Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 141 :: Março/2010 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ABORDAGENS ESPIRITUALISTAS NA ASTROLOGIA

O Corpo de Balé Cósmico Real

Zilá P. Saldanha

Comparando o mapa natal à partitura de uma peça musical e as experiências da vida humana à execução da coreografia de um balé, Zilá Saldanha utiliza a metáfora para lançar luz sobre a velha discussão entre lívre arbítrio e predestinação.

Isadora Duncan, bailarina

As imagens são de Isadora Duncan (1877-1927),
uma das maiores bailarinas do início do século XX.

"Vigia, atentamente, a Roda do Tempo e trabalha."
(Dr. Serge Raynaud de la Ferriere)

No instante em que um espírito torna a encarnar, animando um novo corpo que, até o momento daquela primeira inspiração, tinha apenas existência biológica, ele inspira o céu que envolve a Terra — o Sol, a Lua, os Planetas do Sistema Solar, as Constelações Zodiacais — e esse céu fica indelevelmente impresso em seu Ser. Ali estão suas características físicas, intelectuais, emocionais e espirituais, suas tendências, suas dificuldades, suas potencialidades, seu karma (tanto positivo, quanto negativo), seu dharma — enfim, todas as instruções e sugestões de como se sair bem nessa nova experiência terrena.

Esse céu está simbolizado no Mapa Natal.

O Mapa é um manual de instruções que o Grande Arquiteto do Universo imprime na alma de cada um de nós para que possamos utilizar da melhor forma o nosso equipamento físico, mental e psíquico para o melhor resultado espiritual possível, com o mínimo de desgaste das peças e com o máximo rendimento. O Mapa ajuda-nos a evitar o uso inadequado, insuficiente e, se não elimina completamente, diminui em grande parte as reclamações provocadas pelo uso contínuo durante anos e anos. É ele um eficaz Manual de Instruções, Recomendações, Sugestões e Prevenções.

Aquele céu do momento exato da primeira inspiração, pois, fica lá, gravado no coração do homem, como um receptor sensibilíssimo da energia que nos envolve.
Mas tudo o que está vivo é animado, movimenta-se.

No espaço infinito, os Astros seguem suas rotas, suas elipses, sua Lei. Aqui na Terra, o novo serzinho reenceta uma nova jornada rumo ao aperfeiçoamento, sob grande expectativa de todo o Universo.

E segue a mesma Lei Cósmica.

Desenrola-se, então, um balé completo entre as energias siderais (Planetas, Estrelas e Constelações), a nossa Terra... e aquele novo serzinho (novo apenas fisicamente, pois às vezes é um venerável espírito milenar...) com os demais seres humanos que o circundam.

Consciente ou inconscientemente, todos dançam a mesma Melodia Cósmica, sob a batuta do mesmo Maestro e obedecendo às instruções do mesmo Coreógrafo.
Em todos os balés, há dramas e comédias, amores e ódios, ambições e frustrações, lágrimas e risos. Há momentos de tenebrosos acordes dos metais ritmados pela percussão, fugas e fugatas que todo o corpo de baile expressa em contorções violentas. Há Intermezzos calmantes. Há marchas solenes. Há solos de virtuoses. Há "pas de deux” e há "pas de trois". Há atos e entreatos. Há heroísmo e vilania. Há lealdade e traição. Há coragem e covardia. Há romance e barbárie. Há apoteoses de luzes e sons, e pianíssimos sutis de semitons em surdina.

E há os bailarinos exímios e há os que mal se arrastam pelo palco, num patético arremedo dos compassos.

Mas há também uma Partitura, um Libreto, que coloca uma sequência, uma ordem e uma coerência nesse aparente caos.

Essa Partitura, esse Libreto, essa Ficha Técnica é o Mapa Natal de cada um dos bailarinos em conexão com o Mapa dos céus perpetuamente em mudança, também na execução de sua parte na coreografia. Consultado, ele previne dos acordes, dos compassos, dos cuidados a tomar, dos percalços a evitar, da dificuldade ou facilidade dos próximos passos, dos próximos figurinos a vestir, dos próximos ritmos a dançar — tudo tendo em vista a apoteose final do espetáculo.

Dançar no chão rústico e opaco do palco é nosso mister. Manter a mente sempre consciente e focalizada no Libreto é nossa chance. Expressar-nos ritmada e graciosamente ou ser atropelados pelos acordes é nossa opção.

Não precisamos nos preocupar com a falta de graça, de ritmo ou de capacidade de nossos contracenantes — mas temos obrigação de zelar pela nossa performance para fazer jus à oportunidade de participar desse Real Corpo de balé.

Isadora DuncanTemos duas possibilidades à nossa frente: ou nos saímos satisfatoriamente e gozamos o prazer indescritível do trabalho bem realizado, concorrendo a um papel melhor num palco mais importante na próxima temporada;  ou — como fazem muitos bailarinos descuidados — emburramos, choramos, revoltamo-nos, negamo-nos a continuar dançando, caímos de exaustão de tanto "perseguir" o ritmo e prosseguimos num arremedo desgracioso de harmonia, embaçando o brilho de nossos partners e o êxito da companhia (sem falar no comprometimento da obra do Autor...).

A atitude mais sensata, portanto, é não perder de vista o Libreto que nos dá as opções para coreografias, figurinos, ritmos e parceiros com que nos saímos melhor. É verdade que, às vezes, essa escolha está consideravelmente limitada e temos que aprender um novo e difícil passo, com uma fantasia que não é do nosso agrado e num "pas de deux" com um parceiro que, francamente, preferíamos evitar — mas isso faz parte do aprendizado, dele e nosso. Assim, pelo menos, temos oportunidade de desenvolvermos a indispensável paciência para o penoso dueto... E sempre temos a vantagem de sabermos, com antecedência, quantos compassos durará a penosa prova!

Essas sugestões e instruções quanto a ritmos, coreografias, figurinos, passos, parceiros de dança futuros, etc. tiramos das futuras posições que os Astros ocuparão no céu e das conexões que eles fazem com os pontos sensíveis do nosso receptor pessoal, exposto no croquis que é o nosso Mapa Natal.

Saiba mais sobre Zilá P. Saldanha.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Silvia Ceres - Comportamento | Júpiter e a falta de medida |
Fernando Fernandes - Perfil Astrológico | Zilda Arns, a heroína virginiana |
André Ricardo - Abordagens espiritualistas em Astrologia | Edir Macedo e os símbolos sabeus |
Daniel Nunes - Abordagens espiritualistas em Astrologia | Os elementos na formação do universo |
Zilá P. Saldanha - Abordagens espiritualistas em Astrologia | O corpo de balé clássico real |

Edições anteriores

Equipe de Constelar - Terra em transe | Terremotos e desastres naturais |
Marilena Angeli - Astrologia e Catástrofes | Como prever um terremoto | México, Califórnia, Japão | Terremoto do Haiti |
Raul V. Martinez - Aplicações da Chave Secreta | Astrossismologia | Tsunami no Oceano Índico |
Fernando Fernandes - O terremoto do Haiti | Análise do mapa |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva