, cujo simbolismo é frequentemente associado às forças arcaicas do inconsciente coletivo. Plutão é invisível, concentrado, insidioso, inexorável, manipulador, sagaz, rigoroso, telúrico, poderoso e secreto. Escorpião é a fênix a renascer permanentemente das próprias cinzas.

No Flamengo, as imagens de morte e ressurreição são recorrentes, a começar pelo próprio animal que a imaginação popular escolheu como símbolo do clube:

O mascote do Flamengo é o urubu, símbolo da ginga e da malandragem Rubro-Negra. A história começou em uma partida entre Flamengo e Botafogo, em junho de 1969. Havia dois anos que o rubro-negro não ganhava de seu tradicional adversário e, de repente, um urubu foi atirado em campo por dois torcedores. O jogo foi paralisado para a retirada do animal e o Flamengo acabou vencendo por 2 x 1, quebrando o tabu. A partir daí, o urubu virou a marca do Mengão. [2]

O significado simbólico dos urubus



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Raul V. Martinez - Astrologia Eletiva | Os fundamentos | Seis casos práticos |
Carlos Hollanda - Comportamento | Entendendo Saturno em Libra |
Hanna Opitz - Pesquisa | Um novo mapa para um novo Brasil |
Fernando Fernandes - Astrologia Esportiva | Flamengo, o mais querido | O significado simbólico dos urubus |

Edições anteriores

Vanessa Tuleski - Cinema e simbolismo | O labirinto do fauno | Faces diferentes de uma mesma moeda |
Jayme Carvalho - Mercúrio, a palavra e a comunicação | O mito de Hermes | Hermes, deus agrário |
Ângela Brainer, Martha Perrusi e Fernando Fernandes - Evento em Pernambuco | Astrologia e imaginário nordestino |
Ângela Brainer
- Astrologia e imaginário nordestino | A cosmovisão popular e o reencantamento da ciência |
Martha Perrusi - Astrologia e imaginário nordestino | O ástrologo-almanaqueiro do Sertão |

 


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva