Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 160 :: Outubro/2011 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ASTROLOGIA E HISTÓRIA BRASILEIRA

O Cristo Redentor e sua marca uraniana

Fernando Fernandes

A estátua do Cristo Redentor, no alto do morro do Corcovado, tem um mapa com horário exato, que mostra Urano no Ascendente envolvido numa quadratura T. Um mapa tão impressionante quanto o próprio monumento, cuja inauguração esconde uma pequena trapaça.

Corcovado vista geralPoucos eventos da história do Brasil foram tão bem documentados quanto a inauguração da estátua do Cristo Redentor, eleita em 2007 uma das sete maravilhas do mundo atual.

A construção do monumento foi sugerida pela primeira vez em 1859, e a estrada de ferro que dá acesso ao cume do Corcovado data de 1884-85. Contudo, a ideia do monumento só tomou vulto em 1921, quando o governo brasileiro planejava as comemorações do centenário da Independência.

Apresentando dificuldades técnicas imensas, o projeto teve de esperar mais dez anos para tornar-se realidade. A pedra fundamental foi lançada em 4 de abril de 1922, com o Sol em Áries, e o projeto do engenheiro Heitor da Silva Costa foi escolhido em 1923. Contudo, as obras só puderam ser iniciadas em 1926. O Cristo Redentor representou na época uma grande realização da engenharia brasileira com uma pequena participação francesa, já que o escultor franco-polonês Paul Landowski foi o executor dos braços e do rosto da escultura.

A estátua é de concreto armado revestido de triângulos de pedra-sabão da região de Carandaí, cidade mineira entre Barbacena e Conselheiro Lafaiete. A construção durou longos cinco anos e foi financiada por doações coletadas por arquidioceses e paróquias de todo o país. A inauguração aconteceu, enfim, no dia 12 de outubro de 1931, escolhido por ser a data comemorativa do Descobrimento da América.

Evidentemente a obra de engenharia já estava pronta antes daquele 12 de outubro. Entretanto, a marca registrada do Cristo Redentor é sua iluminação, que transforma a estátua numa referência natural na paisagem carioca. Além do mais, sendo uma obra católica, não havia como considerá-la inaugurada sem as devidas bênçãos e festividades litúrgicas - o que motivou, aliás, infindáveis protestos da comunidade evangélica, especialmente da Igreja Batista.

As solenidades da inauguração se estenderam por uma semana inteira e mobilizaram os esforços da Arquidiocese do Rio de Janeiro, dos governos federal e distrital (o Rio era então a capital da República) e também do maior conglomerado de comunicação da época, os Diários Associados, comandados pelo jornalista Assis Chateaubriand. A imprensa cobriu com grande riqueza de detalhes o momento culminante da inauguração: o acionamento à distância das luzes do monumento pelo senador italiano Marconi, o mesmo que inventara o rádio 35 anos antes. Vamos aos fatos - e ao mapa do Cristo!

Foi um espetáculo soberbo, de inesquecível majestade, a bênção do monumento ao Cristo Redentor, pela manhã de hoje. Estavam presentes, no alto do Corcovado, as altas autoridades eclesiásticas e civis, e, enquanto se efetuava a bela cerimônia, uma esquadrilha de aviões deslizando, tranquila, pelos ares macios da manhã lançava braçadas de flores sobre a imagem de Jesus. Os sinos de todas as igrejas bimbalhavam festivamente. Um momento de inenarrável emoção. (...) Diário da Noite, 12 de outubro de 1931.

Um parêntesis: o Diário da Noite era um jornal vespertino, com uma fantástica tiragem que chegava, em certas ocasiões, a 200 mil exemplares por dia. Além disso pertencia ao poderoso Assis Chateaubriand, que resolveu tirar partido publicitário em torno da inauguração da estátua, como veremos a seguir. Por causa desse interesse direto, o Diário da Noite publicou uma edição no fim da noite de 12 de outubro, contando tudo sobre o evento.

Temos aqui a informação de que a bênção da igreja católica ao monumento aconteceu na manhã de 12 de outubro, no próprio local, num clima festivo que parecia envolver toda a cidade - e embaixo de chuva constante, como conta o Diário Carioca, jornal rival do Diário da Noite.

A Companhia Radiotelegráfica Brasileira e Marconi, ele mesmo, haviam guardado um profundo sigilo em torno da prova que o grande inventor deveria fazer ontem à noite iluminando de Roma a estátua de Cristo Redentor. Marconi desde sexta-feira passada se comunicava com o Sr. René Bouglé, diretor geral da Radiotelegráfica, dizendo-lhe que desejava fazer domingo, às 19 1/4 , uma experiência de transmissão de onda elétrica a fim de acender os refletores que deveriam iluminar a estátua. O diretor geral da Radiotelegráfica deu conhecimento do desejo de Marconi apenas aos diretores dos Diários Associados, Srs. Gabriel Bernardes, Paulo Rapaport e Assis Chateaubriand. Tratava-se de uma experiência e por isso mesmo os diretores da Radio não desejavam dar-lhes maior divulgação. (...)

Na verdade, não era exatamente uma experiência secreta de Marconi, pois outros jornais já anunciaram o fato abertamente em suas edições matuninas. Mas segue o Diário da Noite:

Às 18 3/4 os diretores dos Diários Associados já se encontravam na sala de aparelhos da Companhia, que fica no 4° andar do edifício Hasenclever, na Avenida Rio Branco. (...)

Às 19 e 14 todos os corações palpitavam. Faltava um minuto, e esse minuto era uma eternidade. Uma eternidade tanto mais imensa e angustiosa quanto ela durou, pelo relógio da sala, 120 segundos.

Às 19 e 16 minutos todos os olhares da sala que se fixavam para a janela donde se divisava o Corcovado viram o céu cortado de um halo luminoso. Dentro da massa de nuvens, as fulgurações de luz rompiam bravamente a escuridão. Três minutos após, os rolos pardacentos se dissipam e o Cristo branco, com as suas mãos imensas de perdão e de ternura, fulgia no topo da montanha, inundado de caridade boreal. O milagre de Marconi se tinha traduzido em todo o seu esplendor. Diário da Noite, 12 de outubro de 1931.

Temos aí o horário exato da inauguração do Cristo Redentor: não foi às 19h15, como pretendia Marconi, mas às 19h16. A primeira visão que a população teve do Cristo foi o irromper de uma luz difusa, já que, num primeiro momento, as nuvens não deixaram perceber detalhes da estátua. O mapa daí resultante mostra um Ascendente em Áries, lembrando que o Brasil experimentava então, pela primeira vez, o horário de verão.

Inauguração do Cristo Redentor

Inauguração do Cristo Redentor - 12.10.2011, 19h16 - HV - Rio de Janeiro, RJ.

Curiosamente, o mapa apresenta uma Grande Cruz cardinal, envolvendo quatro planetas: Urano, Plutão, Sol e Saturno. A grande quadratura em signos cardinais é uma configuração dinâmica, empreendedora, indicando situações desafiadoras que precisam ser resolvidas através de um impulso para a ação. O desafio do Rio de Janeiro naquele momento era encontrar um símbolo forte, que desse para a cidade uma "marca registrada" e contribuísse para projetar a imagem de uma metrópole moderna, bonita e acolhedora. O Rio já tinha o Pão de Açúcar, mas ainda faltava alguma coisa. Foi a gigantesca estátua do Cristo Redentor que trouxe para a cidade sua identidade definitiva, sua marca inconfundível, sua referência permanente. Basta constatar que a imagem do Cristo Redentor está muito mais presente na música popular, no cinema e na TV do que qualquer outro cartão-postal carioca.

Além do mais, Urano é sempre Urano, especialmente quando em conjunção com o Ascendente e em oposição ao Sol, como nesta carta. O toque uraniano já começa na benção que antecede a inauguração, com aviões em voo rasante jogando pétalas de flores sobre padres e assistentes. Uranianos são também os helicópteros que continuam contornando a estátua diariamente, a transportar turistas dispostos a pagar um pouco mais para uma visão privilegiada do monumento.

Mais uraniana ainda foi a forma escolhida para a iluminação do Cristo: um impulso elétrico comandado à distância por um dos maiores inventores da época. Não é preciso dizer que Urano rege tanto a eletricidade quanto os inventores! Contudo, segundo outra versão, uma falha de transmissão provocada pelo mau tempo teria impedido que Marconi tivesse sucesso em sua tentativa, às 19h15. O "jogo de cintura" carioca logo levou ao acionamento do "plano B": alguém acendeu as luzes por Marconi e deixou que o inventor italiano acreditasse ter sido o autor da façanha. Uma pequena trapaça logo no momento da inauguração? Nada de estranho para um monumento que é o símbolo do Rio de Janeiro! Além do mais, eis que Urano (que já é naturalmente um significador de imprevistos) estava retrógrado, na casa 12 e triplamente tensionado. Um dos aspectos existentes na carta é exatamente a quadratura com Saturno, indicando restrições e impedimentos (Saturno) relacionados com comunicação de longa distância (casa 9). A crer no mapa, não foi realmente Marconi quem inaugurou o Cristo Redentor.

Plutão no Corcovado

Bonito mas isolado, íngreme e inacessível: um mapa com Urano na 12
e Plutão no Fundo do Céu.

Vênus e Plutão são os dois planetas mais angulares da carta. Vênus em Libra na 7 está em analogia com a agradável experiência estética de quem sobe ao Cristo Redentor e contempla a cidade lá embaixo. Já o Plutão no Fundo do Céu talvez explique por que o Cristo Redentor é reconhecidamente estupendo, mas pouco acolhedor: como outras localidades em cujo mapa Plutão é muito forte, a estátua está num lugar de difícil acesso e controlado por "máfias" de motoristas que monopolizam a única alternativa ao trenzinho, fazendo o turista gastar sempre algo mais do que planejou. Marte e Lua em Escorpião também reforçam essa impressão sutilmente hostil que a região do Corcovado provoca, quando vista de perto.

Mãos Longas Cristo RedentorAs mãos desproporcionalmente longas não mentem sobre o Ascendente do Rio de Janeiro.

Resta considerar um detalhe, de grande importância astrológica na retificação do própria mapa do Rio de Janeiro: o Cristo é o maior símbolo da cidade, devendo, portanto, guardar alguma pista sobre o Ascendente da antiga capital do Brasil. É nesse momento que nos chama a atenção o fato de que, em vez do Cristo cruxificado, ou de mãos postas para o céu, o que vemos é uma gigantesca figura "de braços abertos sobre a Guanabara", como a lembrar que o verdadeiro Ascendente do Rio (uma cidade pisciana) não pode ser outro senão Gêmeos. O que mais se destaca no monumento são exatamente os braços e as mãos, regiões do corpo regida por Gêmeos, e numa postura também geminiana: expansiva, apontando para direções opostas e visível de todos os ângulos. Mais do que uma referência religiosa, o Cristo lembra uma imensa antena que capta sinais de toda parte, redistribuindo-os para a cidade inteira, lá embaixo.

Outros artigos de Fernando Fernandes.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Fernando Fernandes - Perfis astrológicos | Steve Jobs, a Grande Quadratura por trás da Apple |
Fernando Fernandes - Astrologia e História do Brasil | O Cristo Redentor e sua marca uraniana |

Edições anteriores

Adonis Saliba - Entendendo Aquário | Aquário e a caixa de Pandora | Nostradamus e as guerras de Bush e Obama |
Raul V. Martinez - Teoria | Casa IV, sempre significadora de mãe |
Blogs de Constelar - Eventos | Sinarj e Apocalipse |
Divani Mogames Terçarolli - Mitologia | Três signos, três histórias e seus arquétipos paternos |
Divani Mogames Terçarolli - Comportamento | O papel de pai em tempos de Plutão em Capricórnio |



Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva