Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 142 :: Abril/2010 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

PERFIL ASTROLÓGICO

Ney Matogrosso, um Plutão que não se dobra

Tereza Kawall

De uma lado a performance teatral do tempo do Secos e Molhados, a loucura e a transgressão artística; do outro, a seriedade, a timidez, a observação que nasce no silêncio. Ney Matogrosso sintetiza as tensões de Leão e Escorpião e é um dos porta-vozes da liberação trazida pela conjunção Urano-Saturno de 1942.

CD Vinte e CincoIntrodução

Tive o prazer de conhecer Ney em São Paulo, na época em que estava sendo gravado o primeiro disco do grupo Secos e Molhados, em 1972. Era um típico “hippie”, digamos assim, desapegado e solto no mundo, fazia artesanato em couro para sobreviver. Tinha um ar insolente, jovial e altivo - e claro, era totalmente sedutor! Era fácil perceber a intensidade de sua pessoa pela força de seu olhar raio-X e a atração espontânea que causava em todos.

A performance teatral, a dança sensual, cenários e figurinos criativos e ousados, e sua voz inconfundível fizeram dele um artista único, estrela de primeira grandeza na constelação da MPB. Sua capacidade de inovar e de se metamorfosear no palco são inigualáveis.

Ney sempre foi e continua sendo uma “presença”.

Seu mapa natal guarda uma configuração tão marcante e tão precisa, é o que gosto de dizer, ali temos a experiência da “astrologia viva”, que tanto nos encanta.

Creio que o destaque dos planetas transpessoais em mapas individuais nos mostra pessoas que estão além de seu tempo, aqui vieram para provocar mudanças, romper com a mesmice, com a missão de propor uma liberdade que não depende de ruídos ou bandeiras, mas que se experimenta nas vísceras, na curiosidade que não se cansa, no amor e todas as suas inúmeras manifestações.

Análise do mapa

Ney Matogrosso

Ney Matogrosso - 01/08/1941, 6h (-04:00)
Bela Vista, MT - 056w31, 22s06.

O signo Ascendente é dado pela hora do nascimento; ele “ascende” no horizonte leste da Terra naquele momento, marcando o grau e o minuto de um dos doze signos que ali está. É a entrada em cena da criança, quando tudo se inicia, a sua primeira respiração, o que se imprime nela a partir da combinação planetária. É a fotografia do céu tirado naquele instante e a qualidade da energia que está ali presente e que é compatível com o ser que está nascendo. É a primeira vez que a criança vê o mundo e vice-versa.

O signo Ascendente representa o nosso corpo físico, nossa forma básica de expressão na vida, aquilo que aparece, o jeito da pessoa, o modo como ela funciona e responde às exigências da vida.

Seu Ascendente é Leão, signo do elemento Fogo, que representa a força do coração e da atração, a criatividade da auto-expressão. É importante para o artista desenvolver um sentido de individualidade, de poder e de valor. Leão está sempre ligado à nobreza, ao desejo de reconhecimento e de admiração. No corpo humano este signo é representado pelo coração, o centro vital que irradia a possibilidade da vida, a sede do amor e da paixão.

Assim, sua forma de expressão sempre tem a ver com essa natureza solar e intensa, que precisa se apaixonar por aquilo que faz. É comum vermos este signo proeminente em mapas de atores, dramaturgos, o palco é um tema importante para eles, assim como a expressão das emoções, o contato com o público, o aplauso e o reconhecimento. Não é uma grande novidade, já que um leonino que se preze gosta de ser centro de atenções e de que tudo gravite à sua volta.

No caso de Ney, mais verdade ainda, uma vez que, ao nascer do dia, estava lá na linha do horizonte o Sol, que é o regente de seu signo de Leão, e ainda de quebra ao lado dele (dois graus do Ascendente) estava um outro planeta, também igualmente poderoso, que é Plutão.

Assim, tudo o que sabemos do signo de Leão está duplicado, ou seja, o signo solar mais o próprio Ascendente. Para incrementar temos também ali Plutão; e ambos estão na casa Um, que é casa do “eu”, do nosso corpo físico, daquilo que reverbera do nosso ser de forma mais espontânea e perceptível aos outros.

Vejamos este texto:

O signo Ascendente simboliza uma faceta peculiar da totalidade de vida que procura uma “in-cor-po-ra-ção” através do ser nascido naquele momento. Uma vez que o Ascendente corresponde àquele “flash” inicial ou “impacto” de nossa existência individual, ele se imprime também profundamente na psique como “o que é a vida”. Nós atribuímos à vida as qualidades do signo que se encontra no Ascendente ou dos planetas que se encontram perto deste ponto. Ele é a lente através da qual percebemos a existência, o foco que trazemos à vida, a maneira como “suportamos” o mundo. E uma vez que vemos o mundo dessa maneira, invariavelmente agimos e nos comportamos de acordo com essa visão. E mais, a vida força nossas expectativas e reflete nosso ponto de vista de volta para nós.

(SASPORTAS, Howard. As doze casas, p. 35.)

Assim, esta forte combinação de Plutão e Sol no Ascendente tem uma importância enorme em sua característica física, na forma de agir e de começar as coisas; as experiências são vividas de forma intensa e mesmo passional, sem tons pastéis ou mais ou menos, pois aqui o que se vê é vida, libido, entrega, mergulho, questionamentos; a mesmice e mediocridade não combinam com o espírito altivo do Sol e provocador e ousado de Plutão.

Secos e Molhados

Capa do disco de estreia do Secos e Molhados, um fenômeno de sucesso nos anos 70.
A concepção estética da capa também marcou época e fez escola.
Todas as ilustrações deste artigo são capas de discos e CDs
de Ney Matogrosso.

Plutão simboliza vida inconsciente, aquilo que não se mostra, os mundos invisíveis, o poder, os mistérios da vida e da morte, a sexualidade, a procriação, as forças primitivas ou instintivas dos homens e de tudo o que é vivo. Está sempre associado aos processos de desconstrução, regeneração e transformação da vida, para que haja uma nova consciência.

Na mitologia Greco-romana Plutão ou Hades era o senhor dos “mundos inferiores”, o mundo invisível, a vida subterrânea, o próprio inconsciente, pois representa tudo aquilo que não está disponível para a consciência. Hades não tinha altares para ser cultuado, e também não poderia ser visto pelos mortais, pois usava um elmo que o tornava invisível. Seu nome quer dizer “riqueza”, pois ele tem o poder de revelar talentos e tesouros ocultos.

O Sol astrológico nos remete ao princípio vital, alegria, calor, a visão, o que nos é revelado à luz do dia ou da consciência, o anseio de ser e criar, o desejo de ser especial, o propósito da vida.

Há uma máxima alquímica medieval que diz:

“Para que os ramos de uma árvore alcancem os céus, suas raízes devem chegar ao inferno”.

Essa dualidade está bem representada por esses dois símbolos astrológicos, e é bastante provável que Ney já tenha se confrontado com todos os tipos de experiências, altos e baixos, sombra e luz, e com igual intensidade. De um lado há uma faceta flexível e generosa, a busca constante da transcendência e dos significados para o existir, e um outro lado pode se manifestar, muito mais frio, incessível e até cruel, quando algo lhe parece uma grande injustiça, um abuso de poder. Essas posições indicam que Ney certamente é uma pessoa de convicções fortes; dito de outro modo, “não deixa barato”.

Outro ponto aqui é marcado com a questão da autoridade, a pessoa jamais se submete, não aceita, confronta, questiona, e para isso tem que pagar o preço alto da autonomia e da liberdade. Os seres “plutonianos” seguem o seu próprio caminho, correm perigos, se aventuram no desconhecido, tem uma força de vontade descomunal, se jogam em seus próprios abismos, enfrentam demônios, enxergam além das aparências, morrem e renascem várias vezes.

Processos destrutivos também podem acontecer, e isto pode depender de outras disposições planetárias da carta natal. Mas, dado o aspecto compulsivo de Plutão, o indivíduo pode acabar, literalmente, com a própria vida.

Em termos físicos, podemos afirmar que existe um tanque de reserva de energia vital, e como o corpo não é separado da mente, esta força compreende também o seu espírito “solar”, a busca da consciência e da transformação e da não estagnação, que é a sua marca registrada.

Pérolas RarasAssim, coabitam no artista forças opostas e profundamente criativas; seria como a imagem da árvore, cujas raízes absorvem vida do que está dentro da terra para poder subir e alcançar a luz, chegar aos espaços aéreos. É importante lembrar que na simbologia da árvore estão contidos os aspectos plutônicos, que unem o céu e a terra, o alto, a luz e o escuro.

Seu corpo (Ascendente) é seu recurso, sua via de expressão e de comunicação daquilo que você quer informar e tornar consciente.

Além de artista, cantor e ator, este mapa indica também possibilidades em artes terapêuticas, como um curador, cirurgião, xamã, pajé, aquele que guia, que cura, mostra caminhos, corta para extirpar o que já não serve mais, facilita, provoca e promove uma transformação, uma nova vida.

Leão: auto-estima

Plutão e Sol em Leão na primeira casa: saber de seu valor pessoal, ter merecimento, sentir-se especial, consciência daquilo que se é já na infância e juventude; não é arrogância ou narcisismo, simplesmente uma percepção de seu próprio valor. A autoridade só é atribuída a quem de fato a merece. Ser subjugado por algo ou alguém, jamais.

 “Meu pai me dizia que eu não era nada e não merecia nada. E no fundo de mim uma coisa dizia: ‘Não, você merece sim; você pode, sim; você é, sim.’ E fui solicitado, isso se revelou a partir do momento que virei artista, porque antes não tinha a necessidade de falar... Ninguém me perguntava o que eu achava. Mas eu acreditava em mim”.

 -Revista Caros amigos, p. 45

Intimidade

Canto em Qualquer CantoA Lua no mapa natal representa nossa vida emocional, mais básica e instintiva, a maneira como gostamos de suprir nossas necessidades de segurança; como reagimos ao ambiente, nossa intimidade.

Ela está no signo de Água de Escorpião, na quarta casa, que simboliza a própria casa, a família, as heranças familiares, de onde viemos.

Escorpião é um signo que gosta de muita intimidade e privacidade, atração pelos segredos, com uma capacidade de observação e de penetrar no âmago das coisas e das pessoas; é como um raio-X que vê as entranhas, o que é invisível, é a Lua que intui as coisas e as pessoas. A receptividade e sensibilidade psíquica são fortes, e a intensidade emocional das relações íntimas pode fazê-lo sofrer, uma vez que este signo gosta de controlar e geralmente é ciumento.

A casa deve ser seu porto seguro, embora isto em si seja comum, mas neste caso é uma questão fundamental: voltar para casa, ficar em silêncio, se recompor e se recarregar, e selecionar bem quem pode e deve partilhar desta privacidade.

Sol e Lua: dualidade Leão e Escorpião



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Tereza Kawall - Ney Matogrosso | Um Plutão que não se dobra | A dualidade Leão-Escorpião |
Redação - Brasília, 50 anos | Constelar discute os dois mapas da capital |
Darci Lopes - A hora na Astrologia | Retificando o mapa dos Estados Unidos |
Fernando Fernandes - Marc Edmund Jones | O astrólogo genial de Hollywood |
Fernando Fernandes - Niterói | Chuva, lixão e desespero |

Edições anteriores

Silvia Ceres - Comportamento | Júpiter e a falta de medida |
Fernando Fernandes - Perfil Astrológico | Zilda Arns, a heroína virginiana |
André Ricardo - Abordagens espiritualistas em Astrologia | Edir Macedo e os símbolos sabeus |
Daniel Nunes - Abordagens espiritualistas em Astrologia | Os elementos na formação do universo |
Zilá P. Saldanha - Abordagens espiritualistas em Astrologia | O corpo de balé clássico real |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva