Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Edição 137 :: Novembro/2009 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

EVENTO EM PERNAMBUCO

Astrologia e imaginário nordestino

Ângela Brainer, Martha Perrusi e Fernando Fernandes

AmamentandoNo Nordeste, a linguagem da Astrologia permeia a cultura popular desde o período colonial, estando presente do trabalho das parteiras à técnica de fabricação de rabecas, passando pela produção de almanaques e pela arte de forjar os ferros com que se marcam os bois.

É fato sabido que as cosmovisões holísticas, entre as quais se inclui a Astrologia, estão divorciadas do saber científico desde o século XVII. Daí resulta, de um lado, uma ciência fragmentária e excessivamente dependente de protocolos esterilizantes; de outro, saberes tradicionais que, à mingua de pesquisas mais estruturadas, correm o risco de se transformarem em bens culturais de consumo descartável, num mercado sempre ávido pelo exótico. É neste panorama que iniciativas como a do NASEB - Núcleo Ariano Suassuna de Estudos Brasileiros, vinculado ao Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Pernambuco - provocam surpresa e criam a expectativa de novas pontes para o diálogo transdisciplinar.

Coordenadora dos contadoresContar histórias sempre fez parte da tradição nordestina. Na oralidade está presente o mito. À direita: a coordenadora da mostra sobre contadores.

O evento acadêmico teve lugar em 20 e 21 de outubro, no Hall do Centro de Convenções do Teatro da UFPE, e fez parte da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Sob a coordenação do NASEB, aconteceram oficinas, atividades lúdicas, uma exposição cultural, lançamento de livro e uma aula-espetáculo com Ariano Suassuna. A proposta era homenagear o Ano Internacional da Astronomia, mas num patamar inclusivo, capaz de abrir espaço para as múltiplas formas de religação entre o homem e o céu presentes na cosmovisão do homem nordestino. Por isso a presença de diversas entidades representativas da cultura popular. E por isso, também, a participação da sala de estudos cosmológicos Luzes do Céu, grupo constituído pelas astrólogas Ângela Brainer, Martha Perrusi, Dulce Figueiredo e Stella Siebra, entre outros. O resultado foi a percepção de que a linguagem da Astrologia permeia a cultura popular desde o período colonial.

Recuperando o fio da meada

Ângela Brainer

O evento apresentou uma Astrologia diferente. Não a que está nos livros com as mais refinadas técnicas, tampouco a das discussões filosóficas, mas a que está na manifestação do conhecimento popular, a que está na mata, no agreste, na caatinga, nos riachos e na alma do sertanejo. A Astrologia presente na observação sensível, selvagem e sábia do povo rural nordestino. 

Tivemos contato com o saber de uma vivência astrológica distinta, de um Brasil peculiar, único, construído e mantido pelo povo que a cada dia, a cada noite, a cada estação, trava uma luta contínua, respeitosa e responsável pela transmissão e manutenção das suas memórias e raízes. É um incansável combate pela continuidade dos valores expressos em suas cantigas, em seus cordéis e em seus almanaques, onde o cortejo dos astros marca as chuvas e estiagem, apontando o sucesso e o fracasso da saga do povo nordestino.

A música esteve presente na rabeca, instrumento melódico, utilizado desde a Idade Média, lembrando a harmonia das esferas celestes a ser copiada pela reaproximação dos saberes. Os cordelistas retrataram sua visão cósmica e encantaram o povo com o poder mágico das palavras e rimas, que de forma poética, lúdica, celebram as aventuras dos heróis, dos deuses, dos mitos, dos astros e das estrelas. E as parteiras, tão acostumadas com a tarefa de cortar o cordão umbilical, uniram-se desta vez à proposta de religar o cordão que vinculava a Astrologia às ciências oficiais.

As parteiras

Martha Perrusi

As parteiras, testemunhas da hora do nascimento, estavam presentes para marcar a hora do inicio desta proposta de religação da astrologia com as ciências oficiais.

Fazendo parte do Projeto Saberes e Práticas das Parteiras Tradicionais de Pernambuco, que busca reconhecer e salvaguardar todo conhecimento prático das parteiras rurais, das indígenas e das parteiras das comunidades quilombolas, Dona Abigail, parteira em Jaboatão dos Guararapes, quando consultada sobre a relação da lua com os nascimentos, declarou:

“Às vezes estou em casa e sou chamada pra fazer um parto. Vejo pela lua que não é a hora, só vou pra levar um chazinho e deixar a pessoa calma. Quando chego digo logo: - fia, isso é a lua que tá fazendo isso com você, ainda não é a hora.”  Quando terminou seu relato afirmou: “ a gente sabe a hora porque é a lua quem comanda no nascimento.”

Parteira

Dona Abigail

Constatamos, pelos depoimentos das parteiras, que é forte a presença da oração nos rituais que antecedem os nascimentos. Dona Abigail alegou, categoricamente, que antes da realização do parto elas rezam três Salve Rainha. Acertando a reza inteira, é sinal de que o parto será bom; caso errem, levam imediatamente a parturiente para o hospital. Errando na Salve Rainha, elas não realizam o parto.

José HonórioO mundo do cordel, das rabecas e de Ariano Suassuna

Fernando Fernandes

A Unicordel - União dos Cordelistas de Pernambuco - foi fundada em 2005 e é um movimento de defesa da poesia popular. A tradição do cordel, muito vinculada à oralidade, vem sendo resgatada pelo movimento através de recitais de declamação em espaços públicos, tais como mercados, feiras e universidades.

À esquerda: José Honório, presidente da Unicordel, lendo o "Horóscopo das Bichas". Não é preciso dizer que a preocupação com o politicamente correto costuma passar longe desse gênero de literatura popular.

Abaixo, a rabeca, tradicional instrumento popular originário do norte da África e utilizado desde a Idade Média.

A rabeca foi utilizada no Brasil desde o início da colonização. A forte presença da rabeca na cultura popular pernambucana mostra a sobrevivência de elementos medievais na cultura popular, da qual fazem parte conhecimentos cosmológicos e elementos da visão holística de mundo que também permeia a Astrologia.

Tocadora de rabeca, Pernambuco.Segundo o pesquisador Reinaldo José Vidal de Lima, do programa de pós-graduação em Educação em Ciências e Matemáticas da Universidade Federal do Pará, a técnica de fabricação artesanal de rabecas, que sobrevive em diversas regiões do norte e nordeste do país, leva em consideração diversos cuidados de ordem matemática:

A estética das proporções na construção deste instrumento já foi objeto de preocupação de vários artistas. O violino, que tem característica semelhante à Rabeca, foi criado a partir do número denominado de “número de ouro” ou segmento áureo ou relação áurea, instrumento de beleza incontestável. (fonte: Os saberes matemáticos dos fabricantes e tocadores de rabecas da festividade de São Benedito em Bragança - PA)

Não é preciso lembrar que o conceito de segmento áureo também está presente na Astrologia, bastando lembrar, por exemplo, de alguns aspectos menores introduzidos por Kepler no século XVII. Astrologia e cultura popular têm no Brasil a mesma idade e bebem das mesmas fontes.

Insígnia astrológica de Dom Pedro Dinis Quaderna - A Pedra do Reino.

Também falam por si as referências contidas na "insígnia astrológica de Dom Pedro Dinis Quaderna, o decifrador", personagem principal do romance A Pedra do Reino, do escritor pernambucano Ariano Suassuna. Pedro é um paraibano do interior que cresceu ouvindo histórias sobre ser um suposto descendente do rei Dom Sebastião, último monarca da dinastia de Avis. A morte em batalha de D. Sebastião é cercada de lendas, entre as quais a que fala de seu retorno triunfante para um dia restaurar a glória do reino. Pedro, em seu delírio, arma uma denúncia contra si mesmo, apenas para ser convocado a depor e ter o pretexto de contar sua história diante do juiz. Dado como louco e liberado, Pedro implora a oportunidade de ir para a prisão, onde terá tranquilidade para escrever a saga literária que mistura referências eruditas e populares, pagãs e cristãs. A Pedra do Reino revela o rico imaginário do homem nordestino, onde elementos da linguagem astrológica sempre estiveram presentes.

Leia também:

O astrólogo-almanaqueiro do sertão
A cosmovisão popular e o reencantamento da ciência

Nota - A Salve Rainha é uma oração originária da Alemanha, no século XI, e até hoje conhecíssima entre os católicos de todo o mundo: “Salve, Rainha, mãe de misericórdia, / vida, doçura, esperança nossa, salve! / A vós bradamos os degredados filhos de Eva. / A vós suspiramos, gemendo e chorando / neste vale de lágrimas. / Eia, pois, advogada nossa, / esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, / (...)”

Comente este artigo |Leia comentários de outros leitores



Atalhos de Constelar | Voltar à capa desta edição |

Vanessa Tuleski - Cinema e simbolismo | O labirinto do fauno | Faces diferentes de uma mesma moeda |
Jayme Carvalho - Mercúrio, a palavra e a comunicação | O mito de Hermes | Hermes, deus agrário |
Ângela Brainer, Martha Perrusi e Fernando Fernandes - Evento em Pernambuco | Astrologia e imaginário nordestino |
Ângela Brainer
- Astrologia e imaginário nordestino | A cosmovisão popular e o reencantamento da ciência |
Martha Perrusi - Astrologia e imaginário nordestino | O ástrologo-almanaqueiro do Sertão |

Edições anteriores

Eduardo Loureiro Jr. - Astrodramaturgia dos aspectos | Quem tem medo de quadraturas? |
Darci Lopes
-
A hora na Astrologia: como confirmar? | Os Ascendentes do Brasil, São Paulo e Brasília | Os mapas retificados |
Carlos Hollanda
- Mercúrio, inteligência emocional e mal-entendidos | Mercúrio retrógrado e Inteligência Emocional |
| Memória hábil e mal-entendidos |
Luiz Roberto Delvaux de Matos - Teoria Astrológica | Astrologia e (falta de) rigor conceitual |
Titi Vidal - Pesquisa acadêmica | Astrologia e Internet |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva