Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 168 :: Junho/2012

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

TEORIA ASTROLÓGICA

O que são equivalentes geodésicos

Fernando Fernandes

Equivalentes geodésicos é o nome de uma técnica de astrolocalização desenvolvida pelo astrólogo inglês Sepharial. Sua base é bem simples e consiste em estabelecer uma correspondência entre os meridianos da Terra e os graus do zodíaco.

Existem diversas técnicas astrológicas que têm por objetivo associar configurações celestes a localidades terrestres. Ao projetar o significado astrológico no espaço geográfico, o astrólogo tem uma ferramenta para analisar onde um determinado significado potencial poderá manifestar-se com maior probabilidade ou ênfase.

SepharialDas várias técnicas de astrolocalização, uma das menos conhecidas e ao mesmo tempo mais fáceis de usar é a dos equivalentes geodésicos. Seu melhor teórico foi o astrólogo inglês Sepharial, pseudônimo de Walter Gorn Old, nascido em 1864 e falecido em 1929, aos 65 anos [foto] . Sepharial foi um dos astrólogos mais conhecidos de sua época. Escreveu dezenas de livros, quinze dos quais continuam sendo lidos até hoje. Foi o primeiro a utilizar Lilith, ou Lua Negra, e também um precursor do uso de graus simbólicos, tema retomado mais adiante por Marc Edmund Jones e Dane Rudhyar (graus sabeus).

Místico, ocultista e erudito, Sepharial foi um dos fundadores da Sociedade Teosófica na Inglaterra e amigo pessoal de Madame Blavatsky, que o chamava de Astral Tramp (o "vagabundo astral").

A base da teoria dos equivalentes geodésicos é a associação de cada meridiano terrestre a cada grau do zodíaco. Meridianos são grandes círculos que cruzam a Terra de um polo a outro. Nas cartas geográficas, dependendo da projeção utilizada, podem aparecer como linhas verticais paralelas entre si ou como linhas ligeiramente curvas que vão “afunilando” em direção aos polos. Servem para medir distâncias em graus entre dois pontos, para leste ou para oeste. Junto com os paralelos, que são linhas paralelas ao Equador, formam as coordenadas geográficas, uma grade de referência que permite localizar qualquer ponto na superfície da Terra.

Os meridianos são contados a partir daquele que passa pelo observatório de Greenwich, nas proximidades de Londres, o qual, por convenção, recebeu a denominação de Meridiano Zero. Tendo a Terra forma circular, alguém que saia de Greenwich e dê uma volta completa em torno do planeta, sempre para leste ou oeste, acabará voltando ao ponto de origem e terá completado todo o giro da circunferência (360 graus). Ainda por convenção, os meridianos são numerados até o valor de 180° para leste ou para oeste. O meridiano de 180° (qualquer que seja a direção que se tome) cruza o Oceano Pacífico a leste do Havaí e fica em oposição exata ao meridiano zero.

Tendo o zodíaco também 360 graus, a correspondência é imediata: cada grau de longitude (distância do meridiano de um ponto determinado ao meridiano zero) corresponde a um grau zodiacal. Cada trinta graus de longitude correspondem a um signo.

No mapa astrológico, a passagem do Sol pelo Meio do Céu (cúspide da casa 10) equivale ao cruzamento do meridiano local (o que ocorre por volta do meio-dia). No esquema dos equivalentes geodésicos, cada meridiano corresponde à posição do Meio do Céu em um grau do zodíaco. O meridiano de Greenwich é igual a um Meio do Céu em 0° de Áries. Para leste, em direção à Europa continental e à Ásia, cada grau de longitude é contado como um novo grau no sentido natural dos signos. Assim, 20 graus de longitude leste (o meridiano que corta a Polônia, a Eslováquia, a Hungria e a Iugoslávia) valem como um Meio do Céu em 20° de Áries, e assim por diante.

Para calcular cartas geodésicas de localidades a oeste de Greenwich (o caso de todo o continente americano), o procedimento é o mesmo, com a diferença de que, a cada grau na direção oeste, o Meio Céu diminui um grau. Assim, 30° W correspondem a 0° de Peixes e 60° W a 0° de Aquário. Quase todo o Brasil, exceto algumas porções da Amazônia e do Centro-Oeste, tem um Meio do Céu geodésico em Aquário e um Ascendente em Touro. 

O passo seguinte é calcular a carta geodésica com base no Meio do Céu encontrado. Antigamente o cálculo era mais trabalhoso, pois envolvia lançar mão de tábuas de casas e de logaritmos. Hoje diversos softwares de cálculo astrológico apresentam a opção dos equivalentes geodésicos.

A carta geodésica é uma técnica simbólica que mostra o impacto de configurações planetárias sobre o globo terrestre. A estrutura de casas para um mesmo local sempre permanecerá fixa. Sobre ela, projetam-se as posições planetárias reais de qualquer mapa de nascimento ou evento. Como resultado, temos um novo mapa que pode ser interpretado de acordo com os métodos usuais, no que diz respeito ao significado de planetas em signos e casas, mas sem perder de vista a função dos equivalentes geodésicos como importantes localizadores geográficos.

Flamengo em Tóquio

Carta de fundação do Clube de Regatas do Flamengo - 17.11.1895, aproximadamente 19h30 LMT, Rio de Janeiro, RJ - relocada para Tóquio, Japão, com uso de casas geodésicas.

Um exemplo da aplicação da técnica pode ser visualizado na imagem acima, que mostra o mapa da fundação do Clube de Regatas do Flamengo, mais popular clube de futebol do Brasil, relocado para Tóquio, capital do Japão, com uso de casas geodésicas. O Flamengo, apesar de sua imensa torcida, jamais havia tido uma oportunidade de projetar-se mundialmente até o momento em que, como vencedor da copa dos clubes campeões da América do Sul, foi a Tóquio, em 1981, disputar a final da Copa Intercontinental contra o Liverpool, da Inglaterra. No Japão, o Flamengo obteve um significativo sucesso, voltando para o Brasil consagrado como o melhor clube do mundo da época.

Basta observar a carta para entender por que o Japão fez tão bem ao Flamengo. O clube carioca nasceu sob um forte stellium em Escorpião, envolvendo Mercúrio, Saturno, Marte, Urano e Sol. Quando calculada para Tóquio, a carta geodésica mostra todos esses planetas em torno do Ascendente (um ponto de afirmação e de projeção), sendo Marte é o planeta mais angular de todos. Nem é preciso dizer que, para uma agremiação esportiva, ter Marte (energia, combatividade) colado no Ascendente, em domicílio (Escorpião), além de contar com o próprio Sol na casa 1 (o brilho do ego), não poderia ter melhor efeito. Para completar, observe-se que Júpiter, um planeta de grandeza e glória, ocupa o lugar mais elevado da carta, na casa 9, da projeção internacional.

Entre os usos mais comuns das cartas geodésicas está descobrir onde nosso mapa poderia "funcionar" melhor. Podemos utilizar a técnica para avaliar as chances de, numa determinada localidade, fazermos bons negócios, adquirirmos conhecimentos úteis ou simplesmente nos divertirmos a valer numa viagem de férias.

Naturalmente, o fator mais importante de análise é a presença de planetas nos ângulos da carta, situação que cria uma ênfase imediata. Imagine, por exemplo, que você quer sair para uma viagem de lua de mel e tem duas opções possíveis: numa, Saturno está no seu Ascendente; na outra, Vênus ocupa essa posição. Alguma dúvida sobre onde a lua de mel seria mais interessante?

Outros artigos de Fernando Fernandes.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Vanessa Tuleski - Astrologia e Cultura de Massa | Avenida Brasil: nascida do cruzamento de Urano com Plutão |
Fernando Fernandes - Belo Monte, paraíso ameaçado | Bye, Bye, Amazônia... |
Fernando Fernandes - Técnica Astrológica | O que são equivalentes geodésicos |

Edições anteriores:

Fernando Fernandes - Em cima dos fatos | Carlinhos Cachoeira | Demóstenes Torres, Fernando Cavendish e Sérgio Cabral |
Fernando Fernandes - Perfil astrológico | Ahmadinejad, o presidente nuclear do Irã | A Rússia de Vladimir Putin | Tancredo Neves e Coração de Estudante |
Fernando Fernandes - O Ingresso do Sol em Áries | Compreendendo o mapa do equinócio | Previsões detalhadas, país por país |



Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva