Constelar Home
menu
Um olhar brasileiro em Astrologia
 Arquivos de Constelar - Edição 04 :: Outubro/1998 :: -

Busca temática:

Índices por autor:

| A - B | C - D | E - F |
| G - L
| M - Q | R - Z |

Explore por edição:

1998 - 2000 | 2001 - 2002
2003 - 2004 | 2005 - 2006
2007 - 2008 | 2009 - 2010
2011 - 2013 |

País & Mundo |
Cotidiano | Opine! |
Dicas & Eventos |

UM TEXTO DE 1984 QUE NUNCA FOI PUBLICADO

Como foi o Primeiro
Encontro Aberto de Astrologia

Anna Maria Costa Ribeiro

Esta matéria foi produzida, inicialmente, para a revista OUTRA de dezembro de 1984, e sintetiza o conteúdo das palestras apresentadas no I Encontro Aberto de Astrologia promovido pela SARJ, no Rio de Janeiro, em novembro do mesmo ano. Contudo, aquele número da revista jamais chegou a ser publicado, pois a gráfica encarregada do serviço desapareceu num incêndio em que foram destruídos todos os fotolitos. A edição já estava paga e não havia dinheiro para começar tudo de novo. O número simplesmente foi cancelado e OUTRA voltou a circular apenas em maio de 1985, sob a forma de jornal tablóide.

Os originais de Anna Maria (foto) - dezessete páginas manuscritas nas costas de um formulário contínuo - ficaram guardados quatorze anos no arquivo da Coovida (hoje Terra do Juremá). Publicá-los agora significa resgatar um pedaço da memória da Astrologia carioca.

Em novembro [de 1984] realizou-se no Hotel Nacional o Primeiro Encontro Aberto de Astrologia, com a participação de astrólogos, psicólogos, filósofos, médicos e professores de mitologia.

O Encontro confirmou a seriedade e honestidade com que a Astrologia vem sendo tratada, no intuito de promover o autoconhecimento, bem como a sua praticabilidade na vida diária e a relação com diversas outras ciências.

Foram realizadas dezenove conferências:

Gary Dale Richman apresentou três casos de paranormalidade, mostrando a força dos planetas nas casas cardinais, e especificou Urano como influindo na telepatia, Netuno na intuição e Plutão na cura. No caso dos planetas mais rápidos, Mercúrio ativa a psicografia, Vênus a pintura e Marte a cirurgia.

Antonio Carles Harres lembrou que, no Antigo Egito, para fazer-se um médico era preciso que conhecesse Astrologia. Explicou a influência dos signos nas casas da Era de Aquário, salientando que: Aquário na casa 1 incentiva o impulso para a igualdade e a fraternidade; Touro na casa 4 traz para o casal a responsabilidade pela manutenção do lar e a preservação da família; Leão na casa 7 procura criar junto com seu companheiro e buscar a força através do outro; Escorpião na casa 10 coloca o governo nas mãos de quem realmente tem capacidade e experiência.

Martha Pires Ferreira falou da relação dos planetas lentos com a Astrologia Mundial, apresentando exemplos desde a década de 50 e analisando a atual década [a de oitenta] com referência às passagens de: Plutão em Escorpião, trazendo desenvolvimento tanto no sentido das grandes transformações benéficas à coletividade, como de possibilidades de violência e deterioração econômica; Netuno em Capricórnio, desorganizando o poder e anarquizando o conceito de posição social, bem como obrigando-nos a estar no mundo de maneira mais firme; e Urano em Sagitário, alterando as formas de ensino atualmente obsoletas.

Luiz Henrique Fontes de Carvalho, médico homeopata, apresentou casos de pacientes cujo mapa astrológico ajudou a confirmar o diagnóstico, ressaltando que os planetas em domicílio, por estarem mais fortes, tornam-se mais difíceis na doença e exigem mais do paciente.

Vicky de Carvalho, psicóloga, analisou o processo de individuação no pensamento de Jung e sua relação na Astrologia, informando que o Sol é a energia que mantém tudo coeso, a Lua reflete essa energia, Mercúrio dá estímulos no meio ambiente, Marte mostra como ir para o mundo exterior, Júpiter é o nosso menor esforço, enquanto Saturno é a estrutura que regula nossa atuação.

Maria Eugênia de Castro mostrou a influência de Netuno no comportamento humano, na moda e na música. Contando com a colaboração da figurinista Zenilda Barbosa, que apresentou slides, indicou a moda monge-monarca, prática e de boa qualidade, sem muita ênfase nos acessórios, para a passagem de Netuno em Capricórnio.

Gracindo Junior apresentou a pesquisa do músico Paulo Tapajós, ao som de músicas adequadas a Netuno transitando nos signos. Netuno, em Capricórnio, estaria reeditando o estilo clássico. Netuno estará neste signo até 1999.

Carlos Byington, psiquiatra e analista junguiano, ressaltou a importância das ciências simbólicas, entre as quais estão a Astrologia, o Tarot e o I Ching, que unem o conhecimento do objeto à vivência do subjetivo; conseqüentemente, sem subordinar-se a uma ciência sem alma, que desconhece a subjetividade. Lembrou também que o astrólogo não pode conhecer a realidade da pessoa e, portanto, não pode decidir por ela.

Cid de Oliveira falou da filosofia de Plotino aplicada à Astrologia, sendo o mapa a catarse para a purificação e a possibilidade de chegar ao autoconhecimento. Isto é, voltar ao centro, à origem.

Cláudia Lisboa (na foto, com o microfone) dividiu os planetas em três planos de experiências humanas, ou seja:

  • Plano biológico - o Sol como centro do Sistema Solar, a Lua como a memória da humanidade, incluindo o Ascendente como a vontade consciente de se manifestar, o Meio Céu como a obrigação de alcançar alguma coisa.
  • Plano dos cinco sentidos - os planetas até Saturno, que tratam das experiências objetivas do homem e que fornecem armas para perceber o mundo.
  • Plano subjetivo transcendental - Urano, que procura vencer o tempo; Netuno, que dissolve a compreensão da unidade, formando o Nada; e Plutão, que mostra a vida na ausência da vida, ocorrendo a transmutação.

Marcos Gebara Muraro, psiquiatra e analista junguiano, disse que o mapa mostra o potencial genético vivenciado de acordo com as condições existenciais, ressaltando que deve-se buscar o conhecimento onde ele estiver. O self, disse, é a totalidade dentro de nós; a persona é a face que apresentamos e que reprime os conteúdos psíquicos incompatíveis, tornando-se sombra; o ego é o mediador entre a persona e o self.

Junito de Souza Brandão, professor de mitologia, falou da origem de algumas palavras. Estrela - era uma estrela cadente e isolada; sideral - era um aglomerado de estrelas, constelação; contemplar - era olhar, no templo, uma estrela cadente; considerar - era olhar as constelações; desejar - vem de desiderar (a estrela); felicidade - vem da Terra que tudo nos dá. Então, tem-se: templum - contemplar, sidus - considerar, desejar. Olhar as estrelas é tornar-se livre.

Gersilga de Almeida, professora de mitologia, deu a mensagem de Ishtar, a protetora das mulheres apaixonadas, mas também a mãe devoradora na figura de Taimá, segundo o mito da Babilônia. É Ísis a deusa do amor e da vida que, para penetrar no reino dos mortos, onde estava seu amado, precisa atravessar sete portais e perder seus sete véus, correspondentes aos chakras.

Mais sete conferências e a reação da Câmara Municipal do Rio de Janeiro



Atalhos de Constelar 04 - outubro/1998

Constelar 04 | Voltar à capa desta edição |

Memória da Astrologia Brasileira | Nova Era: a Era de Aquário numa visão de 1972 | 1983: Astrologia Espaço/Tempo |
Como foi o Primeiro Encontro Aberto de Astrologia em 1984 | 1985: vereadores de olho num congresso de Astrologia |
Meditação e Astrologia | Os Vedas e a iluminação |
Fazendo Astrologia no Interior de São Paulo | Matando um leão por dia |
Astrologia, ciência e preconceito | O abre-alas da respeitabilidade |


Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão os avisos de atualização do site!
2013, Terra do Juremá Comunicação Ltda. Direitos autorais protegidos.
Reprodução proibida sem autorização dos autores.
Constelar Home Mapas do Brasil Tambores de América Escola Astroletiva