Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 138 :: Dezembro/2009 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

ENFOQUES DIDÁTICOS

Princípios de Astrologia Eletiva

Raul V. Martinez

Como escolher a data e o horário ideais para o início de um empreendimento? A resposta está nos princípios da Astrologia Eletiva, uma técnica extremamento racional e com regras bem distintas daquelas aplicadas à interpretação do mapa natal.

relógioAstrologia eletiva, ou de escolha, é a técnica astrológica que procura encontrar em determinado intervalo de tempo a melhor data e horário para o início de um empreendimento. Independentemente da carta ou das cartas astrológicas das pessoas diretamente envolvidas. Dessa forma, não pertencem à astrologia eletiva as escolhas de momentos convenientes para que alguém execute ou se submeta a determinada ação – embora sejam comuns algumas concordâncias não intencionais entre elementos da figura escolhida e elementos significativos de cartas pessoais, ou de lugares, intimamente ligadas ao empreendimento.

Princípios da astrologia eletiva também podem indicar procedimentos que melhor se harmonizem com empresa criada por decreto, ou autorizada a funcionar a partir de certa data. Podem ainda, por exemplo, contribuir para melhorar o desempenho de equipe esportiva em determinada competição. Como se vê, o campo de atuação da astrologia de escolha está próximo daquele da astrologia coletiva ou mundial.

Entre os fundamentos da astrologia eletiva estão as polaridades dos signos, dos astros e das fases de seus ciclos, sendo as polaridades positivas ou masculinas associadas à expansão e à doação, e as polaridades negativas ou femininas associadas à contração e à recepção. Assim, toda carta astrológica também indica as qualidades do momento para o qual foi construída, se próprio para crescimento em certos sentidos ou próprio para retração, ou concentração, em outros. Ou seja, a carta astrológica também indica se seu momento é ou não próprio para determinadas ações. Algumas dessas qualidades, aquelas ligadas às posições planetárias existentes no dia, podem ser consideradas mesmo quando se desconhece a carta astrológica do empreendimento.

ZodíacoOs signos, alternadamente a partir de Áries, são positivos e negativos. Nas quadruplicidades, são masculinos os signos de Fogo e Ar, e femininos os de Água e Terra. A atividade dos signos de Fogo se dá de forma direta, afirmativa, vigorosa e magnética, enquanto a atividade dos signos de Ar se dá de forma mais refinada, comunicativa e mental. Os signos de Água atraem emocionalmente, estimulando a imaginação e a sensibilidade, e os signos de Terra atuam de forma prática, material, em trabalhos e habilidades.

Cada um dos três signos da mesma quadruplicidade pertence a categoria diferente. Na sequência, a manifestação Cardeal se correlaciona com a forma de atuação, a Fixa com a forma de concentração decorrente, e a Mutável indica como se dá a dispersão do que foi acumulado. Recomeça novo ciclo em seguida, com nova manifestação Cardeal.

O Sol, a Lua, os planetas, as casas, principalmente as angulares, manifestam as qualidades dos signos onde se encontram. Há ainda os aspectos, que alteram as naturezas dos elementos envolvidos. Aspectos, que na astrologia eletiva são basicamente aqueles que irão se formar, com valorização dos aspectos ‘duros’: conjunções, quadraturas e oposições, os que realmente importam na vida dos empreendimentos.

O Processo Eletivo

No processo eletivo é o princípio planetário que governa o empreendimento, e não o regente do Ascendente ou do Meio do Céu da carta que se procura.

1.- Na busca da melhor carta para o empreendimento, inicialmente se estabelece qual o astro, ou astros que o governam; ou seja, primeiramente se estabelece seu, ou seus princípios planetários, definindo, se existir mais de um, a ordem de importâncias. Depois se examina a situação desses astros no intervalo de tempo disponível, considerando suas posições nos signos e eventuais mudanças de fase com relação ao Sol. As fases crescentes são correlacionadas com expansões, e as minguantes com concentrações. De forma análoga, se considera a situação dos outros astros.

2.- Devido ao fato de que o ciclo anual do Sol começa em Áries, signo de sua exaltação, esse signo também pode ser correlacionado com inícios, inclusive com o do empreendimento.

A astrologia eletiva considera os pontos de entrada das estações, e os das fases lunares, como sendo de mudanças e de concentração de energias. Também seus pontos médios, os ‘oitavos’ (em denominação coerente com os ‘quartos’ lunares), são considerados pontos de mudança e concentração de forças – pontos que são facilmente notados no ciclo do movimento da Terra em torno de seu eixo: 3h, 9h, 15h e 21h, LMT.

3.- Na astrologia eletiva, as exaltações e as quedas, quando ocorrem nos graus tradicionais (conforme tabela), possuem maior importância que as regências.

Signos

Exaltação

Grau

Queda

ÁRIES

Sol

19º

Saturno

TOURO

Lua

 

GÊMEOS

 

 

 

CÂNCER

Júpiter

15º

Marte

LEÃO

 

 

 

VIRGEM

Mercúrio

15º

Vênus

LIBRA

Saturno

21º

Sol

ESCORPIÃO

 

Lua

SAGITÁRIO

 

 

 

CAPRICÓRNIO

Marte

28º

Júpiter

AQUÁRIO

 

 

 

PEIXES

Vênus

27º

Mercúrio

Graus de Exaltação e Queda, contados de 1º a 30º nos signos

Além das exaltações e das regências, os planetas também atuam conforme suas naturezas. Por exemplo, Marte atua melhor em signos de Fogo e pior em signos de Água, menos Escorpião, por ser Marte um dos regentes.

4.- Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno, cada um deles rege dois signos. Um masculino e o outro feminino; e o Sol e a Lua regem os signos que faltam. Mas, o Sol e a Lua, na astrologia eletiva, também funcionam como um único elemento, Luminar, que rege um signo masculino e um signo feminino, como os demais planetas tradicionais. Se o objetivo do empreendimento for expansão, é preferível que o planeta que o governa esteja em seu signo masculino. Se o objetivo principal estiver ligado a alguma forma de receber, de acumular, o planeta que governa o empreendimento preferencialmente deverá estar em seu signo feminino. Além disso, é importante que a fase lunar, crescente ou decrescente, concorde com a natureza básica do empreendimento, se de expansão ou de concentração.

As fases lunares são muito importantes porque combinam potencialidades do Sol e da Lua, representantes das Primeiras Forças do Universo: o Masculino e o Feminino, ou o Yang e o Yin. A Lua, ao refletir a luz solar, está combinando essas forças do Poder Primordial. Na astrologia de eleição é a Lua que simboliza as principais qualidades do empreendimento, vindo em seguida o Sol e os planetas pessoais (Mercúrio, Vênus e Marte).

5.- Com relação às casas, em cada lugar geográfico, o período que vai do nascer do Sol ao crepúsculo é a fase masculina, e o que vai do crepúsculo à aurora é a fase feminina, do ciclo de rotação da Terra em torno de seu eixo.

6.- Ao se escolher uma data próxima, facilmente podem ser evitados os aspectos duros com a Lua, com o Sol, com os planetas interiores e com os ângulos. Mas, dificilmente pode-se evitar aspectos duros que envolvam planetas lentos. Nesse caso, procura-se não deixar esses planetas próximos dos ângulos. Mesmo sem aspectos duros, planetas ‘problemáticos’ não devem ficar próximos dos ângulos; e como regra básica, evite aspectos duros com a Lua.

7.- Na astrologia eletiva:

  • o Ascendente é o ponto de partida do empreendimento;
  • ele, e os outros ângulos, são lugares de mudança e de conflitos;
  • devido as casas se correlacionarem com diferentes formas de eventos, pode-se desejar que determinado planeta fique em casa específica, ou pode-se desejar que não fique nessa casa, principalmente se estiver mal aspectado;
  • o planeta está mais forte em casa angular, menos forte em casa sucedente, e incapaz de operar, de alguma forma, em casa cadente;
  • quanto mais próximo dos ângulos, mais potente será o planeta, sendo irrelevante o lado do ângulo em que se encontre.

8.- Há ainda dois elementos que eventualmente podem ser considerados: as estrelas fixas, aquelas tradicionalmente utilizadas em astrologia, e o sistema de dias e de horas planetárias.

A astrologia eletiva pressupõe a existência de certo livre arbítrio. Pressupõe a possibilidade de escolha de elementos astrológicos que existirão em futuro próximo, ou a possibilidade de se agir em harmonia ou não com as polaridades dos componentes de uma carta astrológica existente.

Horários previamente estabelecidos

Para melhores resultados, atividade com início em horário e lugar previamente estabelecidos deve ser executada, no que for possível, em harmonia com a natureza desse horário e elementos astrológicos correspondentes. Por exemplo, em partida de futebol, valorizando o ataque ou a defesa, em concordância com as fases e as posições de Marte, da Lua e do Sol; em desfile de escola-carnavalesca, considerando as fases da Lua e as posições, de Vênus, do Sol e de Netuno.

Empreendimento criado ou autorizado

No caso de empreendimento criado por decreto, ou autorizado a funcionar por organismo constituído para isso, deve-se procurar agir em harmonia com a situação astrológica do princípio, ou princípios planetários que caracterizam a atividade. Quando a autorização para funcionamento depender de pedido formal, é possível que a escolha do momento para dar entrada ao pedido de autorização ajude a alcançar os objetivos do empreendimento.

Leitura recomendada

SZÄNTO, Gregory. Astrologia, a Escolha da Hora Certa – Pensamento, São Paulo

Leia também: Seis casos de Astrologia Eletiva, do mesmo autor.

Outros artigos de Raul V. Martinez.

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Raul V. Martinez - Astrologia Eletiva | Os fundamentos | Seis casos práticos |
Carlos Hollanda - Comportamento | Entendendo Saturno em Libra |
Hanna Opitz - Pesquisa | Um novo mapa para um novo Brasil |
Fernando Fernandes - Astrologia Esportiva | Flamengo, o mais querido | O significado simbólico dos urubus |

Edições anteriores

Vanessa Tuleski - Cinema e simbolismo | O labirinto do fauno | Faces diferentes de uma mesma moeda |
Jayme Carvalho - Mercúrio, a palavra e a comunicação | O mito de Hermes | Hermes, deus agrário |
Ângela Brainer, Martha Perrusi e Fernando Fernandes - Evento em Pernambuco | Astrologia e imaginário nordestino |
Ângela Brainer
- Astrologia e imaginário nordestino | A cosmovisão popular e o reencantamento da ciência |
Martha Perrusi - Astrologia e imaginário nordestino | O ástrologo-almanaqueiro do Sertão |

 


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva