Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 161 :: Novembro/2011 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

MITOLOGIA E ASTROLOGIA

Da consciência de Mercúrio à luz de Plutão

Divani Terçarolli

A verdadeira face de Plutão não é escuridão, mas luz. Enquanto Mercúrio representa a Mente Consciente que separa e analisa, Plutão responde pelo Inconsciente que descarta o desnecessário e alcança a vivência da Totalidade.

Na Astrologia, Plutão é o planeta da destruição, morte e regeneração. A sua descoberta ampliou o entendimento que se tinha do Sistema Solar como um reflexo da ampliação de consciência que ele representa. Quando foi descoberto estava entre as estrelas Castor e Polux, no signo de Gêmeos. Plutão tem um relacionamento bem interessante com Mercúrio, o regente de Gêmeos. Mercúrio é a mente consciente. A Mente induz o ser humano a buscar dentro de si as respostas para as perguntas: Quem sou? De onde venho? Para onde vou? Segundo a mitologia, Mercúrio é quem conduz as almas ao reino de Plutão. Foi ele que negociou a volta de Perséfone para sua mãe Demeter, após ter sido raptada por Plutão. Mercúrio é o único deus que transita livremente entre o Olimpo celeste, o mundo dos homens e o mundo subterrâneo. Mercúrio e Gêmeos têm a ver com a polaridade, representada pelo caduceu. O fato de Plutão ter sido visto pela primeira vez quando se encontrava no signo de Gêmeos parece significar que ele é o grande unificador dos contrários, símbolo do UNO. Como ensina a sabedoria hermética: "tudo procede do UNO e se torna DIVERSO, para voltar novamente do DIVERSO ao UNO."

Dessa forma o Universo é o verso do Uno e a Unidade é a essência da manifestação.

Caduceu de MercúrioImagem: o Caduceu de Mercúrio.

Assim, Mercúrio é a Mente Consciente, tem a ver com SEPARAR–DISCERNIR, com Especulação, Polaridade, Diversidade – enfim, com as formas materiais. Já Plutão é a Mente Inconsciente, tem a ver com ELIMINAR- DESTRUIR, com Iluminação,
a Unidade de tudo, Totalidade – enfim, com o Espírito que habita as formas.

A meta da vida humana é adquirir Consciência. Consciência é identificar-se com o UNO.

A palavra Sol vem de “solo” – o único, uno, indivisível.

O Sol pode manifestar-se como EGO e se inclinar ao individualismo, à exclusão, dar ênfase à personalidade e às diferenças.  Mas pode vir a se transformar no SELF e fazer brilhar a individualidade, a inclusão, enfatizar as similaridades entre todos os seres humanos, o respeito à diversidade.

Isso é o que o psiquiatra Carl Jung chamou de Individuação, que significa a realização do si mesmo, e a compreensão de que cada ser humano é um ser único, impar, especial.

Assim, Individualizar-se é tornar-se UNO.

Dizem que o planeta Plutão é o parteiro do Self, pois ele leva o que não serve mais aos propósitos do SELF e da evolução. Seus mitos abordam a problemática da morte, das perdas, e do renascimento.

O mito do rapto de Perséfone enfoca a aceitação das fases da vida com todas as suas transformações inevitáveis. Plutão reina sobre tudo que é irrevogável, definitivo, o que não tem remédio. Em Hércules e a hidra de Lerna vemos o tema do encontro com a sombra e no final a descoberta de um tesouro enterrado dentro de nós. É Plutão libertando o verdadeiro Eu (Self) que habita a forma.
Na história das deusas Inanna e Erishkigal compreendemos como Plutão pode nos despojar de tudo o que mais valorizamos na vida. Plutão retira todos os invólucros falsos, as máscaras da "Persona".

Inanna no submundo

Na cultura mesopotâmica, a deusa Inanna, ou Ishtar, também é obrigada nos mitos
a fazer uma descida ao submundo, onde é despojada de todas as roupas
e enfrenta sua irmã gêmea, Erishkigal.

As mudanças que Plutão traz visam restaurar o equilíbrio perdido. Ele nos quer mais inteiros pois é o Servo da Totalidade. Quando transita fazendo aspectos na nossa carta natal ele traz a morte física ou psicológica e despedaça nossos apegos para que possamos aprender que o que realmente somos é aquela parte de nós que permanece quando tudo o que pensávamos ser nos é tomado. Plutão é uma força que despedaça nossa ego-identidade até que a gente descubra nossa essência. Tempo de encarar nossas obsessões, nossa escuridão, nossas feridas incuráveis, as limitações da alma e do destino, o que é irrevogável, nossa vulnerabilidade, impotência e desespero.

Plutão é um Poder que não pode ser enfrentado, mas sim, reverenciado.
Ele não visa destruir a matéria, pois o espírito precisa dela como veículo de sua evolução, mas sem apego. A transmutação ocorre quando ultrapassamos a polaridade e atingimos a unidade. Este é o sacro-ofício ou magna opus de que falaram os alquimistas.

“Do irreal, conduze-me ao real!
Das trevas, conduze-me à luz!                         
Da morte, conduza-me à imortalidade!”      
(Upanishad)

Assim, todo o sofrimento, toda a perda, se traduz em ganho. O mesmo cálice amargo, que muitas vezes a vida nos oferece, pode ser também o “cálice da salvação”, para quem adquiriu o entendimento. Ou como disse Kahlil Gibran: “Tua dor nada mais é do que a concha que envolve o teu entendimento se quebrando".

Hélice de DNA

Hélice de DNA

As voltas da espiral nunca voltam ao mesmo ponto, mas cada vez nos levam para mais progressos.  A cada torção da espiral, a consciência se recria, despojando-se, mais uma vez, do que pensa que é para retornar ao que realmente é no contexto divino universal.

Recriar-se e reinventar-se continuamente é tarefa que todos nós temos que cumprir para ampliação da consciência, obedecendo à Lei universal da impermanência.

Conclusão

A meta de vida humana é adquirir consciência, O Homem é um ser inacabado, uma pedra bruta que precisa ser lapidada. Plutão é aquele que lapida os diamantes.  

Plutão, O Rico, O ilustre, esses e tantos outros nomes para ocultar sua verdadeira face que não é escuridão, mas LUZ. E quem não conheceu a sombra não reconhece a LUZ.

Outros artigos de Divani Terçarolli.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Divani Terçarolli - Mitologia e Filosofia | Shiva e a dança da mudança |
Divani Terçarolli - Mitologia e Astrologia | Da consciência de Mercúrio à luz de Plutão |

Edições anteriores

Fernando Fernandes - Perfis astrológicos | Steve Jobs, a Grande Quadratura por trás da Apple |
Fernando Fernandes - Astrologia e História do Brasil | O Cristo Redentor e sua marca uraniana |
Blogs de Constelar - Eventos | Sinarj e Apocalipse |



Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva