Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 177 :: Março/2013

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

TÉCNICA ASTROLÓGICA

Explorando mapas harmônicos

Alexey Dodsworth

Mapas H4? H9? Os nomes podem parecer um tanto assustadores, mas a técnica é simples. Com os mapas harmônicos, aspectos que não aparecem no mapa convencional revelam-se por inteiro e abrem novas perspectivas para a exploração do mapa do cliente.

John AddeyMuitas pessoas ainda desconhecem o trabalho de Astrologia Harmônica, criado por John Addey e desenvolvido por David Hamblin. Como todo conceito novo, tende a causar polêmica, e, mesmo na comunidade astrológica, percebo ainda um misto de desconhecimento, fascinação ou mesmo recusa no que tange ao trabalho com harmônicos.

Devo confessar que estudar e aplicar mapas harmônicos possibilitou-me um verdadeiro aumento de percepções. Os clientes, sobretudo os de longa data, deram um excelente feedback, afirmando que a análise de suas cartas harmônicas permitiu reflexões muito profundas a respeito de suas próprias vidas. Estou escrevendo, portanto, sobre coisas que experimentei durante um bom tempo. Talvez existam mais pessoas que tenham experimentado a ideia dos mapas harmônicos – na verdade, espero que sim, pois sinto-me só!

Mapas harmônicos têm a ver com aspectos (ângulos entre planetas). Por exemplo, tomemos a conjunção, que é um aspecto de união – dois ou mais planetas criam um amálgama, uma nova natureza.

Nos aspectos ditos "tensos" – sobretudo oposição e quadratura –, todos derivam do conceito de dualidade. Em trígonos e sextis, temos a natureza da trindade agindo no mapa.

O mapa harmônico é um derivado do mapa de nascimento, e só deve ser estudado após profunda compreensão dos significados intrínsecos ao mapa de nascimento.

Existem diversas harmônicas possíveis, mas as mais importantes parecem ser a quarta, a quinta, a sétima e a nona.

David HamblinAs fotos: John Addey (acima, à esquerda), nascido em Barnsley, Inglaterra, em 15 de junho de 1920 e falecido em 1982. Seu primeiro artigo sobre a teoria dos mapas harmônicos é de 1958, mesmo ano em que ajudou a fundar a Associação Astrológica da Grã-Bretanha, a qual presidiu entre 1961 e 1973; David Hamblin (ao lado, à direita), nascido em Manchester, Inglaterra, em 8.8.1935, e ainda em plena atividade.

Um mapa de quarta harmônica nada mais é do que o círculo zodiacal do mapa dividido por quatro. Para fazermos um mapa de Harmônica 4, por exemplo, tomamos um mapa qualquer e dividimos os 360º em quatro segmentos iguais. O primeiro segmento, portanto, vai de 0º de Áries a 0º de Câncer. O segundo vai de 0º de Câncer a 0º de Libra. O terceiro, de 0º de Libra a 0º de Capricórnio. E o quarto, naturalmente, de 0º de Capricórnio a 0º de Áries, e a roda se fecha. Cada segmento tem uma largura angular de 90º.

Feito isso, pegamos cada segmento e consideramos que cada um possui, dentro de si, um novo zodíaco completo de 360 graus – algo como a ideia de que o holograma contém infinitas cópias de si mesmo em cada pedaço, e, se considerarmos o zodíaco um holograma, a ideia não nos parecerá tão maluca.

Cada distância angular do segmento deverá ser multiplicada por 4, no caso da quarta harmônica. De modo que um planeta a 0º de Áries continuará a 0º de Áries, mas o que estiver a 1º de Áries agora está a 4º de Áries; o que estava a 2º de Áries, agora é 8º de Áries, e por aí vai, até o final. O mesmo vale para todos os outros segmentos.

Deste modo, um planeta que estava no mapa radical a 1º de Áries surgirá, na quarta harmônica, em conjunção a um planeta que se encontrava originalmente a 1º de Câncer. Não é complicado observar, portanto, que um mapa de quarta harmônica transforma quadraturas e oposições em conjunções, e que seu objetivo é o de ser um mapa que aprofunda o significado das quadraturas e oposições do mapa radical. Podemos considerar a quarta harmônica, portanto, como um "mapa de tensões", onde tudo que surge no estudo se refere a tensões individuais – um mapa inteirinho só de crises, já pensaram?

Escolhemos a quarta e a nona harmônica porque elas representam, respectivamente, a pluralidade do dois e a pluralidade do três. 4 é o quadrado de 2 (sintetiza quadraturas e oposições) e 9 é o quadrado de 3 (sintetiza sextis e trígonos).

Hamblin e Addey consideram importantes o estudo da quinta e da sétima harmônicas porque, segundo eles, 5 e 7 são dois princípios novos que não são revelados no estudo de um mapa astral tradicional. O mapa da pluralidade do 5 (ou quinta harmônica) teria a ver com aspectos de 72º, enquanto o da sétima harmônica teria a ver com o aberrante aspecto de 51,42857142857º!

O aplicativo Vega calcula os mapas harmônicos sem maiores problemas. Não sei quanto aos outros programas. (Nota do Editor: o conhecido software Solar Fire também calcula com facilidade qualquer tipo de mapa harmônico.)

O mapa de quarta harmônica é o que permite uma maior compreensão das dualidades e tensões da pessoa. É verdade que no próprio mapa radical já temos uma boa percepção do assunto, considerando as quadraturas e oposições do mesmo, mas no mapa H4 temos um aprofundamento do tema.

Uma sessão inteirinha de mapa H4 é de doer. Ele pega na ferida. É interessante observar o ascendente do mapa H4, pois o signo aí presente representa um grande desafio pessoal, uma lição a ser aprendida. Seria, digamos assim, o signo que sintetiza o significado imanente às nossas quadraturas e oposições pessoais.

[Nota do Editor: o uso de signos e casas em mapas harmônicos é um ponto polêmico. Alguns praticantes dão importância aos novos signos e casas ocupados pelos planetas na carta harmônica, enquanto outros preferem considerar apenas os novos aspectos formados, independentemente de signos e casas.]

Um mapa H4 cheio de quadraturas, oposições e conjunções representaria uma pessoa altamente mobilizada por crises. Seria uma consciência fixada na dimensão H4 do ser. Na prática, a pessoa passa a vida batalhando muito mais do que o normal, porque se mobiliza para crises.

Uma mulher revelada pelo H4

Vou dar um exemplo de como o estudo do mapa H4 foi útil no trabalho com uma cliente que tenho, de longa data. Quem quiser, pode dar uma olhada, ela autorizou: 6 de Março de 1954, 9h40, São Paulo – SP

Helena - mapa convencional

Helena (nome fictício) - 6.3.1954, 9h40 - São Paulo, SP.

Durante várias sessões considerei difícil trabalhar com "Helena" (nome fictício) justamente pelo que parece ser o sonho de qualquer astrólogo: é uma pessoa absolutamente descomplicada, alegre, aparentemente sem problemas, muitíssimo inteligente, que faz muitos trabalhos de autodesenvolvimento e tem uma maturidade incomum. Ela adorava as sessões de mapa e os estudos anuais de revolução, mas sempre me cheirava que havia nela algo que eu não conseguia alcançar.

De certo modo ela parecia "estar em paz", o que seria ótimo se ao mesmo tempo não fosse óbvio que ela se encontrava estanque. Ano após ano, sempre que eu a via, tinha a nítida sensação de que ela havia sido colocada numa cápsula de hibernação – parecia-me que, ao sair da consulta, ela voltava para a cápsula, pois não mudava nada. Era sempre a mesma alma que eu encontrava, ano após ano, no meu estúdio.

Ela tinha queixas, é claro, e problemas. Questões que nunca, jamais mudavam, e que ela só se permitia falar "por alto". O perfil é o de uma pessoa com excelente autoestima e que não se deixa abater por dificuldades. Mantinha um relacionamento há anos, mas quase nunca falava dele, o que me parecia incomum.

Até o dia em que ela resolveu encarar um mapa H4. Helena se confrontou com um Ascendente em Leão H4, e imediatamente gelou. Ela conhece um pouco de Astrologia, de modo que sua primeira reação ao ver-se com um Ascendente H4 Leão foi: "Meu Deus... orgulho". Reconheceu, por si mesma, que era uma pessoa orgulhosa. Não "um pouquinho" orgulhosa, mas monstruosamente orgulhosa, quase compulsiva. Confessou que quando escrevia alguma coisa, lia o mesmo texto mais de dez vezes, maravilhada que ficava com a própria inteligência. Disse que se sentia efetivamente melhor do que as outras pessoas, e que por mais que seu comportamento não fosse tirânico, arrogante e não andasse por aí de nariz em pé, sentia intimamente um inconfessável orgulho. Sentia-se perfeita, e precisava manter-se em seu trono luminoso, de modo que nunca, jamais, de jeito nenhum, se permitia... sofrer. Ao menor sinal de "sofrimento", abria as penas de pavão e conseguia afastar tal experiência de si.

Helena - mapa h4

Helena (nome fictício) - Mapa harmônico - H4

Helena desatou a falar sobre como se sentia sozinha no mundinho perfeito que havia criado para si, um mundo onde ela era uma princesa-que-estava-sempre-bem, e que efetivamente não tinha amigos, pois ninguém sabia das suas dores. Nem ela, aliás.

O momento mais doloroso, entretanto, foi quando falamos da oposição Vênus-Saturno presente no mapa H4.

Na teoria do mapa H4, é dito que podem surgir quadraturas e oposições que não existem no mapa radical. Estas são as mais difíceis e densas, pois representariam tensões extremamente inconscientes que não podem ser encaradas nem com o estudo do mapa radical.

"Efetivamente, este aspecto sugere que você não se sente amada e que toda a sua vida gira em torno de sua necessidade de ser aceita" – comentei. Pela primeira vez em anos, vi a Helena-Sorriso desaparecer, dando lugar a uma feição endurecida e confusa. Então, desatou a falar.

Falou sobre sua infância, quando aprendeu que "amor não existe, o que existe é comprometimento e interesse". Falou sobre a torturante sensação de que as pessoas não a amavam, mas apenas amavam a máscara que ela criara para si mesma. Discorreu sobre sua percepção de que tudo o que ela fazia envolvia "ser bem vista" e "bem querida", mas que, ao se comportar assim, atraía pessoas que amavam e queriam A MÁSCARA, e não ela "por inteiro".

O significado de Vênus-Saturno, "rejeição amorosa", encontrava-se potencializado em Helena em um extremo dramático. Ficamos duas horas conversando sobre o assunto (na verdade, passei duas horas ouvindo. É dito que uma oposição/quadratura H4 mobiliza tão poderosamente a pessoa que ela tende a vivenciar uma verdadeira catarse). Pela primeira vez, a vi chorar. E ela me disse, textualmente, o que para mim era até então apenas suspeita:

"Há anos me sinto congelada numa autoimagem que precisa... tem de mudar".

Dois meses depois, terminou seu relacionamento. "Estava com ele apenas porque enfiei na minha cabeça que ele era o homem que qualquer mulher iria querer... mas eu não queria" – disse-me. Vale salientar que, em nossas sessões, jamais comentei ou levantei suspeitas de que seu relacionamento era furado. Apenas me parecia estranho – e eu guardava isso para mim – que ela jamais tocasse no nome do namorado, ou sequer falasse dele.

Harmonics in AstrologyMudou a forma de vestir-se. "Odiava aquelas roupas" – comentou. "Vestia-as porque acompanhava a moda, mas cansei". Ela era, realmente, um grave caso de pessoa que representa peças para ser aceita.

Este é um exemplo de como a compreensão de um mapa H4 pode conduzir a catarses – libertadoras ou não. Creio que depende de cada pessoa saber aproveitar a informação que emerge do simbolismo de um H4.

Helena atualmente faz terapia com uma homeopata unicista, que lhe receitou Calcarea Carbonica, um medicamento que tem tudo a ver com psiques imóveis. Briga mais, chora mais, é mais humana. Perdeu vários "amigos", que não gostaram da "nova Helena" que não fazia tudo o que eles queriam. E me disse, textualmente, que foi a melhor sessão de mapa astral que já havia feito comigo.

Tenho vários outros casos catalogados, mas escolhi este porque me marcou a memória: foi o primeiro mapa H4 que ousei analisar profissionalmente. Foi uma surpresa experimental.

Toques para estudo de um mapa H4

1 - Observe se surgem quadraturas e oposições que não existiam no mapa radical. Elas se referem a feridas extremamente dolorosas e fortemente ocultas na pessoa. Fale carinhosamente sobre isso, para que seu cliente não saia correndo!

2 - Observe que as quadraturas e oposições do mapa radical transformam-se em conjunções. A casa e signo em que o "bloco de planetas" incide no mapa H4 é a "zona de crise". É a área mais afetada quando a pessoa entra em desequilíbrio. No meu caso é a Casa 2, e é incrível como o "dinheiro" é um termômetro de meu bem estar. É só eu ficar mal que esta área entra em parafuso total. Na medida em que volto a um estado harmonioso, o dinheiro cai do céu. Tenho um cliente com um stellium na Casa 6 do H4. A saúde do rapaz é a primeira coisa a estourar quando ele passa por crises.

3 - O Ascendente H4 – sobretudo os defeitos do signo – tem fundamental importância na análise de um mapa H4.

Outros artigos de Alexey Dodsworth.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Henrique Wiederspahn - Conclave no Vaticano | O sucessor de Bento XVI |
Alexey Dodsworth - Técnica astrológica | Explorando mapas harmônicos |

Edições anteriores:

Fernando Fernandes - A polêmica do mapa de Lula | Nunca antes na história deste país... | Qual o Ascendente? |
Fernando Fernandes - Astrologia urbana | O incêndio da boate Kiss | Santa Maria da Boca do Monte |
Raul V. Martinez - Rio de Janeiro | Os quatro avisos de um temporal inesquecível | O método das reiterações |
Fernando Fernandes
- Presságios 2013 | EUA e China, Gigantes em perigo |
Celisa Beranger - Presságios 2013 | O mundo na mira de Urano e Plutão |
Dimitri Camiloto - Presságios 2013 | Boas notícias para o Brasil |
Vanessa Tuleski - Presságios 2013 | Crescendo com Júpiter |
Carlos Hollanda - Presságios 2013 | Não fuja, Urano, Saturno e Plutão vão achar você! |



Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva