Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 141 :: Março/2010 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ABORDAGENS ESPIRITUALISTAS NA ASTROLOGIA

Os elementos na formação do universo

Daniel Nunes

Numa ficção astrológica para fins didáticos, os quatro elementos ajudam Deus a criar o universo e percebem que nenhum deles pode viver sem os demais.

Certa vez, tudo era a mais absoluta escuridão. Tudo era o mais absoluto vazio. Nada existia. Nada se via. Tudo era nada!

Deus, ao perceber que nada acontecia, enviou um de seus filhos, Fogo, para acabar com a escuridão.

4 elementosAo chegar, Fogo se concentrou e, com toda a sua força, lançou luz em todas as direções. Quando viu sua obra, Fogo ficou mais e mais inflado e pensou: "Ah, meu pai deve estar orgulhoso de mim! Tenho certeza de que ele me chamou porque sou seu filho mais poderoso."

Deus, quando olhou para a luz de seu filho, disse: “Fogo, querido, tu és mesmo especial. Agora, através de ti, não há mais escuridão”. E voltou-se para uma de suas filhas e disse: “Terra, agora quero que vás e ocupes este imenso espaço que Fogo iluminou."

Ao ver sua irmã sendo convocada, Fogo voltou-se para o pai e disse: “Por que fizestes isso, meu pai? Minha luz não foi suficiente?"

“Calma, Fogo. Tu serás sempre especial. Mas jamais deves esquecer que não és meu único filho. Teu brilho sempre será admirado, mas se olhares em volta, verás que nada iluminas. Há apenas o vazio."

Terra, ao ver que seu pai terminara o que tinha a dizer, entrou vagarosamente no vazio iluminado. Em cada um de seus lentos e pesados passos, Terra depositava rochas, montanhas e vales. Após trabalhar dias e noites sem parar, Terra, com seu jeito sério, voltou-se para seu pai e disse: “Agora está tudo pronto. Fiz o mais perfeito que pude, meu pai.”

Deus, conhecendo a responsabilidade de sua filha, lhe disse: “Tu fizestes mais do que te pedi, cara filha. Sou-lhe muito grato e gostaria de te ver descansar depois de tanto trabalho.”

Ao ver que Terra repousava, voltou-se para seu terceiro filho dizendo: “Ar, temos agora montanhas e vales iluminados, mas tudo está muito parado. Quero que vás e traga movimento.”

Rapidamente, Ar elevou-se e se dirigiu a todas as direções. Os ventos fortes pintavam o espaço com a poeira das rochas que se desprendiam em redemoinhos por todos os lados. Pequenos pedaços de rochas por todos os lados encontravam-se, formando as mais diversas combinações de cores e formas.

Ao ver que não havia mais coisas diferentes a fazer, Ar olhou para seu pai e perguntou o que estava acontecendo. Deus, sempre compreendendo a natureza de seus filhos, pediu para que Ar tivesse um pouco de paciência, pois em breve iria poder ver com seus olhos o motivo de tudo aquilo.

Com sua última filha em seu colo, Deus, ao ver que tudo estava muito seco, pediu: “Água, minha filha, quero te ver permear todo este mundo.”

Diante do pedido de seu pai, Água suavemente estendeu os braços e uma chuva começou a precipitar. Aos poucos, esta chuva foi se tornando intensa e toda a paisagem começou a se transformar. Lagos e oceanos começaram a se formar nas depressões, rios nos vincos dos vales, e grandes quantidades de terra eram carregadas montanha abaixo. As águas começavam a penetrar o solo, preenchendo os espaços vazios debaixo das montanhas, para depois brotar e fazer nascer novos rios.

Ao sentir a profundidade de seu trabalho, Água se sentia cada vez mais plena. Tamanha era sua plenitude, que mais e mais fazia jorrar chuva de suas mãos. Ao ver que a filha não seria capaz de parar, Deus segurou suas mãos e a abraçou, dizendo: “Calma, minha amada filha. Teu trabalho está feito. Se deixares os sentimentos falarem mais alto, poderás destruir tudo o que criamos.”

Ao voltar a si, Água pediu desculpas a seu pai, que lhe perdoou na mesma hora dizendo que adorava ver tamanha demonstração de entrega, de amor.

Nesta altura, os quatro filhos estavam juntos a admirar sua criação, quando Deus lhes aproximou e disse: Venham comigo, quero lhes mostrar algo.

Assim, todos desceram juntos e os quatro filhos ficaram olhando em volta, ainda admirados com a beleza de tudo o que estava à sua volta, mas sem entender por que seu pai os havia trazido até ali.

Ar, o mais curioso, foi quem perguntou: “Pai, porque nos trouxestes até aqui?”

Após uma pausa, na qual olhou carinhosamente nos olhos de cada um, disse: “Meus amados, eu jamais pediria a vocês para realizar tamanho trabalho, se não fosse para um fim extremamente nobre. Cada um de vocês emprestou suas qualidades a este universo. Cada um de vocês faz parte de tudo isso que está à nossa volta. Mas é somente agora, depois de termos vocês quatro juntos, que o meu trabalho começa.”

Sol nascente

Ditas estas palavras, do centro de Deus começaram a nascer infinitas fagulhas que se espalharam ao longo de tudo o que existia, em cima e abaixo da terra, nas montanhas e vales, nos rios, lagos e oceanos. Seus filhos ficaram imóveis, estarrecidos, ante a visão que se descortinava ao redor. Inúmeras formas de vida nasciam. O verde das plantas tingiam vales e montanhas. Pássaros riscavam o céu. Flores coloriam planícies. Animais exibiam sua força e beleza por todos os cantos.

A vida estava criada e, com todo amor que era capaz de irradiar, Deus fez nascer a mais bela e poderosa de suas criaturas. O ser humano.

Virou-se para seus recém-nascidos filhos e disse: “Homens e mulheres, muito trabalho os espera. Entretanto, o mais importante de todos será conhecer profundamente seus sentimentos, para que possam aprender a amar e, assim, compartilhar de toda a minha criação banhados na mais plena felicidade.”

Outros artigos de Daniel Nunes.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Silvia Ceres - Comportamento | Júpiter e a falta de medida |
Fernando Fernandes - Perfil Astrológico | Zilda Arns, a heroína virginiana |
André Ricardo - Abordagens espiritualistas em Astrologia | Edir Macedo e os símbolos sabeus |
Daniel Nunes - Abordagens espiritualistas em Astrologia | Os elementos na formação do universo |
Zilá P. Saldanha - Abordagens espiritualistas em Astrologia | O corpo de balé clássico real |

Edições anteriores

Equipe de Constelar - Terra em transe | Terremotos e desastres naturais |
Marilena Angeli - Astrologia e Catástrofes | Como prever um terremoto | México, Califórnia, Japão | Terremoto do Haiti |
Raul V. Martinez - Aplicações da Chave Secreta | Astrossismologia | Tsunami no Oceano Índico |
Fernando Fernandes - O terremoto do Haiti | Análise do mapa |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva